Home Regionalismo Agenda Cultural Festival Amazonas Jazz leva rap para o palco do Teatro Amazonas

Festival Amazonas Jazz leva rap para o palco do Teatro Amazonas

9 min - tempo de leitura
128

Palco de concertos sinfônicos e óperas, o centenário Teatro Amazonas abrirá as portas para a improvisação do rap durante a 10ª edição do Festival Amazonas Jazz. O evento, que ocorre de 21 a 29 deste mês, reunirá em Manaus duas referências da cena nacional: o paulista Kamau e o brasiliense Raffa Santoro. As atrações participam do show do grupo Marcelo Coelho & Mclav.In, no dia 25, às 21h30, apresentando um experimento que une rap e jazz.

Grupo Marcelo Coelho & Mclav.In

O rap e o jazz têm relações que vão além da música. Culturalmente, os dois gêneros desempenham papéis transformadores que refletiram em suas sociedades contemporâneas, transgredindo padrões por meio da arte e da expressão politizada na música.

Os primeiros flertes entre os estilos aconteceram nos anos 80, com a busca do rap por elementos jazzísticos. Na década seguinte, a lenda do jazz Miles Davis gravou seu último disco, o Doo-Bop, em parceria com o produtor musical de R&B e hip hop, Easy Mo Bee, coroando essa relação.

O público do Amazonas Jazz poderá conferir as experimentações que são produzidas hoje, no Brasil, com a apresentação de Marcelo Coelho & Mclav.In, um dos projetos de pesquisa musical no qual o saxofonista e compositor de São Paulo explora a interdisciplinaridade entre música, literatura e imagem. Referência no cenário da música instrumental de vanguarda, Coelho terá dois convidados especiais para dividir o concerto que promete ser um marco na história do festival.

Um dos nomes é o veterano do rap, compositor, beatmaker e skatista paulistano, Kamau. Nascido Marcus Vinicius Andrade e Silva, o artista iniciou sua carreira em 1997 e é visto como responsável por pavimentar o caminho para muitos dos artistas em destaque na cena do rap atual. Desde então, já lançou os álbuns “Non Ducor Duco”, “Sinopse” e “Entre”, além do aclamado EP “Licença Poética”. Também já dividiu palcos e gravações com várias gerações do rap brasileiro e mundial.

Kamau

Com ele, desembarca em Manaus o DJ Raffa Santoro, filho do compositor amazonense Claudio Santoro e figura-chave para a inserção de Brasília na cena hip hop. Atuando desde a década de 80 e respeitado nacionalmente, Raffa juntou as influências da música clássica e da bossa nova — que ouvia em casa com os pais — ao som que reverberava nas ruas periféricas do Distrito Federal. Com o lendário grupo “DJ Raffa e os Magrellos” gravou o terceiro LP de rap do país, “A Ousadia do Rap de Brasília”, rompendo a barreira do eixo Rio-São Paulo e levando visibilidade para o hip hop feito na capital federal.

DJ Raffa Santoro
DJ Raffa Santoro

A performance no Amazonas Jazz será a estreia da parceria entre os artistas. Segundo Marcelo Coelho, a escolha de Kamau e Raffa como convidados do show foi motivada por sua representatividade no universo nacional do rap.

“O Kamau é o artista que trouxe uma nova tendência, uma abordagem diferente no rap, influenciando toda a geração que hoje está no mercado, formada por nomes como Emicida e Rashid. Ao gravar o seu primeiro disco, ele percebeu nessa geração um talento muito grande e trouxe esses novos rappers, que até então nunca haviam feito um trabalho de gravação profissional, para participar do disco”, comenta Marcelo Coelho. “Já o DJ Raffa Santoro é uma lenda do rap nacional. Produtor de mais de cem discos, a maioria de hip hop e rap, ele traz uma bagagem muito grande, foi responsável por produzir muita gente, por juntar o rap de São Paulo com o rap de Brasília, misturar uma série de gêneros. Além disso, é filho do amazonense Cláudio Santoro, um dos maiores compositores brasileiros de música erudita da história”.

Coelho ainda destaca que, apesar da relação entre o jazz e o rap ser antiga, a proposta do show é novidade no país.

“A combinação entre os gêneros não é nova. Ambos vieram do gueto, têm uma abertura muito grande para improvisação em tempo real e há uma admiração mútua entre rappers e jazzistas. Porém, é relativamente novo aqui no Brasil o que estamos propondo. Essa junção, quando eu trouxe o Kamau, foi muito natural”, afirma. “Mantivemos as características do grupo Marcelo Coelho & Mclav.In, que faz um tipo de jazz progressivo, com as características da música e do rap que ele faz. E o Raffa Santoro vem fazer a complementação de DJ em cima do som instrumental e da improvisação”.

Com o seu grupo, formado por Saulo Martins (piano), Glécio Nascimento (contrabaixo) e Abner Paul (bateria), hoje referências da música instrumental de São Paulo, o músico pretende surpreender os fãs dos dois gêneros, que protagonizarão um encontro inédito no Teatro Amazonas.

“O público vai ouvir a música do Mclav.In, que é algo progressivo, com muitos efeitos, e, na sequência, vem a participação dos convidados especiais. O repertório é praticamente todo autoral e uma coisa ou outra são arranjos, para fazer a adequação do rap com a música instrumental. O objetivo é levar as pessoas a uma experiência sonora, uma experiência estética através da música”, antecipa Coelho.

Os ingressos para o Festival Amazonas Jazz podem ser adquiridos na bilheteria do teatro e no site Bilheteria Digital (www.bilheteriadigital.com) por valores que variam de R$ 20 a R$ 80. A programação completa do evento está disponível no site www.festivalamazonasjazz.com.br, além do Facebook e Instagram (@festivalamazonasjazz).

Marcelo Coelho
Marcelo Coelho

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Agenda Cultural

Deixe uma resposta

Leia Também

Passeata de Nicson Marreira em Tefé foi um circo do horror protagonizado por 5 mil pessoas entre elas, muitas crianças

No sábado (24), a cidade de Tefé, distante 523km de Manaus, testemunhou um verdadeiro circ…