Cantora indígena canta Hino Nacional em dialeto ticuna, em Manaus

1970

Natural da regi√£o do Alto Solim√Ķes, na comunidade ticuna Umaria√ßu II, localizada em Tabatinga, munic√≠pio do Amazonas distante 1.108 km de Manaus, Djuena Tikuna, de 28 anos, mora h√° 20 anos em Manaus e seu √ļltimo feito como cantora foi interpretar o Hino Nacional do Brasil no dialeto ticuna.
Segundo Djuena, a oportunidade surgiu quando ela conheceu o professor bil√≠ng√ľe Sans√£o Flores Tikuna, da comunidade ticuna Filad√©lfia, localizada em Benjamin Constant, distante 1.121 km da capital. “Quando ele soube que eu era uma cantora ficou fascinado e decidiu traduzir o Hino Nacional para o nosso dialeto. O processo todo durou tr√™s meses”, contou a ind√≠gena.

Para ela, o in√≠cio n√£o foi f√°cil. “Por ser um dialeto um tanto dif√≠cil, ficava com medo de errar o Hino. Mas, passado esse tempo, j√° me sinto mais segura”, afirmou a cantora, que recebeu em m√£os o Hino Nacional em dialeto ticuna no ano de 2009. “Desde ent√£o, j√° apresentei o Hino brasileiro em diversos eventos, como na Rio +20, que foi um dos que mais me marcou”, disse a artista amazonense.

Sobre a recep√ß√£o do p√ļblico ante a vers√£o ticuna do Hino, Djuena disse serem as melhores poss√≠veis. “O p√ļblico acha diferente, ex√≥tico at√©, uma √≠ndia cantar em sua l√≠ngua materna o Hino Nacional”, contou. Contudo, a cantora disse que, como artista, prefere ser reconhecida pelo talento que carrega na voz. “N√£o gosto de ser reconhecida somente como a ‘cantora ind√≠gena’, quero que as pessoas prestem aten√ß√£o na minha voz”, contestou ela.

Quando questionada a respeito dos sonhos que possui, a cantora mostrou-se modesta. “Sei que n√£o vou ficar rica, nem quero, meu objetivo √© outro. Meu objetivo √© preservar minhas tradi√ß√Ķes, minha cultura, e repass√°-las adiante para meus filhos e netos. E, tamb√©m, ajudar financeiramente com o que eu puder a minha comunidade”, disse ela.

√önica da fam√≠lia a ser cantora profissional, Djuena disse que para tanto teve de batalhar muito para seguir na profiss√£o. “Fui a √ļnica que foi atr√°s de uma carreira art√≠stica, que foi atr√°s de patroc√≠nio, de produ√ß√£o. Sa√≠ divulgando meu trabalho e a cultura ticuna”, comentou. Para ela, √© importante que as crian√ßas ind√≠genas compartilhem do mesmo sonho de se tornarem cantoras, vejam o exemplo dela e nunca desistam.

Morando em Manaus h√° cerca de 20 anos, Djuena acha importante a mudan√ßa para a capital. “Amo o lugar em que nasci e cresci, mas acho que, para quem quer crescer na vida, √© importante vir para a capital tentar algo melhor. E, estando aqui, seu p√ļblico aumenta e, naturalmente, sua mensagem vai ser transmitida para mais pessoas”, explicou Djuena.

Inspira√ß√Ķes
“Minhas inspira√ß√Ķes vem todas do meu povo, os ticunas s√£o muito criativos. Meus pais vivem cantando, toda minha fam√≠lia gosta de cantar, apesar de ningu√©m, al√©m de mim, fazer isso profissionalmente. Cresci no meio do canto e quero transmitir isso pras crian√ßas de agora. As pessoas que mais me inspiraram foram meus pais, meu amor pelas artes vem deles”, disse a ticuna.

Djuena Tikuna disse ainda que as inspira√ß√Ķes para compor as m√ļsicas vem do dia-a-dia. “Quando eu estou andando por a√≠, se vem uma melodia na minha cabe√ßa, crio logo uma letra que fale de uni√£o de povos, da preserva√ß√£o da natureza, fale do amor pelas pessoas, pelas crian√ßas”, afirmou a compositora e cantora ind√≠gena.

Preconceito
Ao longo de 25 anos, Djuena disse ter sido v√≠tima de preconceito somente uma vez, h√° muito tempo. “Foi logo quando cheguei em Manaus, tinha oito anos e n√£o sabia falar portugu√™s direito. Meus colegas de classe e minha professora, por saberem que eu era ind√≠gena, me tratavam como se eu fosse burra”.

Para a artista, no Brasil n√£o se comemora o Dia do √ćndio. “A gente luta por dias mais justos pro nosso povo. Porque est√£o acabando com a nossa terra. Sou cantora, mas como cantora ind√≠gena acabo me envolvendo nessas quest√Ķes pol√≠ticas”.

Projetos futuros
Como principal projeto para 2013, Djuena disse ser a grava√ß√£o do primeiro CD solo, somente com m√ļsicas autorais, todas cantadas em dialeto ticuna. “J√° tenho um est√ļdio onde irei gravar, mas preciso de patroc√≠nio. Poderia gravar um cd ‘piratinha’, mas quero algo profissional, com uma qualidade boa para as pessoas gostarem e divulgarem cada vez mais meu trabalho”.

A artista ind√≠gena disse ainda que j√° tem o repert√≥rio pronto. “Inclusive uma das musicas gravadas estar√° na trilha sonora do curta-metragem ‘Strip Solid√£o’, da diretora Fl√°via Abtibol”, complementou.

Cantora indígena canta Hino Nacional em dialeto ticuna, em Manaus
Djuena canta Hino Nacional em dialeto ticuna, em Manaus

reportagem: G1 Amazonas

Coment√°rios