Embaixador do Brasil é expulso da Venezuela e Itamaraty diz que não vai deixar barato

98

No sábado (23) a Venezuela declarou que o embaixador do Brasil em Caracas, Ruy Pereira, é ‘persona non grata’, o que significa que o diplomata deverá deixar o país. A decisão foi anunciada pela presidente da Comissão para a Verdade, Justiça e Paz, Delcy Rodríguez, em nome da Assembleia Nacional Constituinte venezuelana.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela - Imagem: Divulgação
Nicolás Maduro, presidente da Venezuela – Imagem: Divulgação

“No âmbito das competências da Assembleia Nacional Constituinte, em que está justamente a soberania, nas nossas bases de comissão, decidimos declarar ‘persona non grata’ o encarregado de negócios do Canadá, e declarar ‘persona non grata’ o embaixador do Brasil, até que se restitua o fio constitucional que o governo de fato vulnerou, no caso deste país-irmão”, afirmou Rodríguez em comunicado na televisão estatal.

O Ministério das Relações Exteriores do governo de Michel Temer informou, em nota, que “tomou conhecimento” da decisão da presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Delcy Rodríguez, de “declarar o embaixador do Brasil em Caracas [capital de Venezuela] como ‘persona non grata'”. Caso isso aconteça, “o Brasil aplicará as devidas medidas recíprocas”, adianta o Ministério das Relações Exteriores.

O Governo brasileiro tem feito críticas públicas à gestão de Nicolás Maduro já que além de discordar das ações tomadas pelo líder venezuelano enfrenta dificuldades para acolher milhares de venezuelanos que desse o ano passado fogem da fome e se refugiam nos estados do Acre e do Amazonas, localizados perto da fronteira com a Venezuela.

 A Assembleia Constituinte da Venezuela declarou o embaixador do Brasil em Caracas, Ruy Pereira, persona non grata, o que significa que o diplomata não poderá estar mais no país - Imagem:  Carlos Garcia Rawlins/Reuters
A Assembleia Constituinte da Venezuela declarou o embaixador do Brasil em Caracas, Ruy Pereira, persona non grata, o que significa que o diplomata não poderá estar mais no país – Imagem: Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Comentários