Índios são contaminados por mercúrio na Amazônia

4

Um estudo feito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), junto com o Instituto Socioambiental (ISA), diz que a contínua invasão ilegal de garimpeiros no território dos índios Yanomami, tem trazido graves consequências: algumas aldeias chegam a ter 92% das pessoas examinadas contaminadas por mercúrio.

Em 2014 uma equipe de pesquisa visitou 19 aldeias, a pedido da Hutukara Associação Yanomami (HAY) e da Associação do Povo Ye’kwana do Brasil (Apyb), onde foram coletadas 239 amostras de cabelo, priorizando os grupos mais vulneráveis à contaminação: crianças, mulheres em idade reprodutiva e adultos com algum histórico de contato direto com a atividade garimpeira. Também foram coletadas 35 amostras de peixes que são parte fundamental da dieta alimentar destes índios. O estudo foi realizado nas regiões de Papiú e Waikás, onde residem as etnias Yanomami e Ye’kwana.

O caso mais alarmante foi o da comunidade Yanomami de Aracaçá, na região de Waikás, onde 92% do total das amostras apresentaram alto índice de contaminação. Esta comunidade, entre todas as pesquisadas, é a que tem o garimpo mais próximo.

Uma comitiva formada por lideranças Yanomami e Ye’kwana, e representantes da Fiocruz e do ISA, foram à Brasília, em março de 2016, para divulgar o diagnóstico junto aos órgãos responsáveis. A comitiva entregou cópias às Presidências da Funai e do Ibama, ao coordenador da Secretaria Especial de Saúde Indígena, ao Ministério Público Federal e à Relatora Especial sobre Direitos Indígenas da ONU, que estava em visita ao Brasil. Foi exigido pelas lideranças indígenas a retirada imediata dos garimpeiros da Terra Indígena Yanomami e um atendimento especial as pessoas estão contaminadas.

Índios são contaminados por mercúrio na Amazônia
Índios são contaminados por mercúrio na Amazônia

 

Comentários com Facebook

Curte nosso conteúdo?!

Receba as notícias diretamente no seu e-mail: