Conheça o peixe mais temido pelos banhistas da Amazônia

5445

O Candiru sem dúvidas, é o peixe mais temido pelos banhistas da Amazônia. Mesmo sendo minúsculo, o Candiru assusta muito mais que Jacaré, Jibóia, Onça e etc…

Candiru
Candiru

O gigantesco ecossistema da floresta Amazônia abriga uma fauna ao mesmo tempo diversificada quando hostil, em que inúmeras espécies de animais se desenvolvem de maneira sofisticada e feroz. Este é o caso do Candiru, um animal tão ou mais temido do que as jiboias, sucuris, piranhas carnívoras ou os jacarés. Seu temor é desproporcional ao seu tamanho, já que este animal em torno de 12 centímetros e é facilmente confundido com outros peixes.

Também chamado de carneiro ou peixe-vampiro, seu nome científico é Vandellia Cirrhosa, um peixe de água doce, pertencente à família dos bagres, especialmente conhecido e temido por seus hábitos alimentares. Na realidade, ele é um parasita que se alimenta de outros peixes, ainda que inclua em seu cardápio animais maiores e, ocasionalmente, seres humanos.

Loading...

Geralmente, o Candiru habita o fundo dos rios da Bacia Amazônica, onde encontra suas presas por causa do odor da ureia e do amoníaco que os peixes exalam durante a respiração. Assim que encontra sua vítima, o Candiru dispara e penetra pelas guelras do peixe, onde ele se retorce e abre um tipo de guarda-chuva de espinhos para se prender à sua vítima. Imediatamente, ele usa as suas poderosas mandíbulas para abrir um orifício na artéria sanguínea mais próxima, de onde começa a sugar o sangue da sua presa.

Candiru
Candiru

O principal problema para os seres humanos está no fato de que uma pessoas pode ser atacada por causa do odor similar que atrai o Candiru. Este peixe pode penetrar nos orifícios de um banhista que estiver urinando imerso no rio. Assim, o peixe pode entrar tanto pela pele, como pela uretra, ânus ou vagina. Ele prende seus espinhos e começa sugar o sangue dentro do corpo da vítima.

A única alternativa para a pessoa que é atacada pelo peixe é a intervenção cirúrgica. No ano passado, ao menos quatro pessoas foram atacadas na Praia do Cacau, no Rio Tocantins.

Comentários

comentários