“Fenilpropanolamina”: proibida pela Anvisa volta a circular nas redes sociais

1269

Está circulando, novamente, nas redes sociais e principalmente nos grupos do WhatsApp um alerta sobre medicamentos que usam a substância Fenilpropanolamina, uma substância usada em medicamentos, como anti gripais, descongestionante, antialérgico e emagrecedor.

Mas em 2010, este alerta já circulava em e-mails, e a mensagem dizia: “Remédio suspenso – Risco de morte”.

A mensagem traz uma lista de medicamentos, entre eles, Benadryl, Contac, Alcode, Rinarin, Deutap, Defamil, Naldex, Nasaliv, Descongex, Senagrip, Rhinex e Cheracon. 

E olha que em 2010 está mensagem já era antiga, pois no dia 2 de setembro de 2005 a Agência Nacional de Vigilância Sanitária já tinha divulgado uma nota com esclarecimentos sobre as mensagens veiculadas na internet sobre os medicamentos com a substância Fenilpropanolamina, que, até o ano 2000, estava presente na composição de vários medicamentos, principalmente nos antigripais, segundo a Anvisa.

A Fenilpropanolamina foi proibida no Brasil, por meio da Resolução RDC 96, de 8 de novembro de 2000. A medida foi adotada depois que a agência reguladora de medicamentos e alimentos dos Estados Unidos relatou a ocorrência de “graves efeitos colaterais” derivados do uso de remédios com a substância.

Então, apesar de trazer um alerta sobre uma substância que realmente foi proibida pela Anvisa, está notícia de que a fenilpropanolamina está presente hoje em medicamentos no Brasil não é verdadeira. Pois, todos os laboratórios tiveram tempo suficiente para modificar suas fórmulas e retirar a fenilpropanolamina dos remédios comercializado.

Curte nosso conteúdo?!

Receba as notícias diretamente no seu e-mail:

Comentários