Conhe√ßa a hist√≥ria de Waldir Viana ‚Äď Homem de Luz ( In memorian )

361

Um dos mais conhecidos Curadores Populares do Amazonas, o parintinense Waldir Martins Viana fez hist√≥ria e transformou uma sociedade com a sua f√© e devo√ß√£o em restaurar a sa√ļde de todos que os procuraram. Nascido em 1910, filho de Domingos Viana e Maria Martins Viana. O “seo” Waldir Viana era o mais velho entre os dez irm√£os. Seus pais, de origem nordestina, dedicaram-se √† pecu√°ria de subsist√™ncia, experi√™ncia passada tamb√©m ao filho, tornando-se, assim, m√©dio pecuarista do munic√≠pio de Parintins.

Casou-se co a Sílvia Barbosa o que rendeu desse relacionamento amoroso sete filhos.

Segundo relatos da fam√≠lia, Waldir acalantava o sonho de estudar medicina ortop√©dica, no entanto, para a √©poca, ‚Äúo valor do homem‚ÄĚ (concep√ß√£o paterna) residia no ac√ļmulo de bens. Assim, n√£o investira esfor√ßos para oferecer ao filho oportunidades de realizar o sonho.

Na busca pelo sonho, ainda jovem fugira para Itacoatiara /AM, mas fora resgatado pelo pai. Aos 17 anos, passou a frequentar sess√Ķes esp√≠ritas coordenadas por ‚ÄúTia Nicota‚ÄĚ (√ļnica refer√™ncia). Descobrira ali outra via para agasalhar a utopia frustrada.

Waldir Viana realizando tratamento em paciente. / Foto : Divulgação
Waldir Viana realizando tratamento em paciente. / Foto : Divulgação

Nas experi√™ncias adquiridas com ‚ÄúTia Nicota‚ÄĚ desenvolveu conhecimentos de cura sobre picadas de cobra e ferradas de arraia. Posteriormente, com apoio de seu irm√£o de leite ‚Äď o m√©dico Dr. Arnaldo Prado ‚Äď realizou estudos ortop√©dicos na cidade de Bel√©m/PA, em cad√°veres de indigentes n√£o identificados, deixados em valas apropriadas para esse fim.

Aos 40 anos, sua vida toma novos rumos. Na √©poca, Parintins contava com limitada assist√™ncia m√©dica. Assim, a partir das experi√™ncias adquiridas em sa√ļde natural, pessoas de classes sociais diversas passaram a procur√°-lo. Seus cuidados somados √† f√© dos adoecidos devolviam-lhes a sa√ļde.

Por essa via de reconhecimento, a ‚Äúfama‚ÄĚ de Waldir se espalhara em Parintins, munic√≠pios vizinhos, no Estado e em outras regi√Ķes do Pa√≠s.

Waldir sempre quis estudar ortopedia, mas foi impedido por seu pai / foto : Divulgação
Waldir sempre quis estudar ortopedia, mas foi impedido por seu pai / foto : Divulgação

A maior procura por seus cuidados relacionavam-se a fraturas √≥sseas, picadas de cobra, ferradas de arraia, coluna vertebral e males do cotidiano. Ervas de nossa flora e ora√ß√Ķes espec√≠ficas constitu√≠am a base de suas terapias.

Dentre as principais f√≥rmulas curativas desenvolvidas por Waldir, destaca-se o suco do paracari, erva da regi√£o utilizada como ant√≠doto a pe√ßonhas de of√≠dios, escorpi√Ķes, aranhas e arraia.

A atenção aos adoecidos acontecia em sua residência, propriedade rural, denominada Redenção, situada na Comunidade Parananema, área próxima à cidade. E quando solicitado, socorria-os na casa destes com total zelo e solidariedade.

Waldir portava tamb√©m excelente senso de humor. Durante as terapias n√£o usava anest√©sicos e para distrair a aten√ß√£o dos pacientes contava-lhes causos fant√°sticos como recurso terap√™utico. Logo, era comum denominar-se ‚ÄėViana‚Äô ou ‚ÄėVianas‚Äô as hist√≥rias fantasiosas da Ilha.

Outra particularidade desse Curador: tinha domínio sobre ofídios venenosos. Conta-nos Rai Viana, filho de Waldir, 65, professor, residente em Parintins que, certa vez, o Pai entrara num barco ancorado no porto de sua propriedade. Observou ali um surucucu enrolado. Aproximou-se para retirá-lo, o animal, porém, reagiu. Questionou-se sobre o que havia de errado. Descobriu um molho de chaves preso ao cinto o que, deduziu, neutralizar seu domínio sobre a cobra. Desfez-se das chaves e, sem problemas, retirou dali o surucucu.

N√£o tinha explica√ß√Ķes l√≥gicas para o fato. Sabia apenas que o metal ‚Äúatrapalhava‚ÄĚ aquela rela√ß√£o.

Lembrara também outro fato: Rai e mais um grupo de trabalhadores roçavam um campo na comunidade Zé Açu, interior de Parintins. Em meio ao trabalho, encontraram numa moita marimbondos furiosos, impedindo-os de realizar o trabalho.

Waldir se aproximara questionando o porquê daquela moita intacta. Retrucaram, alegando a ferocidade das cabas. Rapidamente, tirou o chapéu, colocou-o na cabeça do filho alegando que precisava protegê-lo do sol excessivo. Em seguida, pai e filho realizaram a roçada na moita, sem problemas. Inexplicavelmente, as cabas se aquietaram como se estivessem hipnotizadas.

Para alguns m√©dicos do servi√ßo oficial de sa√ļde as pr√°ticas curativas de Waldir eram interpretadas como charlatanismo. Em contrapartida, Rai Viana referendou o apoio inconteste ao Pai pelo m√©dico pernambucano, Dr. Romualdo Correa, residente em Parintins, h√° mais de 50 anos. Durante o funeral, Dr. Romualdo, emocionado, externara seu pesar por n√£o ter ‚Äúbebido mais daquela fonte de conhecimento popular em sa√ļde‚ÄĚ.

Este Homem de Luz também fora destaque nas mídias do estado do Amazonas, em toadas dos bumbás Garantido e Caprichoso por ocasião do Festival Folclórico de Parintins, entre 2002 a 2007, além de reverências honrosas, sempre acatadas com simplicidade.

Faleceu em junho de 2005, aos 95 anos, deixando provas de que a ci√™ncia oficial tem muito a aprender com esses An√īnimos em cujos desejos de ampliar o direito √† vida, desenvolvem seus dons curativos e os colocam a servi√ßo de todos, indiscriminadamente.

Waldir Viana realizando tratamento de coluna em paciente. / Foto : Divulgação

Em suma, as contribui√ß√Ķes de Waldir Viana precisam ir al√©m da oralidade. √Č importante divulgar Sua Mem√≥ria at√© como provoca√ß√£o para um poss√≠vel desenvolvimento dos Saberes e Pr√°ticas Popular/Tradicionais t√£o importantes na Promo√ß√£o da Sa√ļde Coletiva.

Valdir Viana, foto de Tony Medeiros
Valdir Viana, foto de Tony Medeiros

Que as energias de Waldir irradie a sensibilidade necess√°ria sobre o Sistema de Sa√ļde para que os ideais defendidos na 8¬™ Confer√™ncia Nacional ‚Äď Respons√°vel pela luta e formula√ß√£o do conjunto de conquistas obtidas na Constitui√ß√£o de 1988 ‚Äď encontrem em nossa Regi√£o o terreno prop√≠cio para o florescimento de uma Sa√ļde ‚Äúdireito de todos e dever do Estado‚ÄĚ. E, se a desesperan√ßa na vida e na humanidade apagarem nossa vontade de transforma√ß√£o, que ‚ÄėVianas‚Äô descontraiam nosso eu, abrindo-nos as portas para outro mundo poss√≠vel.

Enterro de Valdir Viana / Foto: Hamilton Bahia
Enterro de Valdir Viana / Foto: Hamilton Bahia

Valdir Viana é o personagem símbolo da cultura popular de Parintins, por ter realizado curas milagrosas com o dom de pegador de ossos. Ele ficou doente em 1998, vítima de derrame cerebral. Perdeu a fala,teve uma perna amputada e em 2001 perdeu a memória.

Ele ficou conhecido em Parintins como o “m√©dico dos ossos” e enumerou curas de quebraduras e mordidas de serpentes. Usava em suas curas o sumo de paracari, um arbusto da √°rea de Terra-Firme. A erva se tornava milagrosa nas m√£os de Valdir Viana.

O nome de Waldir est√° marcado na hist√≥ria de Parintins. O curandeiro tamb√©m j√° foi homenageado diversas vezes em Parintins, tem um centro de sa√ļde na cidade com o seu nome, seu nome j√° foi citado v√°rias vezes em toadas, inclusive tem uma composta em sua homenagem. Composta pelo grande artista Parintinense Chico da Silva, a toada ‚ÄúMission√°rio da Luz‚ÄĚ entrou como toada oficial do boi Caprichoso em 1991. Ou√ßa a toada abaixo:

Com ajuda de informa√ß√Ķes do portal Amaz√īnia Real

Coment√°rios