Processo que apura acusação de estupro contra Vereador do Castanho está parado há 6 anos na Justiça do Amazonas

731

O vereador mais votado do município de Careiro Castanho (distante 24km de Manaus),  Roberval Lima Martins (PRP) de 60 anos responde a um processo por abuso sexual contra uma menor desde 2011, mas por influência política, o processo está parado há 6 anos na Justiça do Amazonas.

Vereador Roberval do Castanho responde processo por estupro desde 2011 - Imagem de divulgação
Vereador Roberval do Castanho responde processo por estupro desde 2011 – Imagem de divulgação

Roberval do Castanho foi acusado de estuprar uma adolescente de 16 anos da comunidade do Anveres. Segundo consta no processo n.0000001 – 62.2017.8.04.3700, à época, a menor sofreu abuso sexual em uma residência do acusado. Após a violência sexual, a vítima contou em prantos a seus familiares que acionaram imediatamente o conselho tutelar do município e registraram ocorrência na delegacia.

Após frustradas tentativas do Conselho Tutelar e outros órgãos para dar resolução ao caso, o processo parece não andar, e está estacionado na justiça desde 2011.

Inquérito Policial
Inquérito Policial

Em 2011, durante o acontecido, o vereador chegou a ser levado à delegacia onde prestou depoimento na presença do seu advogado, porém, relatou que tudo não passava de calúnia e perseguição política dos seus adversários.

De acordo com laudo da médica psiquiatra Dra. Roberta Alves a vítima desencadeou problemas psicológicos após a violência sexual.  Entre as anomalias psiquiátricas apontadas em laudo médico está a esquizofrenia, como efeito de alienação mental. Entre os sintomas apresentado pela vítima estão : Alucinações auditivas, delírios e agitações.

Segundo informações locais, o vereador acusado mantém controle sobre familiares da vítima através de doações. E em consequência de uma suposta perseguição, a vítima precisou sair da cidade.

Atualmente Roberval segue como vereador do município, sem responder quaisquer consequências ou explicações sobre a investigação.

Esse é um retrato de como as coisas andam no interior do Amazonas. Processo criminal caminha para 6 anos sem solução na comarca do município. Por conta da influência política, processos como este ficam parados em cidades do interior do Amazonas, onde outros políticos também respondem processo por estupro e abuso sexual a menores.

Comentários com Facebook

Curte nosso conteúdo?!

Receba as notícias diretamente no seu e-mail: