Inicial Notícias Amazonas Defesa do SUS garante tratamento do câncer no Amazonas, afirma diretor da FCecon

Defesa do SUS garante tratamento do câncer no Amazonas, afirma diretor da FCecon

Os desafios para o tratamento dos cânceres no Amazonas passam pela defesa e estabilidade do Sistema Único de Saúde (SUS). Foi o que declarou, nesta quarta-feira (18/09), o diretor-presidente da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), mastologista Gerson Mourão, na palestra “História e Desafios do Tratamento Terciário”.

O mastologista foi um dos palestrantes do 13º Pré-Congresso da Rede Feminina Nacional de Combate ao Câncer (RFCC), que acontece paralelamente ao 5º Congresso Pan-Amazônico de Oncologia. O evento ocorre até sexta-feira (20/09), no Centro de Convenções do Amazonas Vasco Vasques, na avenida Constantino Nery, 5.001, bairro Dom Pedro.

Segundo Mourão, o sistema de saúde é formado pelo SUS (76%), saúde complementar (23%), e pelo particular (1%), sendo o SUS o responsável por atender a maior parcela da população. Ele explicou que, com a rede pública fortalecida, é possível superar os desafios regionais do Amazonas, por exemplo, geográficos, de interiorização, e financeiro, além dos entraves na prevenção e diagnóstico.

“Os repasses dos recursos financeiros precisam ser igualitários. Não dá para entender como municípios como Borba (AM) e Cametá (PA), que têm o mesmo número de habitantes, recebem repasses tão distintos. O primeiro recebe R$ 2,4 milhões, enquanto o segundo R$ 11 milhões”, destacou Mourão.

Gerson Mourão no Pan /
Foto: Luís Mansueto/FCecon

A sustentabilidade do SUS, conforme Mourão, influencia diretamente na FCecon, uma vez que a maior parte do orçamento do hospital é com manutenção em serviço e consumo (54%) e medicamentos e PPS (44%). Ele ressaltou que, na Fundação, o serviço de Quimioterapia responde por 90% do gasto com medicamentos, principalmente, no tratamento dos cânceres de mama e de colo de útero.

“Os cânceres de próstata, mama e de colo de útero são os mais incidentes no Amazonas, por isso decidimos enfrentá-los. E projetos como o ‘Ver e tratar o colo uterino’ são fundamentais para diminuir o número de casos desse tipo de neoplasia no interior do estado, ao prevenir e evitar o deslocamento de mulheres portadoras de lesões precursoras à capital amazonense”, pontuou Mourão.

ONGs – A mesa-redonda também contou com a participação das presidentas das Organizações Não Governamentais (ONGs) Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc), enfermeira Marília Muniz, e da Rede Feminina de Combate ao Câncer do Amazonas (RFCC-AM), Tammy Cavalcante Xavier Avelino. Elas falaram sobre a trajetória à frente das ONGs, implantação, ações desenvolvidas no Amazonas, a importância do trabalho e os desafios para o cuidado do paciente com câncer.

Cerimônia das bandeiras – Durante o evento, foi realizada a Cerimônia das Bandeiras das RFCCs do país, que teve a participação das representantes do Maranhão, Rio Grande do Norte, Distrito Federal, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Alagoas, São Paulo, Tocantins, dentre outras.

Ainda durante o evento foram realizadas homenagens, e uma delas foi à fundadora e ex-presidente da RFCC-AM, Marlene Braga, pelos seus 36 anos de trabalho à frente da ONG.

Pré Congresso Rede Feminina /
Foto: Luís Mansueto/FCecon

Comentários

Carregue Mais Notícias Relacionadas
Comentários estão fechados.