Home Notícias Polícia Finalmente foi decidido o juiz do “Caso Flávio”

Finalmente foi decidido o juiz do “Caso Flávio”

5 min - tempo de leitura
60

Depois de ter passado pelas mãos de quatro juízes e estes se julgarem suspeitos, finalmente hoje foi definido que o juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Celso de Paula, é quem vai atuar no processo da morte engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, 42, do morto a facadas e depois o seu corpo jogado em um terreno ermo na área do Tarumã, Zona Oeste, Após uma festa na casa de Alejandro Valeiko, filho da primeira-dama de Manaus, Elisabeth Valeiko.

Uma das primeiras ações do magistrado, depois de examinar os autos, será agendar as audiências de instrução e data do julgamento, que é quando os réus e testemunhas serão ouvidas pela primeira vez em juízo. Atualmente, o processo ainda está na fase de instrução processual.

O processo contém 4.602 páginas distribuídas em vários volumes tendo como réus os irmãos Paola e Alejandro Valeiko, filhos da primeira dama do município Elizabeth Valeiko, o sargento da Polícia Militar Eliseu Paz e o lutador de MMA Maik Parede. Destes, apenas os dois últimos estão presos.

 

Foto: Divulgação

 

Morte de Flávio completa um ano

A morte do engenheiro completou um ano no dia 30 do mês passado e a família ainda não está convencida da autoria do crime. “ Nós não vamos nos calar, estamos aqui aguardando que seja feita justiça e que o caso seja definitivamente esclarecido”, disse Aline Rodrigues a irmã do engenheiro na ocasião.

Conforme Aline, a família esperam que toda trama que envolve a morte do seu irmão seja desfeita no decorrer do andamento no processo na justiça. No inquérito policial Maik assumiu ter matado o engenheiro. O crime aconteceu durante uma festa na casa de Alejandro, no condomínio Passaredo, Tarumã.

De acordo com as investigações, a vítima foi levada da casa em um carro oficial da prefeitura municipal de Manaus que estava sendo dirigido pelo sargento Da Paz, e o lutador Maik Parede estava com ele dominando a vítima.

O que preocupava a família da vítima é que quatro juízes se julgaram suspeitos para atuar no caso. Conforme uma das advogadas que está atuando como auxiliar da promotoria Geyza Mitz Dantas Guimarães, o processo começou na 2ª Vara do Tribunal do Júri com o juiz Anésio Pinheiro que se julgou suspeito para atuar no caso por ser amigo de uma das partes.

O processo foi redistribuído e ficou com a juíza Ana Paula Braga que atuou no caso até o dia 18 deste mês e deixou o caso alegando motivos de foro íntimo.

Mais uma vez o processo foi redistribuído e caiu na 3 Vara do Tribunal do Júri nas mãos da juíza Eline Paixão que também alegou foro íntimo e passou a bola parando seu colega Adonaid Tavares que alegou o mesmo motivo para não atuar no caso.

O processo foi redistribuído, para a 1 Vara do Tribunal do Júri e agora o juiz Celso de Paula é quem vai dar continuidade no andamento do processo. O juiz atuou no julgamento emblemático do delegado Sotero, condenado a 30 anos pela morte do advogado Wilson Justo Pinto.

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Roger Siqueira
Carregar Mais Em Polícia

Deixe uma resposta

Leia Também

Dona do hit “Metralhadora” revela o seu cachê no auge e choca a internet

A música Metralhadora, da Banda Vingadora, foi hit absoluto do Carnaval de 2016. Apesar do…