Cientista brasileiro, Alysson Muotri, descobre remédio barato para curar Zika e evitar transmissão

60

A equipe de um biólogo brasileiro descobriu um remédio barato, usado contra a malária há 60 anos, a fórmula impede camundongos de passarem o Zika para seus filhotes na gestação. E o truque pode dar certo no ser humano.

Alysson Muotri - Foto: David Paul Morris/Universidade da Califórnia/Divulgação
Alysson Muotri РFoto: David Paul Morris/Universidade da Califórnia/Divulgação

O grupo de cientistas liderado pelo brasileiro Alysson Muotri é da Universidade da Califórnia. Eles descobriram uma droga que pode tanto impedir a infecção pelo vírus da Zika quanto evitar que ele seja transmitido para o feto em gestantes que já estão doentes, causando microcefalia.

Os testes com células e camundongos deram certo, e a solução tem potencial para funcionar também no ser humano.

Os resultados saíram um artigo científico, publicado na Scientific Reports no fim do ano passado.

O remédio

A cloroquina, como √© chamada, ficou famosa ao ser adicionada ao sal de cozinha da popula√ß√£o da Amaz√īnia na d√©cada de 1950 para combater um surto de mal√°ria.

Seu truque é alterar o Ph (isto é, o grau de acidez) das células de forma que elas se tornem inóspitas para certos vírus.

N√£o √© comum usar medicamentos que originalmente tinham outras aplica√ß√Ķes para combater doen√ßas novas, mas o truque nesse caso, deu certo.

Testes

Os pesquisadores fizeram testes in vitro com sucesso ‚Äď usando col√īnias de neur√īnios cultivadas especialmente para esse tipo de experimento.

Depois passaram para os camundongos, que também reagiram bem ao medicamento.

Fêmeas grávidas tratadas com cloroquina se tornaram imunes à doença, e tiverem filhotes saudáveis mesmo após serem expostas ao vírus.

‚ÄúO Zika pertence a um grupo de v√≠rus ‚Äď os flaviv√≠rus ‚Äď que s√£o muito resistentes a vacinas‚ÄĚ, explica Muotri.

‚ÄúDemora muito tempo para desenvolver m√©todos profil√°ticos contra eles. N√≥s precis√°vamos de uma solu√ß√£o mais r√°pida. A cloroquina √© um rem√©dio j√° conhecido e barato, que n√£o tem patente. Se houver outro surto de Zika no pr√≥ximo ver√£o, √© poss√≠vel us√°-la para proteger a popula√ß√£o.‚ÄĚ

Essa já é a terceira investida da equipe de Muotri contra o Zika.

A epidemia eclodiu em abril de 2015, e alguns meses depois foram registrados os primeiros casos de microcefalia no interior do Cear√°.

A mídia, desde o início, deu como certa a associação entre a infecção das grávidas pelo vírus e o nascimento de bebês com problemas congênitos. Mas a afirmação, na época, não tinha base científica rigorosa.

Se baseava unicamente numa correlação epidemológica: como os filhos com problemas nasciam de gestantes com Zika, era muito provável que a culpa fosse da doença.

Um grupo internacional de cientistas ‚Äď que inclu√≠a Muotri ‚Äď foi o primeiro a infectar uma camundongo f√™mea com a vers√£o brasileira do v√≠rus ‚Äď e confirmar que seus filhotes nasciam com problemas similares aos dos beb√™s humanos com microcefalia.

As conclus√Ķes sa√≠ram em um artigo cient√≠fico publicado em junho de 2016 na Nature.

‚ÄúHoje n√≥s sabemos que o Zika, quando veio da √Āfrica, sofreu muta√ß√Ķes‚ÄĚ, explica o pesquisador.

‚ÄúEssas muta√ß√Ķes fazem com que ele se replique com muito mais facilidade em c√©lulas humanas. Ainda resta descobrir quais press√Ķes evolutivas tornaram a popula√ß√£o do nordeste do Brasil mais suscet√≠vel √† doen√ßa.‚ÄĚ

A descoberta

Após a primeira vitória, a equipe se dedicou a descobrir qual tática o vírus adota para infectar o cérebro do feto.Não é uma tarefa fácil: primeiro é preciso passar pela placenta, uma barreira bastante seletiva.

Depois, é necessário cruzar as meninges, três membranas protetoras que envolvem o cérebro. Poucos parasitas são capazes de fazer as duas coisas.

Foi a segunda vit√≥ria nacional.Os pesquisadores descobriram que o Zika, em estado dormente, se infiltra e pega carona nos macr√≥fagos ‚Äď c√©lulas do sistema imunol√≥gico da m√£e que t√™m acesso ao corpo do beb√™.

Superada essa barreira, o próximo passo do vírus é chegar ao cérebro da criança ainda nos primeiros estágios do desenvolvimento, antes que as meninges sejam capazes de impedi-lo.

Quando a porta √© fechada, ele j√° est√° l√° dentro ‚Äď um m√©todo apelidado por Muotri de ‚ÄúCavalo de Tr√≥ia‚ÄĚ.

Os três artigos provam que o Brasil está adiantado nas pesquisas sobre o vírus.

‚ÄúNo ranking de pesquisas sobre o Zika, acredito que o Brasil esteja em segundo lugar. S√≥ os EUA publicaram mais‚ÄĚ, comenta Muotri.

‚ÄúN√≥s estamos muito bem, e muito disso √© cr√©dito da colabora√ß√£o internacional. Os brasileiros conseguiram buscar apoio de cientistas no exterior para fazer a coisa andar mais r√°pido. Vit√≥ria da ci√™ncia.‚ÄĚ

Cuidado

Ninguém deve se medicar sem prescrição médica. O uso de cloroquina no combate ao vírus ainda está em fase experimental e, se vier a ser aprovado, deverá ser feito supervisão de um profissional.

Fonte: www.sonoticiaboa.com.br

Coment√°rios