Cupins baianos construíram uma estrutura equivalente a 4.000 pirâmides de Gizé

103

Imagine um construção complexa feita por insetos, imaginou? Com certeza ela será muito menor do que essa construída pelos cupins Syntermes  dirus, cupins que medem apenas um centímetro, mas por quase quatro milênios criaram no Brasil uma rede subterrânea de túneis, cujas escavações deixaram 200 milhões de montes de terra em uma superfície do tamanho da Grã-Bretanha.

A descoberta foi publicada na semana passada na revista científica Current  Biology. Para se ter noção do tamanho, essa construção mede aproximadamente 230 mil km² e cruza alguns Estados do nordeste do Brasil.

“É o maior exemplo conhecido de bioengenharia e construção na superfície da terra por uma só espécie (fora do ser humano), e tudo feito por um inseto de mais ou menos um centímetro de comprimento”, explica à AFP Roy Funch, biólogo americano naturalizado brasileiro.

Eles detalham que a terra escavada por estes insetos para criar uma estrutura como essa equivale a “4.000 pirâmides de Gizé”, no Egito, também milenares.

Cupins construíram na Bahia uma cidade subterrânea do tamanho da Grã-Bretanha...
Cupins construíram na Bahia uma cidade subterrânea do tamanho da Grã-Bretanha… / Reprodução UOL

Os habitantes do lugar conhecem desde sempre como “murundus” estes montes de 2,5 metros de altura e nove metros de diâmetro, cobertos pela vegetação da ‘caatinga’, o bioma semiárido do nordeste brasileiro.

Mas o desmatamento pela ação humana deixou mais visíveis os cupinzeiros, e o uso de imagens de satélite permitiu concluir a área que cobrem. Mais de 90% pertence ao estado da Bahia. “Então ficou claro a sua extensão, e a importância científica do fenômeno”, acrescenta Funch.

As imagens divulgadas no estudo mostram vastas extensões de terra pontilhada por estes montes cônicos, praticamente idênticos e com uma distribuição regular, separados por cerca de 20 metros uns dos outros.

O desenho da cidade

Para determinar a antiguidade da obra, os cientistas recolheram amostras do solo de onze montes e verificaram qual foi a última vez que estiveram expostas ao sol. A amostra mais antiga tinha 3.820 anos. Essas idades são comparáveis às dos cupins mais antigos do mundo, na África, diz a publicação.

Agora que foi determinado que estes cupinzeiros são parte de uma grande “cidade” subterrânea, a ideia dos cientistas é continuar pesquisando sua distribuição e funcionamento. Sabe-se, por exemplo, que os cupinzeiros têm um túnel vertical que conecta os túneis subterrâneos com a superfície.

Os montes de terra que ficam na superfície são simplesmente a terra removida pelos cupins para sua obra. “Os montes aparentemente não têm a função de abrigar os ninhos dos cupins. Servem somente como lugares de ‘despejo’ do material retirado dos túneis que os cupins cavam, continuamente, em baixo do chão”, explica Funch.

Sabe-se também que estas estruturas subterrâneas servem para esses insetos se protegerem do “meio inóspito (e perigoso) da superfície”. Segundo o estudo publicado, os túneis nunca ficam abertos ao ambiente, de modo que não se trata de um sistema de ventilação, mas de uma via de comunicação.

À noite, quando há comida disponível, grupos de 10 a 50 ‘trabalhadores’ e ‘soldados’ emergem dos montes através de tubos temporários de oito milímetros de diâmetro, escavados a partir de baixo. Depois de usados, os túneis temporários se fecham hermeticamente.

“Não temos ideia da arquitetura das ‘cidades’ dos insetos. Devem ter um salão da rainha, ‘berçários’, espaços para guardar comida, etc., e muitos túneis conectando tudo, mas é tudo desconhecido para a ciência”, acrescenta o biólogo.

Assista ao vídeo aqui https://tv.uol/17Xhr

Comentários