Feira Internacional da Amazônia 2017 é cancelada por falta de verba

144

Foi cancelada a Feira Internacional da Amazônia (FIAM) 2017, prevista para ser realizada no período de 22 a 25 de novembro em Manaus. A decisão para o cancelamento da feira foi tomada em junho deste ano, por conta de restrições orçamentárias do orgão.
O evento estava estimado em R$ 6 milhões.

Imagem de Divulgação
Imagem de Divulgação

A Suframa emitiu nota informando que as limitações do orçamento sofridos pelo governo federal impactaram decisivamente na captação e destinação de recursos para a realização da nona edição da Feira Internacional da Amazônia (IX FIAM).

Loading...

Ainda em nota, disse que, embora seja uma decisão que impacte a instituição e uma série de pessoas envolvidas e interessadas, o cancelamento do evento é entendido não apenas pela Suframa, mas também pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), como “medida prudente e assertiva, que busca observar, acima de tudo, os princípios públicos que norteiam a razoabilidade e a eficiência da gestão pública”.

Segundo o orgão, o projeto original da FIAM 2017 estava estimado em R$ 6 milhões, mas até o mês de junho, o órgão só tinha garantido no orçamento um montante de R$ 1 milhão. Não houve captação de parcerias e patrocínios pelo momento de instabilidade econômica e político que o país enfrenta.

A Suframa conta da insuficiência de recursos orçamentários e não existe prazo para a realização da 9ª edição da FIAM. A Feira Internacional da Amazônia (FIAM) completou dez anos em 2012, se consolidando como uma ferramenta eficiente para atração de investimentos e geração de negócios. Para cada R$ 1 real investido, é confirmado um retorno de R$ 2,06, além do benefício social com a realização de seminários e debates, e o aquecimento de atividades como turismo e serviços.

A Fiam foi criada em 2002, com a ideia de criar uma grande vitrine que não se limitasse aos produtos mais tradicionais da Zona Franca de Manaus, mas abrisse espaço para produtos naturais, artesanato, biojoias, turismo e alimentos.

 

Comentários

comentários