Home Notícias Política Decisão judicial reforça necessidade de medidas para que terceirizados da saúde recebam salários, afirma Wilson Lima

Decisão judicial reforça necessidade de medidas para que terceirizados da saúde recebam salários, afirma Wilson Lima

7 min - tempo de leitura
87

O governador Wilson Lima afirmou, nesta segunda-feira (16/12), que o Governo já vem adotando medidas para assegurar que os funcionários terceirizados da saúde recebam os salários devidos pelas empresas e que a falta de técnicos de enfermagem em maternidades, no final de semana, foi um problema pontual envolvendo a Cooperativa dos Enfermeiros do Amazonas (Coopeam), com a qual já há acordo firmado com o Estado para pagamento desses profissionais.

Segundo o governador, a decisão da Justiça, proferida no domingo (12/12) pelo juiz Ricardo de Sales, obrigando a Coopeam a cumprir o contrato com o Estado, reforça a necessidade de implantação da medida, em planejamento pelo Governo, que prevê a contratação direta desses profissionais pelo Estado, assegurando que recebam seus salários em dia.

Fotos: Bruno Zanardo/Secom

“Nós tivemos uma situação pontual em maternidades de Manaus, em que funcionários não se apresentaram ao trabalho e não fizeram nenhum tipo de comunicação prévia de que isso aconteceria. Nós já estamos dando os encaminhamentos legais pra que sejam responsabilizados por isso porque, no momento em que acontece uma situação dessas, vidas de pessoas estão sendo colocadas em risco”, afirmou.

Wilson Lima esclareceu, ainda, que a determinação da Justiça para que o Governo assegure o atendimento, nas maternidades afetadas pela ausência dos técnicos de enfermagem da Coopeam, já vem sendo tomada. Ele disse que, assim que foi constatada a falta desses profissionais, determinou à Susam que tomasse providências urgentes para garantir a assistência.

“A Coopeam foi chamada para fazer um acordo junto ao Ministério Público do Trabalho e Ministério Público do Estado, quando as outras empresas fizeram, e ela não fez. A Procuradoria Geral do Estado procurou a cooperativa diversas vezes e, no sábado, ela decidiu fazer o acordo, mas, no domingo, não cumpriu”, disse Wilson Lima ao também informar que a Susam já está fazendo levantamento para identificar os responsáveis pela ausência nos plantões nas maternidades e adotar medidas administrativas e legais cabíveis.

Nesta segunda-feira, a Susam também está monitorando as possíveis faltas de técnicos de enfermagem para, conforme plano de contingência, direcionar profissionais para suprir as ausências, bem como informar a Justiça sobre eventual descumprimento decisão judicial. As maternidades mais afetadas com a falta de técnicos de enfermagem no final de semana foram a Ana Braga e a Balbina Mestrinho.

“Nós também estamos fazendo um levantamento para, o mais breve possível, fazer uma contratação direta desses servidores que têm problema em receber recursos dessas empresas. Nós estamos construindo um acordo que deve sair amanhã, com o Ministério Público do Trabalho, para começar, assim que possível, a contratação direta desses trabalhadores da saúde para que a gente não tenha mais problema nesse sentido”, ressaltou Wilson Lima.

Acordo com Coopeam – A Susam e a Coopeam, com a intermediação da Procuradoria Geral do Estado (PGE), assinaram um acordo, no sábado (14/12), com o objetivo de garantir o pagamento dos salários dos trabalhadores da cooperativa e o retorno deles ao trabalho.

Com a assinatura do acordo extrajudicial, a Susam esperava que a cooperativa tomasse providências para garantir o retorno imediato dos técnicos de enfermagem aos seus postos, o que não aconteceu no domingo, quando ainda foram registradas faltas.

Para garantir a assistência, a Susam destacou equipes para monitorar e reorganizar os serviços nas maternidades Ana Braga, Balbina Mestrinho e Instituto da Mulher Dona Lindu afetadas pelas faltas dos técnicos da Coopeam.

O funcionamento das maternidades vem sendo mantido graças à mobilização de profissionais de outras unidades para atuarem na rede de maternidades da capital. Participam dessa mobilização tanto servidores concursados como técnicos de outras empresas terceirizadas.

A Susam ressalta que, com essas medidas, os serviços seguem sendo prestados e todas as gestantes que procuram a rede pública de maternidades estão sendo acolhidas e recebendo atendimento.

Morte de recém-nascido – A Susam instaurou procedimento administrativo para apurar se a morte de um recém-nascido na quinta-feira (12/12), na maternidade Ana Braga, teve relação com a falta de técnicos de enfermagem. Tendo quatro dias de vida, o neonato se encontrava em estado grave, prematuridade extrema, pesando 960 gramas no nascimento ocorrido no dia 8 de dezembro.

O neonato não tinha o sistema pulmonar formado em sua completude, levando a deficiência de oxigênio, agravado por doença congênita não tratada na gestação e neuropatia grave. O bebê teve uma parada cardiorrespiratória, foram feitos os procedimentos de reanimação, mas ele não resistiu. Houve todo o esforço da equipe médica, que inclusive realizou duas transfusões de sangue para reposição de volume estendo os cuidados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Emerson Tahan
Carregar Mais Em Política

Deixe uma resposta

Leia Também

Em Manaus, 56 estabelecimentos são vistoriados pela Central de Fiscalização e dez são fechados

Em uma nova ação da Central Integrada de Fiscalização (CIF), coordenada pela Secretaria de…