Prefeito Artur Neto e Eduardo Braga aparecem novamente em delação da Lava-Jato por corrupção, segundo delator

8

Novamente os nomes do prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB) e do senador Eduardo Braga (PMDB) aparecerem em delações premiadas da operação Lava Jato.

O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que tem surpreendido a todos com suas delações, citou o nome dos dois políticos junto com outros que receberam propina para financiamento de campanha política.

Prefeito Artur Neto e Eduardo Braga aparecem novamente em delacao da Lava jato por corrupcao segundo delator4

No trecho em que se refere ao Prefeito Artur Neto, o delator da Lava Jato comenta no Termo de Colaboração Nº 10, na página 86, Machado diz:

“‘Não tem nenhum. Quem é que nunca pediu dinheiro? ZÉ AGRIPINO, AÉCIO, ARTUR (VIRGÍLIO)…ALOYSIO’”.

Trecho da delação que aparece o nome do Prefeito de Manaus Artur Neto
Trecho da delação que aparece o nome do Prefeito de Manaus Artur Neto

Está é a segunda vez que o nome do prefeito Artur aparece na Lava Jato, a primeira vez foi no dia 23 de abril.

Já no trecho que cita Eduardo Braga, Machado diz ele foi beneficiado parte de R$ 40 milhões da JBS, a pedido do PT, e que isso “ouviu de diversos senadores”.

No trecho que cita Eduardo Braga
No trecho que cita Eduardo Braga

Em nota, o senador Eduardo Braga informou:

” O ex-senador Sérgio Machado mentiu ao citar meu nome como sendo beneficiário de recursos financeiros que segundo ele, em 2014, teriam sido doados pela empresa JBS para a campanha eleitoral de senadores do PMDB a pedido do PT.

Jamais tratei com o ex-senador qualquer assunto relacionado a campanhas eleitorais ou afins, muito menos sobre doações. Sua citação caluniosa é abjeta e criminosa.

Todos os recursos utilizados na minha campanha eleitoral de 2014, sem exceção, foram declarados e estão disponíveis nas prestações de contas que foram apresentadas, analisadas, julgadas e aprovadas pelo Poder Judiciário Eleitoral.

Lamento que seja divulgado, como se verdade  fosse, trechos de um depoimento em que o chamado “delator” usa expressões como “ouvi falar” e “não me lembro da parte de quem” para tentar me enredar em tramas sobre as quais nada de concreto foi apresentado.

Reafirmo meu compromisso com a verdade e jamais me furtarei a prestar todo e qualquer esclarecimento necessário para restabelece-la.”

Curte nosso conteúdo?!

Receba as notícias diretamente no seu e-mail:

Comentários