Mulheres guerreiras: as mitológicas Amazonas realmente existiram?

169

Mencionadas repetidas vezes pelos gregos antigos tanto em seus registros históricos oficiais quanto em sua mitologia, as guerreiras Amazonas já eram dotadas de fama na época de Homero, por volta do oitavo século antes de Cristo. Mesmo com todas as marcas que deixaram, há poucas evidências que essas lutadoras formidáveis que inspiraram lendas antigas realmente existiram – o que não significa que não há indício nenhum.

As mitológicas Amazonas
As mitológicas Amazonas

Segundo as lendas, as Amazonas eram guerreiras de grande habilidade que viviam em comunidades exclusivamente femininas, arranjando parceiros uma vez por ano para se procriarem – e os matando após a fecundação. O mito também afirma que essas mulheres combatentes chegavam ao extremo de arrancar um dos próprios seios para se tornarem melhores arqueiras.

Uma das Amazonas mais famosas da antiguidade foi Antíope, que o herói Teseu conquistou e tomou como sua concubina durante uma invasão – o que certamente deu muito certo para o homem. Outros nomes célebres incluem Pentesileia, que se encontrou com Aquiles durante a guerra de Troia, e Myrina, rainha das guerreiras africanas.

As mitológicas Amazonas

Até no Brasil

Loading...

Desde a antiguidade, o nome das Amazonas vem sendo usado para descrever as mulheres combatentes de forma geral, incluindo um grupo que supostamente viveu no grande rio que dá nome à maior floresta do Brasil. O explorador Francisco de Orellana relatou que seus homens entraram em combate com guerreiras extremamente habilidosas em um afluente do fluxo principal de água, que foi então renomeado como Rio Amazonas.

Até pouco tempo, tudo parecia indicar que as Amazonas originais haviam sido completamente inventadas pelos gregos patriarcais como uma forma de ressaltar a suposta superioridade natural dos homens. Nos mitos, as lutadoras lutavam e cavalgavam como os guerreiros machões, mas sempre acabavam sendo derrotadas por eles. Dessa forma, as lendas serviam para mostrar como mudar a “ordem natural” de dominação masculina causaria problemas.

As mitológicas Amazonas
As mitológicas Amazonas

Achado histórico

Nos início da década de 1990, os arqueólogos Renate Rolle e Jeanninne Davis-Kimball descobriram evidências que balançaram o que achávamos saber sobre as Amazonas. Durante explorações nas estepes Urais, que cercam o Mar Negro em uma região da Rússia, os estudiosos encontraram os túmulos de mulheres guerreiras que foram enterradas com suas armas – algumas até apresentavam ferimentos de combate.

Uma das covas continha os restos de uma mulher segurando um bebê em seu peito, o que não seria nada incomum se não fossem os danos nos ossos de sua mão, desgastados por puxar cordas de arcos repetidamente, e a presença de suas armas ao seu lado. Alguns dos cadáveres femininos tinham pernas arqueadas de tanto andar a cavalo e elas possuíam uma altura média de 1,68 metro, o que as tornava excepcionalmente altas para a época.

Embora muitas evidências parecessem apontar que o achado se tratava de um legítimo cemitério de Amazonas, apenas 25% dos guerreiros encontrados lá eram do sexo feminino. Por fim, os estudiosos acabaram afirmando que os corpos eram de citas, uma raça de cavaleiros nomeada pelo historiador Heródoto como descendentes da tribo mitológica mulheres lutadoras.

As mitológicas Amazonas
As mitológicas Amazonas

A descoberta finalmente representava evidências arqueológicas da existência de descendentes das Amazonas no mesmo local em que Heródoto havia afirmado que eles viveram. No entanto, a presença de cadáveres de homens e de crianças de ambos os sexos parecia contradizer o que era conhecido sobre o estilo de sociedade das mulheres combatentes.

O elo perdido

Segundo Heródoto, um grupo de Amazonas que havia sido capturado conseguiu se libertar e matar os gregos no navio que o transportava. No entanto, nenhuma delas tinha conhecimentos de navegação e a embarcação acabou embarcando na região em que os citas originais viviam. As guerreiras acabaram se unindo e casando com eles, formando um novo grupo nômade que eventualmente chegou nas estepes e formou uma nova chama, os sármatas.

“As mulheres sármatas desde então continuaram a praticar alguns de seus costumes ancestrais, frequentemente caçando a cavalo com seus maridos. Durante guerras, iam aos campos e usavam as mesmas vestimentas que os homens. Segundos suas leis, nenhuma garota poderia se casar até ter matado um homem em combate”, escreveu o historiador.

Xena : A Princesa Guerreira
Xena : A Princesa Guerreira

Ainda que exista a possibilidade dos relatos de Heródoto não serem completamente precisos, certamente há evidências suficientes da cultura dos sármatas para afirmar que esse grupo tinha uma ordem social bem mais flexível e menos sexista do que era comum em Atenas naquela época. Além disso, o fato de eles possuírem habilidosas mulheres guerreiras também reforça sua possível origem.
Origem das lendas

Muitos historiadores acreditam que as lutadoras desse grupo foram na verdade a inspiração que levou os gregos a criar mitos sobre seus ancestrais, de forma que os contos foram se tornando mais exagerados com o passar do tempo. Dessa forma, a lenda das Amazonas poderia ter se originado de uma simples sociedade em que as mulheres possuíam um papel mais igualitário.

Outra possibilidade é que as lendas inicialmente não tivessem qualquer ligação com os sármatas, mas a busca de Heródoto pela origem das histórias das guerreiras acabou levando-o a criar a conexão. De qualquer forma, as informações atuais nos levam a crer que as Amazonas das lendas nunca existiram de fato, mas que realmente existiram mulheres lutadoras tão poderosas que acabaram dando origem aos mitos.

As mitológicas Amazonas
As mitológicas Amazonas

E você, acredita que a sociedade das matadoras de homens era real? Deixe sua opinião nos comentários.

 

Comentários

comentários

Curte nosso conteúdo?!

Receba as notícias diretamente no seu e-mail: