Cardiologistas e Ortopedistas podem paralisar por sal√°rios atrasados

17

M√©dicos cardiologistas do Hospital Universit√°rio Francisca Mendes (HUFM), de Manaus, cogitam paralisar os servi√ßos cir√ļrgicos. Eles alegam que h√° 3 meses est√£o sem contrato de trabalho e com sal√°rios atrasados. Pacientes que est√£o com cirurgias agendadas ser√£o afetados.

Foto: Diego Janat√£
Foto: Diego Janat√£

De acordo com o presidente do Sindicato dos M√©dicos do Amazonas (Simeam), M√°rio Vianna, os profissionais j√° solicitaram interven√ß√£o do sindicato nas negocia√ß√Ķes com a Secretaria de Estado da Sa√ļde (Susam) para renovar o v√≠nculo de servi√ßo.

Médicos Ortopedistas estão na mesma situação e também pensam em parar o atendimento em serviços conveniados com a Susam.  Além do problema de salários e contratados vencidos, alguns hospitais enfrentam falta de medicamentos, especialmente antibióticos.

A Susam informou em nota, que ‚Äúmant√©m rela√ß√£o institucional administrativa com a Funda√ß√£o do Cora√ß√£o Francisca Francisca Mendes, unidade da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), e que tem feito todos os esfor√ßos para garantir o bom funcionamento do servi√ßo de cirurgia card√≠aca oferecido na institui√ß√£o‚ÄĚ. A secretaria explicou que ‚Äúh√° uma quest√£o que est√° sendo discutida com os cirurgi√Ķes card√≠acos da unidade ‚Äď cerca de dez profissionais ‚Äď com rela√ß√£o ao projeto b√°sico para formaliza√ß√£o de um novo contrato de presta√ß√£o de servi√ßo‚ÄĚ. Enquanto n√£o se chega a um consenso, a Susam est√° fechando um acordo emergencial, com dura√ß√£o de 90 dias, prazo em que discutir√£o os pontos onde ainda h√° diverg√™ncia. A Susam tamb√©m informa que n√£o h√° paralisa√ß√£o das cirurgias de emerg√™ncia, que est√£o mantidas e asseguradas.

Imagem de Divulgação
Imagem de Divulgação

Coment√°rios