Caso Delmo: O Crime Mais Bruto da Manaus de Antigamente

7358

Quem era Delmo Campelo Pereira ? Era estudante, filho do proprietário da serraria. O caso Delmo aconteceu em 4 de abril de 1953 e foi manchete na revista “O Cruzeiro” com a seguinte matéria : 27 HOMENS NOS BANCOS DOS RÉUS. Com texto de Weselys Braga e fotos de Óscar Ramos e Flávio Damm.

Caso Delmo: 27 Homens nos Bancos dos Réus
Caso Delmo: 27 Homens nos Bancos dos Réus

Foi o maior julgamento realizado em Manaus, no qual 54 homens atraíram a vítima para a morte, mas somente 27 participaram do bárbaro acontecimento (o maior processo criminal do Brasil). Esses 27 homens julgados eram como uma única pessoa: estavam englobados num mesmo drama de sangue, ódio e vingança. Tudo começou na noite do dia 31 de janeiro de 1952, em Manaus.

A maior parte da população dormia, dois estavam acordados, entregues aos seus afazeres noturnos: José Firmino e José Honório. O primeiro era vigia da serraria Pereira e o segundo taxista . Era o estudante Delmo Campelo Pereira, filho do proprietário da serraria. Saíra de casa com o intuito de conseguir dinheiro, a fim de satisfazer o pagamento das mensalidades atrasadas de um clube onde pretendia brincar durante o carnaval. Mas em que lugar arranjar esse dinheiro e como?

Delmo fazia a si próprio essa pergunta e, ante a impossibilidade de encontrar para ela uma resposta imediata, teve a ideia de assaltar a serraria de seu pai, à qual fora recolhida, naquele dia, uma vultosa importância. Em frente a um botequim, Delmo apanhou o carro de chapa 279, um Hudson verde, que era justamente o que o chofer José Honório dirigia. Entrou e deu o endereço da Serraria Pereira. Ali chegando, Delmo mandou o taxista esperar e, dando uma volta pelo barranco, para não despertar suspeitas, foi ao encontro de José Firmino, a quem pediu para entrar na serraria, sob a alegação de que no interior da mesma havia um começo de incêndio.

Caso Delmo - O crime que abalou a cidade de Manaus nos anos 50
Caso Delmo – O crime que abalou a cidade de Manaus nos anos 50

A princípio, o vigia relutou, dizendo que a notícia do incêndio não tinha fundamento, pois momentos antes dera uma busca em todo o prédio, nada encontrando de anormal. Delmo fez novas tentativas para conseguir seu intento, até que, convencido da impraticabilidade de persuadir José Firmino a deixá-lo entrar por bem, resolveu abrir caminho à força. Munido de uma possante chave americana, agrediu o vigia pelas costas, vibrando-lhe profundos golpes na cabeça. Colhido de surpresa, pois não imaginava que o filho do patrão chegasse aquele extremo, José Firmino não teve tempo de esboçar nenhum tipo de reação. Depois de esconder o corpo do vigia por detrás de alguns tambores de óleo, Delmo entrou na serraria e de novo voltou ao automóvel, mandando então que o chofer José Honório fosse direto para o Cabaré de Flores, distante da cidade dez quilômetros.

Na verdade, Delmo estava convencido de que o taxista percebera tudo. E o medo ditava-lhe a única solução: eliminar a testemunha de seu covarde ato. Ao chegar nas vizinhanças do cabaré, pediu ao chofer para passar pela estrada de Campos Sales, alegando que nas proximidades havia a chácara de um amigo com quem marcara um encontro. O carro prosseguiu viagem e, a três quilômetros do cabaré, Delmo mandou José Honório parar o carro, sob o pretexto de que precisava satisfazer a uma necessidade. O chofer atendeu, e Delmo, saltando, dirigiu-se a uma das margens da estrada e se pôs de cócoras. Na serraria ele não conseguira obter dinheiro – mas encontrara um revólver calibre 38. Colocando-o por baixo da roupa, em posição de alvejar, chamou em seguida o chofer, pedindo-lhe um pedaço de papel.

O chofer atendeu-o e, ao voltar para o carro, o estudante desferiu-lhe dois tiros pelas costas. Embora mortalmente ferido, José Honório conseguiu atingir o automóvel – mas logo Delmo, correndo para ele, deu-lhe mais dois tiros através de uma das portas traseiras do carro, matando-o. Carregou em seguida o corpo do chofer, atirando-o contra uma cerca de arame farpado, à margem da estrada. Pela manhã, a cidade acordou abalada com a notícia dos dois crimes. Particularmente a classe de choferes, em número aproximado de dois mil homens, ficou chocada com o assassínio de José Honório, dando mesmo mostras de uma revolta generalizada. Enquanto isso, Delmo Pereira procurou o pai, confessando-lhe a autoria dos crimes. Para surpresa sua, porém, o vigia não morrera. Tendo procurado a polícia, revelara o nome do agressor, acrescentando que havia mais dois cúmplices e outro caminho não restou a Delmo senão entregar-se às autoridades. No quinto dia depois da morte do chofer José Honório, Delmo seria reconduzido do Serviço de Socorros de Urgência (onde recebia a aplicação do “Soro da Verdade”) para a polícia, de acordo com instruções do Dr. Rocha Barros. Era ao cair da noite. Pouco antes de se fazer a transferência do preso, o padre João Batista Rottine, a pedido do próprio Delmo, o ouvira em confissão. Finalmente, a ambulância partiu, guarnecida apenas por um investigador que, por sinal, estava desarmado. Em frente aos Cinemas Guarani e Polytheama, nas proximidades da Polícia Militar e não muito distante da Polícia Civil, a ambulância, que já vinha em marcha lenta, parou de repente, sendo então assaltada por um grupo de taxistas exaltados. Arrancado o preso do interior do carro, foi ele conduzido, num dos automóveis mobilizados pelos choferes, para o local denominado Baixio dos Franceses, distante vários quilômetros da cidade, à margem da estrada de São Raimundo.

Caso Delmo – Chofer da Ambulância Sílvio Alves de Oliveira com um policial
Caso Delmo – Chofer da Ambulância Sílvio Alves de Oliveira com um policial

Era um lugar de acesso tão difícil que os carros não puderam chegar até lá – não só o que conduzia o preso, como também os demais que o tinham seguido. E ali se consumou a tragédia. Os choferes, na ânsia de vingarem a morte do colega, se atiraram como chacais contra o estudante. E Delmo terminou então os seus dias de vida, depois de barbaramente espancado e seviciado. Mesmo para pessoas afeitas a presenciar cenas de barbaridade, o cadáver de Delmo não podia ser contemplado sem piedade. Nu da cintura para cima, apresentava em todo corpo os vestígios da tortura sofrida nas mãos de seus algozes. Pelo tórax, havia equimoses de chicotadas desferidas com fios de eletricidade. Não ficara uma só parte do seu corpo, por pequena que fosse, que não tivesse a marca do espancamento mortal. Mas havia algo mais terrível ainda: o tronco do estudante fora aberto de alto a baixo, do umbigo até o pescoço. Na sua impaciência, na sua febre de fazer justiça com as próprias mãos, os choferes tinham cometido o mais monstruoso assassinato de que se tinha notícia no Brasil.

Caso Delmo - Assassinos de Delmo
Caso Delmo – Assassinos de Delmo
Caso Delmo – o tronco do estudante fora aberto de alto a baixo, do umbigo até o pescoço.
Caso Delmo – o tronco do estudante fora aberto de alto a baixo, do umbigo até o pescoço.
Caso Delmo – Chofer João de Brito Teixeira – Pirulito
Caso Delmo – Chofer João de Brito Teixeira – Pirulito

 

Corpo do estudante Delmo Campelo Pereira
Corpo do estudante Delmo Campelo Pereira

 

Reconstituição do crime do estudante Delmo Campelo Pereira
Reconstituição do crime do estudante Delmo Campelo Pereira

 

Texto: Simão Pessoa, as fotos estão disponíveis para o público no Palácio da Justiça

O Programa Segurança e Sociedade fez um programa especial sobre o caso Delmo, que chocou a população manauara no início dos anos 50. Acompanhe e conheça o crime que chocou não só Manaus, mas o mundo.

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Comentários

comentários

Loading...