Home Regionalismo Memórias do Amazonas História do Bairro: Cachoeirinha

História do Bairro: Cachoeirinha

4 min - tempo de leitura
229

Um dos poucos bairros projetados em Manaus, a Cachoeirinha foi idealizada em 1892 e recebeu este nome devido às pequenas quedas-d’água que ocorriam quando se chocavam com grandes pedras.

O bairro teve seu primeiro plano de edificação durante o governo de Eduardo Ribeiro, sob responsabilidade do engenheiro Antônio Joaquim de Oliveira Campos. Rodeado pelos igarapés do Educandos, do Mestre Chico, do Quarenta e da Cachoeirinha, o bairro era conhecido pela ótima opção de banho, época em que igarapé não era sinônimo de sujeira.

Além da opção de lazer para a população da época, os igarapés serviam de sustento para as lavadeiras e suas famílias, mulheres bastante lembradas entre os moradores mais antigos.

A Cachoeirinha também era conhecida pelos arraiais que, por muito tempo, tomaram as ruas do bairro. As esquinas eram pontos estratégicos para tomar a conhecida “garapa” (sucos) de diferentes sabores que eram vendidas por ambulantes em carros-de-mão feitos de madeira.

Outro símbolo local é a ponte Benjamin Constant, herança deixada e marcada pelo material vindo da Inglaterra construída entre os anos 1892 e1895. Há ainda o Mercado Municipal Walter Rayol, construído em 1965, na Praça Benjamin Constant.

Alguns anos depois da construção da ponte, pessoas de diversos lugares começaram a se aglomerar em barracos às margens dos igarapés, formando favelas e colaborando com o início da poluição nos igarapés.

BAIRRO ATUALMENTE

Para dar nova perspectiva ao local foi criado o Programa Social e Ambiental de Igarapés (Prosamin) que realoca famílias de locais onde não existe infraestrutura básica de moradia para outros que possuam tal estrutura. Apesar da iniciativa e da renovação dada ao bairro, o Prosamim não visa resgatar os igarapés, que se mantêm poluídos.

O bairro Cachoeirinha possui quase total independência de outros bairros. Há moradores que dificilmente sairiam do bairro, pois dizem encontrar quase tudo o que necessitam dentro da área. O bairro tem ruas largas que facilitam o tráfego, além de hospitais, clínicas, escolas, supermercados, bancos, hotéis, lanches, restaurantes, lojas de materiais de construção e automotivas, entre outras.

Um dos terminais de ônibus, o T2, está localizado no bairro. De lá, os usuários podem se deslocar para a maioria dos bairros da capital que, apesar de sua utilidade, apresenta problemas no funcionamento e seu fechamento é dado como certo pelo prefeito Arthur Neto. O bairro também abriga uma das unidades da UEA (Universidade do Estado do Amazonas).

UEA Cachoeirinha
UEA Cachoeirinha

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Memórias do Amazonas

Deixe uma resposta

Leia Também

Pantanal está pegando fogo em proporções nunca registradas! Uma verdadeira tragédia pro Brasil e o mundo!

Nos primeiros sete meses deste ano, o principal rio do Pantanal, o rio Paraguai, atingiu o…