Conheça 6 lendas urbanas do interior do Brasil que faz com que as pessoas tenham medo até hoje

2453

Sabe aquelas hist√≥rias que seus av√≥s contavam? E se os seus n√£o, provavelmente os av√≥s de algum amiguinho da escola j√° contou. O fato √©, todo mundo j√° ouviu algum coisa sobre lendas e supersti√ß√Ķes, pessoas, lugares, coisas amaldi√ßoadas. E, fazer o qu√™? A verdade √© que estamos √† merc√™ de algo que ningu√©m sabe exatamente o que √©. Esp√≠ritos que vagam entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos. As criaturas que ningu√©m sabe o que s√£o. Os objetos voadores n√£o identificados. Os aparentes acidentes sem explica√ß√£o. Essas e tantas outras coisas que rondam o nosso dia-a-dia e, praticamente, ningu√©m d√° bola.

Foi pensando em algumas dessas histórias que nós, aqui da redação do Curta Mais, selecionamos essa listinha com 6 lendas do interior do Brasil que as pessoas acreditam até hoje. Será que você conhece alguma delas? Confira:

1 РCorpo seco do cemitério

Um corpo desnutrido, mirrado, cara feia e cheio de perebas; essa √© a descri√ß√£o que muita gente afirma ter visto. Conhecida como maldi√ß√£o do corpo seco, quem j√° viu, diz que a criatura costuma aparecer por cima dos muros de cemit√©rios, demonstrando, ao mesmo tempo, desespero e pedidos de socorro. “Sempre achei que fosse uma hist√≥ria dos tempos antigos ligada ao cemit√©rio, mas n√£o. Eu comprovei que o corpo seco existe e nem quero mais passar por l√° de novo.” – diz Maria Aparecida Soares Branco (53). Ao que se sup√Ķe, os cemit√©rios carregam certas maldi√ß√Ķes que fazem com que a criatura fique presa a eles, condenada a viver entre o mundo dos vivos e dos mortos.

 Corpo seco do cemitério  Imagem: The TV
Corpo seco do cemitério
Imagem: The TV

2 – ET de Varginha

O ano era 1996, tr√™s meninas alegaram ter visto um extraterrestre em Varginha (MG). Elas caminhavam por um terreno baldio quando, supostamente, viram formas human√≥ides, com grandes olhos e cabe√ßa, al√©m de uma cor de pele de tom marrom viscoso. A m√≠dia, na √©poca, divulgou massivamente o caso, mas muita gente come√ßou a contradizer a hist√≥ria, dizendo que o que elas tinham visto, nada mais era que um mendigo com problemas mentais. Por conta desse acontecimento, a cidade ficou conhecida internacionalmente. N√£o apenas, opera√ß√Ķes policiais constantes come√ßaram, mortes sem explica√ß√Ķes, mais e mais relatos sobre criaturas n√£o identificadas. A primeira hist√≥ria aconteceu h√° mais de 20 anos, ainda existem muitas d√ļvidas e pontas soltas; muita gente acredita que as bizarrices que aconteceram depois foram causadas por conta da captura da tal criatura. Alguns acreditam que o tal ET est√° em posse do governo.

ET de Varginha  Imagem: Isto√Č
ET de Varginha
Imagem: Isto√Č

3 – Fordl√Ęndia

Se trata de uma cidade projetada no meio de uma floresta, no estado do Par√°. √Äs margens do Rio Tapaj√≥s, iniciada por Henry Ford, a principal atividade da cidade era a extra√ß√£o de borracha. Foi uma das cidades mais desenvolvidas da regi√£o, pelo menos, at√© o in√≠cio da 2¬™ Grande Guerra Mundial. Ap√≥s esse evento, a cidade ficou abandonada, se tornando uma ‘cidade fantasma’. Poucos tem coragem de passar por l√°. Muita gente alega escutar vozes e gemidos oriundos das constru√ß√Ķes que por l√° ainda est√£o. Aqueles que tem coragem de visitar o local √©, justamente, para compartilhar esse medo.

Fordl√Ęndia  Imagem: SyFy
Fordl√Ęndia
Imagem: SyFy

4 РO Edifício Martinelli

√Č considerado um dos lugares mais amaldi√ßoados de S√£o Paulo. O Edif√≠cio Martinelli foi o primeiro pr√©dio da regi√£o e, provavelmente, o mais medonho. Nele aconteceram, pelo menos, tr√™s crimes. Em 1947, Davilson, um rapaz de 14 anos, foi encontrado morto em um quarto. Em 1965, oper√°rios que trabalhavam no terreno ao lado, encontraram o corpo de uma mulher que havia deixado um bilhete para a irm√£ dizendo “volto logo”. E, em 1972, uma menina de 17 anos caiu de um dos andares mais altos, morrendo na hora. Nenhum desses crimes foi solucionado. N√£o suficiente, muita gente conta que alguns elevadores funcionam sozinhos, al√©m de gritos e gemidos vindos do lugar onde a v√≠tima fora encontrada.

O Edifício Martinelli  Imagem: SPCity
O Edifício Martinelli
Imagem: SPCity

5 РIncêndio no Joelma

Outro edif√≠cio de S√£o Paulo, o Joelma pegou fogo no dia 1¬ļ de fevereiro de 1974, causando a morte de 188 pessoas e deixou outras 300 com graves ferimentos. Tentando fuga pelos elevadores, 3 pessoas morreram carbonizadas. Como era imposs√≠vel a identifica√ß√£o de qualquer um deles, os 13 foram enterrados lado a lado. Mas isso n√£o √© tudo, essa hist√≥ria ficou conhecida como ‘ o caso das treze almas’. Isso, porqu√™, pessoas contam as maiores supersti√ß√Ķes e maldi√ß√Ķes sobre o lugar. H√° v√°rios relatos de pessoas que contaram ouvir choros e gemidos vindos dos t√ļmulos. Muita gente acredita que, como as v√≠timas morreram queimadas (a pior e mais dolorosa maneira de morrer, comprovada cientificamente), suas almas ainda est√£o em agonia. Na tentativa de acalmar o desespero, quem por ali passa e conhece a hist√≥ria, joga √°gua nos t√ļmulos. At√© o m√©dium brasileiro, Chico Xavier, psicografou mensagens de algumas dessas pessoas.

Incêndio no Joelma  Imagem: Além da Imaginação
Incêndio no Joelma
Imagem: Além da Imaginação

6 – ‘Agosto, m√™s do desgosto’

Quem nunca ouviu esse ditado? Agosto √© um m√™s rodeado de supersti√ß√Ķes, por exemplo: se maio √© o m√™s das noivas, agosto ficou sendo conhecido como o m√™s dos div√≥rcios. Mas isso n√£o √© tudo, de acordo com a numerologia, agosto √© o m√™s em que colhermos tudo aquilo que plantamos. N√£o existem nada que comprove a origem dessa cren√ßa, mas muita gente prefere passar por esse per√≠odo bem quietinho, quase invis√≠vel, para evitar atrair qualquer tipo de m√° sorte.

 'Agosto, mês do desgosto'  Imagem: Reprodução Internet
‘Agosto, m√™s do desgosto’ / Imagem: Reprodu√ß√£o Internet

 

Ent√£o pessoal, o que acharam da mat√©ria? J√° conheciam todas essas maldi√ß√Ķes? Quais outras voc√™s conhecem e n√£o est√£o na lista? Tem alguma da sua cidade? Conta pra gente, quem sabe fazemos outra com a sua hist√≥ria! Encontraram algum erro? Ficaram com d√ļvidas? Possuem sugest√Ķes? N√£o se esque√ßam de comentar com a gente!

Coment√°rios