A lenda da cobra grande debaixo da Catedral de Itacoatiara

12623

O mito da cobra-grande povoa o imaginário dos antigos da Velha Serpa. O fato da velha igreja da cidade apresentar rachaduras imensas, que vez por outra apareciam em suas paredes, isso acabou por estimular a imaginação do povo, era motivo suficiente para que populares afirmassem que isso ocorria quando se tirava N. Sra. do Rosário de seu altar mor, para seguir em procissão pelas ruas da cidade. E segundo a lenda, contada de geração a geração, o povo antigo afirmava que a imagem de N. Sra. do Rosário, se encontrava justamente sobre a cabeça da cobra, que repousava a alguns metros do subsolo da igreja. E as rachaduras, seriam ocasionadas pela fúria da cobra, pelo motivo de tirarem a santa do lugar, e isso provocava o trincamento das paredes do principal templo sagrado da Velha Serpa.

Como a lenda da cobra-grande faz parte do imaginário amazônico, o município de Itacoatiara também conserva essa tradição popular, pois outros elementos da fé crista corroboram para o fortalecimento da crendice. A imagem da padroeira do Amazonas Nossa Senhora da Conceição, que se encontra no altar mor da catedral metropolitana do estado, sua imagem esta sobre uma serpente. Na Catedral paraense de Nossa Senhora de Nazaré, também possui o mesmo mito da cobra-grande, que repousa sob o seu subsolo, e que também é guardiã da imagem da santa protetora do povo paraense.

Ha várias histórias do aparecimento desse ser mitológico, na zona rural da Amazônia, e em Itacoatiara não é diferente, conforme contam os pescadores da região. A lenda da cobra que fica em baixo da igreja matriz é antiga e esta tão impregnada no imaginário popular, tanto que na própria letra do Hino da cidade de Itacoatiara, criado por uma freira a cobra é mencionada, no seguinte trecho, “olhando o rio revolto, e a serpente raivosa a vibrar, eu tenho um presente venturoso, crescer, viver, reinar”. Como pudemos perceber, pela força extraordinária que o poder mito exerce sobre a ação humana, em 2008, foi erguido um monumento, integrante da urbanização da construção da Orla da cidade de Itacoatiara, contemplando alguns símbolos do município, destacando uma replica da pedra pintada, que se encontra dentro de uma pequena lagoa, que deságua de uma cascata, a qual é contida com uma réplica gigantesca da famosa cobra grande.

Hoje esse lugar, é um dos mais favoritos para poses de fotografias dos turistas que visitam Itacoatiara.
O termo Serpa tem origem na Cidade da província de Beja em Portugal. O Infante Dom Fernando recebeu o território do seu pai o Rei Dom Afonso e no lugar haviam muitas “serpas” – serpentes e ele tornou-se o Infante de serpas, com o tempo perdeu-se o “s” final e o lugar e também pessoas passaram a assinar-se serpa. Na época da fundação do povoado que deu origem a nossa cidade em 1759, por determinação do império do Brasil, o nome dado ao primeiro assentamento urbano na região, foi Vila de Serpa, só em 1874, a cidade foi elevada a categoria de cidade com o nome de Itacoatiara.

A lenda da cobra grande de Catedral de Itacoatiara
A lenda da cobra grande de Catedral de Itacoatiara

Por: Frank Chaves

Comentários

comentários

Loading...