Entrevista com o Major Wilson Marques , pré-candidato à governador do Estado do Amazonas

3581

Em entrevista exclusiva ao portal do No Amazonas é Assim, no domingo (11), o Major da Polícia Militar Wilson Marques Filho, contou sobre seus planos para a disputa da eleição suplementar de 2017. Marques disse que está em conversas avançadas para a viabilização da sua chapa e que pelas bênçãos divinas e pela força popular, será o candidato que lutará pela moralização do Estado prioritariamente nas áreas da Segurança Pública, Educação, Saúde e Funcionalismo Público.

Confira a entrevista:

Entrevista com o Major Wilson Marques , pré-candidato à governador do Estado do Amazonas
Entrevista com o Major Wilson Marques , pré-candidato à governador do Estado do Amazonas / Foto : No Amazonas é Assim

 

Loading...

Redação:  Major Wilson Marques, seja bem vindo à redação do nosso portal! Você poderia contar um pouco para nossos leitores de onde veio esse chamado para que você seja candidato na eleição suplementar para governo que acontecerá em agosto de 2017?

Major Wilson Marques:  Marcus, primeiramente agradeço o convite, e gostaria de dizer à todos os leitores do seu portal que esse chamado veio primeiramente por todos que conhecem a seriedade e compromisso com qual executo meus trabalhos frente à Polícia Militar do Amazonas e pessoas que sempre me apoiaram. Depois, eu confesso que esse desejo nasceu da revolta de tanta injustiça que passa o nosso país e o nosso Estado. O nosso povo não suporta mais tanta injustiça social, tanta falta de respeito por eles. Eu não consigo mais enxergar tantas coisas erradas e me calar. Eu quero ser a voz do povo nesse momento para guiar o nosso Estado rumo ao reencontro da moral e dos valores da família.

Redação: No seu ponto de vista, quais são os pontos críticos que o Estado passa atualmente e o que você dará maior atenção?

Major Wilson Marques:  Eu acredito que a prioridade do Estado do Amazonas nesse momento é o resgate da sociedade como um todo. O resgate da educação, o resgate da segurança, o resgate da saúde e fazer um trabalho para que possamos gerar empregos, pois gerando empregos, geraremos renda e isso, pra mim, é fundamental.

Redação: Como você avalia a segurança pública neste momento de crise? O que poderia ser feito para melhorar?

Major Wilson Marques:  A segurança pública neste momento tem ótimos profissionais e mesmo eles sendo covardemente enganados, eles não baixam a cabeça. Não apenas os policiais sofrem, mas toda a sua família. Esses anos todos eles, infelizmente, acreditaram em um governador mentiroso, que vem de uma linha sucessiva de políticos descompromissados com a ética e os valores morais. E isso hoje dói na dignidade dele. Dói na falta de respeito que o Estado tem por eles. Quero lutar para combater essa injustiça com esses militares, mas acima de tudo, com esses homens que prestam um belíssimo serviço à sociedade amazonense. Ao meu ver, não adianta dar apenas uma viatura equipada e armamentos, mas sim valorizar esse profissional. São eles é que são os nossos heróis. São eles que são os nossos representantes das leis.

Redação: E na área da educação, saúde e habitação? Você já começou a pensar como enfrentar esses problemas?

Major Wilson Marques: Na área da educação, assim, como na área da segurança pública, tem semelhança a falta de valorização do ser humano. Os professores passam pelas mesmas situações, sem a devida valorização profissional. Se não bastasse a maior parte das escolas abandonadas, os professores estão esquecidos. É um absurdo um governador que se intitulava professor não ter feito nada pela classe.

Saúde então nem se fala. Está aí a operação da Polícia Federal (Maus Caminhos) para mostrar os podres e os desvios milionários que nosso Estado vem sofrendo com esse grupo. Os hospitais não tem nada. Quando você sentir uma dor e precisar ir para um Pronto Socorro, se dê por satisfeito se tiver uma “dipirona” para tomar, porque às vezes nem isso tem.

Vou trabalhar pesado em cima de Programas de Habitação. Todos os funcionários públicos, se Deus quiser, terão suas casas próprias. Pois se esses profissionais saírem do aluguel, o governo ajudará essas pessoas a economizar e com isso, eles terão melhor qualidade de vida. Pra mim é muito importante se resgatar a habitação.

Redação: Quando se fala em militar no poder, alguns amam a ideia e outros odeiam, o que a população civil pode esperar de um major no Governo?

Major Wilson Marques:  Esse ponto é sempre interessante ser discutido, pois por alguns anos o nosso país foi governado pelos militares, nesse período, muitas coisas boas foram feitas a ponto de vermos manifestações clamando pela volta dos militares, só que infelizmente, algumas poucas ações negativas acabaram por manchar a história.

Nós militares somos extremamente disciplinados. A hierarquia e a disciplina é o que nos mantém. Então o povo pode esperar de um militar a confiança, ética profissional, respeito e honra. Acredito que o momento pede que se tenha um militar no poder para fazer esse resgate de disciplina e ética.

A população pode confiar e pode ter certeza que não será um militar que estará representando o povo, mas sim, um militar para o povo. Não irei em hipótese alguma, tratar o povo como se estivéssemos em um quartel militar, mas com certeza usaremos a disciplina e a hierarquia para beneficiar o povo. Enxergo na clamação popular que é isso que o povo quer. Uma pessoa que possa devolver a dignidade , resgatar valores, recuperar a educação, humanizar a saúde, enfim, um resgate moral, ético da estrutura do governo, pois isso está destruído e enterrado na lama, para qual esse grupo puxou nosso Estado. Infelizmente o povo virou refém de maus políticos.

Redação: Até hoje não existe um projeto sólido voltado para os jovens, como é o CECI voltado para os Idosos. Como você vê essa possibilidade e o que no seu ponto de vista falta para que isso aconteça?

Major Wilson Marques: Eu agradeço à Deus que exista um Centro de Convivência do Idoso, mas e os jovens? Creio que o principal motivo de não existir um modelo aplicado à juventude é a falta de compromisso dos homens públicos que governaram esse Estado. Creio que seja fundamental pensar um Centro de Convivência para Jovens com capacitação técnica para eles. Colocar equipes multifuncionais especializadas para que orientem melhor na escolha das profissões. Palestras aplicadas aos jovens. Atividades artísticas, cênicas, culturais.

Os nossos jovens de hoje, serão o nosso futuro. Nós não podemos deixá-los ociosos, pois eles estão em uma situação que querem trabalhar, mas não podem. Eles precisam ser assistidos e entender o que o trabalho é benéfico para eles e que profissão que eles escolherão serão aquelas que eles possuem vocações. Por isso sou a favor da construção de um Centro de Convivência dos Jovens, infelizmente, isso não existe porque os governantes que passaram pelo Estado não tem interesse. Eles iludem a juventude com alguns programas de curto prazo e quando encerram , os jovens ficam aí, à deriva.

Não estou dizendo necessariamente que precisa ser um espaço físico, mas que esse espaço para os jovens possa ser readequado e reaplicado em todo o nosso Estado.

Redação: No seu ponto de vista, quais são os pontos críticos que o Estado passa atualmente e que você dará maior atenção?

Major Wilson Marques:  Um dos modelos vencedores que tive a oportunidade de contribuir, foi para a criação dos Colégios da Polícia Militar, que hoje são referências na cidade de Manaus. Quero deixar claro, também, que embora eu seja a favor dos Colégios da Polícia Militar, tenho ouvido muitas reivindicações de amigos professores que estão acabando com as doutrinas. Eu sou a favor do seguinte, que se capacitasse uma equipe de militares para darem palestras, cursos, oficinas e resgatariam as escolas, e após isso, voltassem para a tropa. Porque a partir do momento em que o policial militar sai da linha de frente que é servir e proteger a sociedade, nós ficamos desfalcados. Infelizmente eles escolhem estar do outro lado, às vezes até sendo humilhados, tendo que carregar bolsas, do que estar aqui do nosso lado, pois lá, eles ganham algo a mais, enquanto aqui, eles ganham pouco e não têm a sua devida valorização. Lutarei para acabar com essa injustiça com os militares.

Redação: Qual a sua principal diferença entre os candidatos que aí estão se colocando à disposição da sociedade?

Major Wilson Marques:

Hoje os candidatos que se apresentam são os mesmos, a ideologia deles são as mesmas, a vontade deles em disputar é a sede pelo poder. Eu não acredito que eles tenham algo de novo a oferecer. Quando eles estão no poder, nada acontece.

A minha diferença é a força de vontade, a hierarquia e disciplina que me movimenta, e de devolver para o povo o que é do povo. O meu principal é o ser humano. É lutar pela excelência no atendimento nos Prontos Socorros pois os funcionários públicos estarão bem preparados para lhe oferecer o melhor. A nossa principal diferença é a humanidade. Eles esqueceram de como é ser humano. E eu quero trabalhar em cima da base familiar, pra mim família é a base de tudo e eu não sei trabalhar sem essa base.
É tanto roubo, é tanta mentira, é falta de impunidade para tudo que é lado e essas pessoas sabem que o povo passa necessidade e clama por justiça e liberdade, mas eles só agem por interesses próprios. Não vejo os governantes atuais com projetos diferentes.
Eu serei o funcionário do povo. Virei para resgatar, moralizar e fazer valer a vontade popular. Meu interesse é esse : Fazer valer a vontade do povo.

Comentários

comentários