Página Inicial Notícias Política Anonymous começam a vazar dados da família Bolsonaro e ministros

Anonymous começam a vazar dados da família Bolsonaro e ministros

4 minutos de leitura
1,401

Na noite desta segunda-feira (1/6) uma célula brasileira Anonymous publicou diversos documentos de cidadãos envolvidos no governo Bolsonaro no Pastebin. De acordo com o grupo, o vazamento será sistemático.

Anonymous começam a vazar dados da família Bolsonaro e ministros – Imagem: Divulgação

Até o momento, foram disponibilizadas informações pessoais de Jair Bolsonaro, Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), Douglas Garcia (deputado estadual – PSC), Abraham Weintraub (ministro da Educação), Daniela Weintraub (esposa do ministro Abraham Weintraub), Damares Alves (ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) e Luciano Hang (cofundador da Havan).

O documento publicado pela célula traz informações como celulares válidos, endereços de e-mail, endereços físicos, bens declarados, participação em empresas, score do Cadastro de Pessoa Física (CPF), além de dívidas registradas.

A ação pela célula brasileira, provavelmente, veio inflamada após ações dos Anonymous internacionais. Com um chamado para outras células, é possível observar um aumento na movimentação dos grupos brasileiros, que estavam praticamente adormecidos até então.

O grupo revelou informações do empresário Luciano Hang, dono da rede Havan; e do deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP). As informações sigilosas divulgadas incluem salário, endereço, nota de avaliação de entidades de crédito, bens, dívidas registradas, capacidade de pagamento de contas, entre outros.

Imagem: Reprodução

Douglas Garcia, inclusive, já se posicionou sobre a ação do grupo: “Anonymous Brasil, de forma criminosa, acaba de divulgar todos os meus dados nas redes sociais. Para que colocar os meus familiares em risco? Para que divulgar o endereço de minha casa? Os lugares em que trabalhei? Estou indo agora mesmo na delegacia fazer um boletim de ocorrência”.

Imagem: Reprodução
Imagem: Reprodução

Na noite do último domingo (31), em sua conta oficial no Twitter, uma das principais células Anonymous resolveu se pronunciar em relação aos protestos ocorridos em algumas cidades do mundo, devido a um policial branco ter assassinado um cidadão afro-americano de 46 anos, chamado George Floyd. A justiça dos EUA disse que Floyd não morreu por asfixia, como se supunha. Mas a forma como foi violentado pelo policial contribuiu para sua morte, já que o homem tinha problemas de saúde.

 

Comentários

Carregue Mais Artigos Similares
Carregue Mais Por No Amazonas é Assim
Carregue Mais Em Política

Deixe uma resposta