Inicial Notícias Brasil Filha e companheira confessam crime que resultou em morte de família

Filha e companheira confessam crime que resultou em morte de família

Na última quarta-feira (5), a filha do casal assassinado junto com o filho no ABC Paulista e a companheira dela confessaram participação em parte do crime. De acordo com o advogado de defesa de Anaflávia Gonçalves e Carina Ramos, elas admitiram, em novo depoimento à polícia, participação no roubo à casa da família, mas negaram envolvimento nas mortes.

Os empresários Flaviana e Romuyuki Gonçalves e o filho adolescente deles, Juan Victor, foram torturados e mortos em 28 de janeiro. Os corpos foram encontrados carbonizados em um carro em chamas na área rural de São Bernardo do Campo.

Filha e companheira confessam crime que resultou em morte de família- Imagem: Divulgação

Nesta quarta-feira, Anaflávia Gonçalves e Carina Ramos chegaram ao Deic do município do ABC às 16h e saíram às 21h40. Desde o início das investigações elas vinham negando participação no crime.

A Polícia Civil tenta identificar e prender o sexto suspeito de participar do assassinato da família. Ele seria um homem que teria resgatado o grupo de carro na estrada de terra onde o veículo da família foi encontrado carbonizado. O nome e a foto dele não foram divulgados.

No depoimento de segunda-feira (4), um dos envolvidos no crime contou à polícia como a ação foi planejada. Juliano Ramos Júnior, primo de Carina disse que, dois dias antes dos assassinatos, ele, os dois comparsas, Carina e Ana Flávia fizeram uma reunião para combinar o roubo à casa da família porque ali teria cerca de R$ 85 mil guardados.

No final da tarde desta quarta (5), a PM encontrou parte dos objetos levados da casa, após receber uma denúncia anônima. Relógios e bijuterias estavam em uma casa em Santo André com uma adolescente. Ela foi levada para a delegacia acompanhada da mãe para prestar depoimentos.

A polícia ainda ouviu o depoimento de um homem que estava com um carro que tinha as mesmas características de um dos veículos usados no crime. O carro foi apreendido.

Simulação de Assalto

Juliano explicou que, no dia do crime, os três homens entraram no condomínio no carro de Ana Flávia e, já dentro da casa, simularam um assalto. Ele contou ainda que Romuyuki e o filho Juan Vitor foram torturados no andar de cima do imóvel para que passassem a senha do cofre, mas eles não sabiam a combinação.

De acordo com a investigação, os dois foram torturados e mortos, possivelmente em decorrência de pauladas. A polícia ainda não sabe se Flaviana foi obrigada a dirigir o carro da família até a estrada com o marido e o filho no porta-malas, antes de ser morta na via, ou se foi morta junto com Romuyuki e Juan Victor, ainda na casa.

Anaflávia e a namorada dela, Carina, estão detidas, assim como outros três homens apontados como participantes dos assassinatos. Além disso, um sexto suspeito é investigado.

Na última terça-feira (4), a polícia disse não ter mais dúvidas de que o grupo está envolvido nos assassinatos e de que Anaflávia e Carina planejaram o crime. Falta esclarecer, contudo, a motivação.

As vítimas

Romuyuki Veras Gonçalves – empresário prestador de serviços de uma montadora; segundo informações iniciais da Polícia Civil, tinha 43 anos
Flaviana de Meneses Gonçalves – mulher de Romuyuki, era proprietária de duas perfumarias; segundo informações iniciais da Polícia Civil, tinha 40 anos
Juan Victor Gonçalves – filho do casal Romuyki e Flaviana; segundo informações iniciais da Polícia Civil, tinha 15 anos

Os suspeitos do crime

Anaflávia Martins Meneses Gonçalves, de 24 anos – filha do casal Flaviana e Romuyuki e irmã de Juan Victor, está detida no estão detidas no 7º Distrito Policial (DP) desde 29 de janeiro; ela nega participação no crime.

Carina Ramos de Abreu, de 26 anos – namorada de Anaflávia há 2 anos, também está detida desde 29 de janeiro e nega participação no crime
Juliano de Oliveira Ramos Júnior, de 22 anos – primo de Carina, foi detido em 3 de fevereiro e está em uma cadeia para presos provisórios em São Caetano do Sul; em depoimento, confessou envolvimento nas mortes e acusou de participação tanto Anaflávia quanto Carina. Juliano tem passagem por roubo.
Guilherme Ramos da Silva – comparsa citado em depoimento por Juliano, também é conhecido como Lipe ou Massa, segundo a polícia; está preso
Michael Robert dos Santos dos Anjos – comparsa citado em depoimento por Juliano, também conhecido como Marco, segundo a polícia; está preso

Cronologia do crime

Às 18h de 27 de janeiro, Anaflávia – filha do casal Romuyuki e Flaviana e irmã de Juan Victor – chega no próprio veículo modelo Palio à casa onde moravam os pais e o irmão, em um condomínio fechado em Santo André, também no ABC Paulista. O carro entra e sai do imóvel algumas vezes.
Às 20h, a namorada de Anaflávia, Carina, chega a pé usando um agasalho com capuz.
Por volta da meia-noite, Flaviana chega dirigindo o carro da família, modelo Jeep Compass de cor azul, encontrado posteriormente carbonizado.
Quase 3 horas depois, por volta da 1h da manhã de 28 de janeiro, os dois carros – o Palio e o Jeep – saem juntos do condomínio. Quem dirige o carro da família neste momento é Carina, com Flaviana no bando atrás do motorista.
Às 2h50 , o Corpo de Bombeiros recebe chamado para atender à ocorrência de um carro incendiado na Estrada do Montanhão, em São Bernardo do Campo.

O que foi constatado por perícia

Em 28 de janeiro, o carro da família foi encontrado em chamas na Estrada do Montanhão, em São Bernardo do Campo, próximo ao Rodoanel. O local fica a cerca de 6 km do condomínio de sobrados em Santo André onde a família morava.
Havia dois corpos totalmente carbonizados no porta-malas do veículo.
Os três corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) Central, onde foram feitos exames para identificação. Dois dias depois, um laudo apontou que a causa da morte dos 3 foi traumatismo craniano, possivelmente em decorrência de pauladas na cabeça. As vítimas, então, foram mortas antes de terem os corpos queimados na Estrada do Montanhão.
A polícia encontrou a casa da família revirada. Os policiais também identificaram que foram levados objetos de valor, como joias, TV e videogame, e dinheiro em espécie que somam a quantia de R$ 8 mil em moeda nacional e estrangeira, além de uma arma antiga quebrada, que pertenceu ao avô de uma das suspeitas, Anaflávia.
Em 1º de fevereiro, exames feitos pela polícia confirmaram a presença de sangue humano na casa da família, nas escadas, nas roupas e na máquina de lavar.
A polícia teve acesso a imagens de câmeras de segurança da portaria do condomínio, que mostraram a visita de Anaflávia aos pais na noite que antecedeu a madrugada do crime, seguida da saída do carro dela e da família do local.

O que falta saber
A polícia tem como uma das linhas de investigação uma possível briga familiar. A outra hipótese seria de um latrocínio – roubo seguido de morte, mal sucedido. A polícia cogita ainda que o grupo queria a herança que Flaviana e Romuyuki deixariam depois de mortos.
A investigação ainda não está certa de que Flaviana foi obrigada a dirigir o carro da família até a estrada com o marido e o filho no porta-malas, antes de ser morta na via, ou se foi morta junto com Romuyuki e Juan Victor.
A investigação procura a arma usada para matar as três vítimas.
A investigação ainda tenta identificar um sexto suspeito.

Comentários

Carregue Mais Notícias Relacionadas
Comentários estão fechados.