Home Notícias Brasil Falta de seringa, algodão e freezer podem comprometer a vacinação contra COVID-19 no Brasil

Falta de seringa, algodão e freezer podem comprometer a vacinação contra COVID-19 no Brasil

5 min - tempo de leitura
46

Nesta terça-feira (8/12) acompanhamos o início da campanha de vacinação contra a Covid-19 no Reino Unido. O Brasil não tem plano de imunização e por falha na logística o país pode sofrer falta de insumos para vacina se não agir rápido.

Falta de seringa, algodão e freezer podem comprometer a vacinação contra COVID-19 no Brasil – Imagem: Divulgação

Além da vacina em si, a aplicação das doses requer uma série de outros insumos e ferramentas. Sem eles, não dá nem para iniciar as campanhas, são coisas simples, como: seringa, algodão, caixa térmica, saco plástico, luva descartável, e outras mais complexas, como refrigerador, freezer, sistemas informatizados e logística de distribuição e transporte dos lotes.

Logo, há uma certa apreensão em setores da indústria que fabricam os insumos, como os responsáveis por refrigeradores e seringas. Eles relatam que não receberam qualquer contato do governo federal e ainda não sabem o que precisarão produzir para a atender à demanda que virá nos próximos meses. O grande temor é que os prazos apertados prejudiquem a entrega desses materiais e atrasem o início das campanhas, marcadas provisoriamente para o primeiro trimestre de 2021.

Por meio de nota, o Ministério da Saúde atesta que esse planejamento está sendo feito, mas isso depende dos imunizantes se saírem bem nos testes clínicos e serem aprovados pela Anvisa.

O comunicado também revela que a pasta “iniciou o processo de aquisição de mais de 300 milhões de seringas e agulhas no mercado nacional e 40 milhões no mercado internacional, com o intuito de apoiar os estados e municípios no desenvolvimento inicial das ações de vacinação. Para a aquisição interna, já foi realizada pesquisa de preços e emissão de nota técnica para elaboração do edital de compra, que será lançado em breve“.

O Ministério da Saúde disse que não há uma data para a publicação do edital que irá determinar valores, prazos, demanda e quem fornecerá as seringas e agulhas que serão usadas para vacinar os mais de 211 milhões de brasileiros nos próximos meses.

Enquanto não se sabe quais vacinas serão compradas pelo Brasil, não dá pra começar a fabricar as seringas. “Precisamos ter essas informações da quantidade e das especificações técnicas, pois isso impacta o ciclo produtivo das empresas“, constata Fernando Silveira Filho, presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde (Abimed).
O principal medo aqui está no tempo. “Numa situação normal, entre a ordem de compra, a fabricação e a entrega, há um prazo que varia entre 60 e 90 dias. Essa tem sido nossa preocupação há algum tempo”, diz Silveira Filho.

O superintendente da Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (ABIMO), Paulo Henrique Fraccaro, afirmou que o setor procurou o poder público em julho para explicar a necessidade de planejamento prévio para a produção dos insumos, que foram requisitados apenas na semana passada, porém ainda sem um edital.

A corrida nacional e internacional por insumos e equipamentos para o tratamento de pacientes com coronavírus nos últimos meses evidenciou ainda mais a necessidade de um planejamento prévio para que não ocorra desabastecimento interno“, alertou Fraccaro.

Na prática, isso pode significar que, caso o edital do ministério tenha seu processo finalizado ainda em dezembro, a entrega completa das seringas só aconteceria em fevereiro ou março, o que coloca em risco o início da campanha de vacinação contra a covid-19 marcado para o primeiro trimestre de 2021.

 

 

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por No Amazonas é Assim
Carregar Mais Em Brasil

Deixe uma resposta

Leia Também

Quico do ‘Chaves’ pode ser Prefeito e Governador no México

O comediante Carlos Villagrán, conhecido como de Quico do “Chaves”, lançou no …