Sistema de Compartilhamento de Bicicletas Manôbike em menos de 24h já sofre vandalismo em Manaus

3075

Após estreiar como novo modal de transporte na cidade de Manaus, na quarta-feira (12), o sistema de bicicletas compartilhadas ManôBike com menos de 24h após a inauguração, já registra quatro sinistros por conta de atos de vandalismo. O caso mais grave foi registrado na estação 9, instalada no Mercado Municipal Adolpho Lisboa, onde uma bike teve parte do guidom cerrado e a cesta furtada.

A empresa operadora do sistema, Samba/Serttel, informa que denúncias podem ser feitas imediatamente à Central de Atendimento ao Cliente pelo número 4003-0387, para que seja acionada a assistência técnica local. Nos casos ocorridos, a operadora já está atuando para reparar os danos causados. O custo médio da operação em Manaus, incluindo manutenção, é de R$ 10 mil.

O presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Claudio Guenka, esteve na estação nesta quinta-feira, 13/4. O Implurb é responsável pelo contrato de Termo de Cooperação sem ônus para o Município. “Vamos tomar as medidas necessárias, mas inicialmente queremos que a população se conscientize do sentimento de que o projeto é da cidade, pertence a cada cidadão. É um bem que fica para a população e não podemos deixar que isso ocorra”, declarou.

A empresa responsável vai apurar os casos

Na segunda-feira, 17, após o feriado, será realizada uma reunião com a empresa para verificar os meios para se apurar o que ocorreu. “A Prefeitura de Manaus, por ação do prefeito Arthur Virgílio Neto, está implantando inovações na cidade, mas é preciso apoio de todos. Não gostaríamos, na verdade, que nenhuma bicicleta fosse danificada. É um tipo de equipamento urbano que não precisa de vigilância, mas vamos pedir apoio da Guarda Municipal”, observou Guenka.

Quem passou pelo local enquanto as bikes danificadas eram recolhidas lamentou o episódio. “As pessoas precisam respeitar a bicicleta. Não é porque o benefício é público, que a população deve achar que pode destruir ou levar e não devolver. A ideia é ótima, principalmente para o trânsito aqui de Manaus”, disse a pedagoga Janete Canto, 41. “Essa ideia é ‘maneira’, facilita para quem precisa. É uma pena ainda ter por aí quem queira fazer o mal”, completou o carregador André Silva, 25.

A empresa assinou Termo de Cooperação com a prefeitura

O custo médio da operação em Manaus, incluindo manutenção, é de R$ 10 mil – Fotos: Divulgação
O custo médio da operação em Manaus, incluindo manutenção, é de R$ 10 mil – Fotos: Divulgação

O projeto

Além da questão da mobilidade e do incentivo a meios não poluentes e que visam à melhoria na qualidade de vida dos cidadãos, o sistema de bicicletas compartilhadas também favorece a política de fortalecimento ao turismo.

A operação do sistema é feita pela Samba Transportes Sustentáveis, do Grupo Serttel, com patrocínio da Hapvida. A empresa assinou Termo de Cooperação com a prefeitura, após sair vencedora do edital de Chamamento Público lançado pelo Implurb.

São 11 estações em operação, que estão localizadas em lugares emblemáticos da capital, tais como o próprio “mercadão”, a centenária avenida Eduardo Ribeiro, a Igreja N.S. dos Remédios, a Praça do Congresso, a Beneficente Portuguesa e outros.

O sistema funcionará de segunda-feira a domingo, das 6h às 23h, para retirada do equipamento, e 24h para devolução. Manaus terá 110 bikes disponíveis para as 11 estações, mas a rede poderá ser ampliada futuramente, conforme demanda.

O custo médio da operação em Manaus, incluindo manutenção, é de R$ 10 mil – Fotos: Divulgação
Sistema de Compartilhamento de Bicicletas Manôbike em menos de 24h já sofre vandalismo em Manaus

Com informações da assessoria

Comentários com Facebook

Curte nosso conteúdo?!

Receba as notícias diretamente no seu e-mail: