Home Regionalismo Lendas Urbanas A lenda da rasga mortalha

A lenda da rasga mortalha

6 min - tempo de leitura
73,730

A rasga mortalha é o nome popular que se dá , na região norte e nordeste, à uma pequena coruja, de cor branca, de vôo baixo. O atrito de suas asas , ao voar, produzem o som de um pano que está sendo rasgado. O povo acredita que, quando ela passa sobre a casa de alguma pessoa doente, ela esteja rasgando a mortalha do doente, que , assim está prestes à morrer.  A rasga mortalha só sai na boca da noite.

 Rasga-mortalha é o nome popular que se dá , na região norte e nordeste, à uma pequena coruja, de cor branca, de vôo baixo. O atrito de suas asas , ao voar, produzem o som de um pano que está sendo rasgado. O povo acredita que, quando ela passa sobre a casa de alguma pessoa doente, ela esteja rasgando a mortalha do doente, que , assim está prestes à morrer.
Rasga-mortalha

Conhecida também como Suindara, a rasga mortalha é uma coruja que possui fama de agourenta. Em algumas regiões, principalmente no norte e nordeste do Brasil, acredita-se que quando essa ave passa por cima de alguma casa soltando um ruído semelhante a um “pano sendo rasgado”, é sinal de que algum morador por ali está perto de morrer.

Essa crendice teve início a partir de uma antiga lenda. Conta-se que tudo começou com uma jovem de trinta e cinco anos de idade, um pouco gorda e de pele muito branca. A jovem se chamava Suindara, trabalhava como carpindeira (mulheres com mais de trinta anos que eram pagas para chorarem em velórios e cemitérios) e era filha de um temido feiticeiro chamado Eliel. A jovem Suindara era muito inteligente e respeitada na sua comunidade, todos a conheciam como “Coruja Branca”. Suindara levava uma vida normal, exceto pelo fato de ser carpindeira.

Os problemas da jovem iniciaram quando ela começou a namorar as escondidas com um rapaz chamado Ricardo, que era filho de uma condessa chamada Ruth. A condessa era conhecida por sua rigidez e era muito preconceituosa. Se o romance de Suindara e Ricardo fosse descoberto, jamais seria aceito pela condessa, mas Ruth acabou descobrindo e arquitetou um plano malévolo para acabar com a relação dos dois.

Coruja-das-torres é uma espécie que pertence a família dos titonídeos, também conhecida pelos nomes de coruja-da-igreja, coruja-branca, coruja-católica e rasga-mortalha.
Coruja-das-torres é uma espécie que pertence a família dos titonídeos, também conhecida pelos nomes de coruja-da-igreja, coruja-branca, coruja-católica e rasga-mortalha.

A condessa mandou que sua empregada Margarida entregasse um bilhete para a carpideira dizendo que contrataria os seus serviços e para isto seria necessário que as duas se encontrarem atrás de uma cripta azul , que ficava no local mais afastado e escuro do cemitério .

Assim que Suindara chegou no local combinado foi assassinada por um empregado de Ruth. Todos lamentaram muito quando ficaram sabendo da morte da jovem, a enterraram em um luxuoso mausoléu e para homenageá-la esculpiram uma enorme coruja branca no meio da sua cripta.

Eliel, utilizou as cartas de tarô e acabou descobrindo que a verdadeira assassina de sua filha era a condessa da aldeia. Foi aí que ele resolveu executar um poderoso ritual para se vingar da assassina. Eliel foi até o túmulo de sua filha e executou sua magia. O espírito da moça penetrou na enorme estátua de coruja branca e fez com que ela criasse vida própria. A coruja saiu voando pela aldeia e foi até a sacada da janela do castelo onde dormia Ruth, começou a piar um canto estranho, semelhante ao som de roupa de seda sendo rasgada. Durante toda a noite a aldeia ouvia assustada o som aterrorizante da ave. No dia seguinte a condessa amanheceu morta e suas roupas de seda foram encontradas rasgadas, como se alguém as tivesse cortado.

A partir desse evento, a coruja começou a soltar seus gritos aterrorizantes sempre que alguém estava perto de morrer na aldeia. Até hoje as pessoas ainda temem quando a “rasga-mortalha” sobrevoa suas casas soltando “gritos”, pois bom sinal não é. Existe até um “contra-feitiço” para a maldição da coruja, são palavras que se diz para afastar o agouro do animal: ” Aqui não tem tesoura nem pano, não tem ninguém morando aqui” Eu mesmo já testemunhei morte de gente que foi “agourada” pela “rasga-mortalha”, pode até ter sido coincidência, mas quem sou eu para duvidar?!

Diz a lenda que se uma coruja Rasga- Mortalha pousar no telhado ou na sacada de sua casa e piar, um som semelhante ao rasgo de seda é sinal de que alguém da casa logo falecerá.
Diz a lenda que se uma coruja Rasga- Mortalha pousar no telhado ou na sacada de sua casa e piar, um som semelhante ao rasgo de seda é sinal de que alguém da casa logo falecerá.

 

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Lendas Urbanas

33 Comentários

  1. Wanderley Gomes

    28 de setembro de 2015 at 09:27

    É, aqui em casa não passou nenhuma rasga mortalha não,mas se passar,quem vai morrer é ela,pois dou-lhe uma lapada de chumbo grosso. Kkkkk

  2. Agamenon Dos Santos

    17 de outubro de 2015 at 15:31

    esta coruja rasga mortalha, deve traser muita sorte para jogar nas loterias, e nada mais

  3. Rafael Silva

    1 de novembro de 2015 at 03:31

    Minha mãe contou a história de que quando minha avó morreu, ela e meu avô ouviram uma noite antes essa coruja passar por cima da casa, isso foi no de 1994 no Maranhão, minha mãe não iria inventar uma coisa dessas sobre a morte da minha vó. Ela disse que foi de madrugada, e no dia seguinte minha vó morreu de causas naturais, tem muitas outras histórias que ela contou sobre o povoado que ela morava antes, muitas mesmo, sério, é de arrepiar.

Deixe uma resposta

Leia Também

Aleam antecipa pauta da próxima semana com oito Projetos de Lei e cinco vetos do governo

  A Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) vai colocar em votação, na próxima sem…