Inicial Notícias Manaus Greve dos rodoviários em Manaus não tem previsão para terminar, afirma presidente de sindicato

Greve dos rodoviários em Manaus não tem previsão para terminar, afirma presidente de sindicato

Na manhã desta terça-feira (29/5) rodoviários cumpriram a promessa de greve, contrariando a determinação do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT-11), que desde o último sábado (26), emitiu parecer afirmando que considera a greve ilegal e abusiva e, assim, impediu a paralisação sob pena de multa.

A greve começou nas primeiras horas da manhã desta terça-feira (29/5) com apenas 30% da frota operando pela capital amazonense. A partir das 9h30 cerca de 50% dos coletivos já circulavam nas ruas de Manaus, informou o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amazonas (Sinetram).

Greve dos rodoviários em Manaus não tem previsão para terminar, afirma presidente de sindicato - Imagem: Via Whatsapp
Greve dos rodoviários em Manaus não tem previsão para terminar, afirma presidente de sindicato – Imagem: Via Whatsapp

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviários e Urbano Coletivo de Manaus e no Amazonas (STTRM), Givancir Oliveira, a greve dos rodoviários não tem previsão para terminar. Ainda segundo Givancir, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amazonas (Sinetram) ofereceu até agora 1% de reajuste, que começaria a ser pago em agosto.

A categoria reivindica o dissídio salarial, o reajuste salarial de 3,5%, além do dissídio coletivo referente a 2018/2019.

Após o descumprimento de decisão judicial, na manhã desta terça-feira, por parte dos rodoviários, a presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT11), desembargadora Eleonora de Souza Saunier, aumentou a multa por hora de paralisação de R$ 30 mil para R$ 200 mil.

Hoje o transporte coletivo de Manaus opera com nove empresas, em 229 linhas, e transporta 750 mil pessoas por dia, em média.

Comentários

Carregue Mais Notícias Relacionadas
Comentários estão fechados.