Governo brasileiro deixa morrer, sem direitos reconhecidos, mais 2 Soldados da Borracha

300

Porto Velho, ROND√ĒNIA ‚Äď Apesar de condenado em cortes internacionais por viola√ß√£o aos direitos humanos de nordestinos, convocados e recrutados para extrair l√°tex na Amaz√īnia, o Brasil acaba de deixar morrer, praticamente, √† m√≠ngua, mais dois soldados da borracha na Amaz√īnia Ocidental.

INJUSTIÇA - Governo brasileiro deixa morrer, sem direitos reconhecidos, mais 2 soldados da borracha
INJUSTIÇA РGoverno brasileiro deixa morrer, sem direitos reconhecidos, mais 2 soldados da borracha

An√īnimo, o seringueiro Ant√īnio Soares Mendes Filho (Tio Deco) morreu, em Porto Velho. Ele engrossa a lista de centenas de soldados da borracha, muitos tirados √† for√ßa de suas fam√≠lias e mandados por Get√ļlio Vargas, nos idos de 1940 at√© o final do conflito, aos seringais amaz√īnicos.

Como Tio Deco, a maioria era do Nordeste e integrava um contingente civil de 65 mil homens atraídos pela propaganda militar getulista a mando dos Estados Unidos. Na proposta, a obtenção rápida de ganhos em salários, moradia e aposentadoria após o Grande Conflito (1939-45).

– O compromisso inclu√≠a uma indeniza√ß√£o por sua condi√ß√£o de combatente, em igualdade aos Pracinhas da For√ßa Expedicion√°ria (FEB) que lutaram no front de Montesee Monte Castelo, na It√°lia, informa o Vice-Presidente do Sindicato dos Soldados da Borracha e Seringueiros Para os Estados de Rond√īnia, Par√°, Acre, Amazonas e Amap√° (SINDSBOR), George Telles.

Juvêncio Arruda de Oliveira, 108 anos, encabeçou a leva de mais de 80% de recrutados só do estado do Ceará. Ele morreu na semana passada, praticamente no anonimato na cidade amazonense de Boca do Acre, na divisa com a Capital acreana.

De acordo com George Telles (Carioca), em 2017, a dire√ß√£o do SINDSBOR esteve naquela cidade e “o documentou como parte viva do plantel de soldados da borracha aptos a receber todos os direitos reservados no Decreto de convoca√ß√£o e recrutamento assinado pelo ex-Presidente Get√ļlio Vargas”.

√Ä √©poca, Juv√™ncio demonstrou o desejo de ser reconhecido pelo governo como “combatente de guerra”, em vida. “N√£o deu pra ele, nempro Tio Deco, nem para o contingente tombado de 35 mil homens mortos nos seringais, a mando dos patr√Ķes. Morriam durante o fabricodas bolas de l√°tex, atacados por animais selvagens e at√©pela temida mal√°ria”, assinalou o dirigente do SINDSBOR.

ENTENDA O CASO

– O acordo Brasil e Estados Unidos considerava os homens convocados e recrutados. Mas n√£o foram reconhecidos como “combatentes de guerra” como reza o Acordo Brasil e Estados Unidos. O governo brasileiro por d√©cadas n√£o divulgou o que resultou do Acordo de 1942 sob o t√≠tulo de “Acordo de Washington”, enfatiza Carioca.

√Ä √©poca, segundo dados do SINDSBOR, “o Brasil forneceu borracha √† ind√ļstria b√©lica norte-americana durante a Segunda Guerra Mundial. Mesmo condenado na Comiss√£o Interamericana de Direitos Humanos (OEA) por viola√ß√£o de direitos dos soldados da borracha e seringueiros, “ainda hoje a trama pol√≠tica dessa alian√ßa corre em processos na Justi√ßa” ‚Äď inclusive o do reconhecimento da condi√ß√£o de “Combatentes de guerra”.

Foi Get√ļlio Vargas que estimulou a convoca√ß√£o e recrutamento de contingentes de nordestinos que enfrentavam dificuldades em fun√ß√£o das secas, a vir para a Amaz√īnia. √Č dele, tamb√©m, a estrat√©gia que mobilizou atrav√©s do temido Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) atrav√©s do servi√ßo de alto-falantes de rua, r√°dios e cinemas, o deslocamento deles para os seringais da Amaz√īnia.

A atra√ß√£o da m√£o-de-obra nordestina fazia parte do Acordo de Washington (1942) e visava ocupar os seringais do Norte do Pa√≠s com a forma√ß√£o de um pelot√£o s√≥ de soldados da borracha que integrariam a Campanha Nacional da Extra√ß√£o da Borracha (L√°tex), a chamado da Na√ß√£o como dizia Get√ļlio Vargas ao povo brasileiro. Um esfor√ßo de guerra.

Enfim, Ant√īnio Soares Mendes Filho (Tio Deco), 95 anos, nascido nos seringais da localidade de Tr√™s Casas, em Humait√° (AM) e Juv√™ncio Arruda de Oliveira (CE), 108, “morreram ap√≥s escrever os seus nomes nas mais belas p√°ginas da hist√≥ria dos her√≥is brasileiros fora do “front” de combate e dos campos de batalha na It√°lia”, sem ter direito a qualquer reconhecimentopelos relevantes servi√ßos prestados √† Na√ß√£o Brasileira”. O desabafo √© do presidente do SINDSBOR, Jos√© Rom√£o Grande, 95 anos.

Coment√°rios

Receba nossas atualizações no seu e-mail: