Home Regionalismo Memórias do Amazonas História do Bairro: Cidade de Deus

História do Bairro: Cidade de Deus

2 min - tempo de leitura
261

Há 22 anos, o bairro Cidade de Deus surgiu como mais uma invasão de terras ocupadas por migrantes vindos do interior e de outros Estados. Na época, segundo relatos de moradores, nada foi feito para impedir que as famílias de sem terra invadissem o local.

Distante do centro de Manaus, o bairro fica próximo da Cidade Nova, na Zona Norte, e Jorge Teixeira, na Zona Leste da capital amazonense. Só em 1993 é que a região foi efetivada como bairro.

Apesar de já constituído como bairro, o Cidade de Deus ainda se ressente da precariedade de infraestrutura eficaz em inúmeras de suas ruas.

BAIRRO ATUALMENTE

A comunidade desenvolveu-se muito ao longo dos anos. Atualmente, o bairro Cidade de Deus conta com três escolas municipais, mas não tem nenhuma escola estadual. Estudantes da localidade são obrigados a deslocar-se para bairros vizinhos.

O bairro é servido duas linhas de ônibus que o ligam ao Centro, e duas linhas que o ligam ao Terminal de Integração da Cidade Nova (T3) e ao Terminal de Integração do Jorge Teixeira (T4).

No Cidade de Deus está localizado o Jardim Botânico Adolpho Ducke, criado em 2000 pela prefeitura em parceria com o Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia), com a finalidade de buscar alternativas para conter o avanço da ocupação desordenada. O Adolpho Ducke tem área de 10.000 hectares e permite aos visitantes acesso aos diferentes ecossistemas da região.

Jardim Botânico Adolpho Ducke
Jardim Botânico Adolpho Ducke

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Memórias do Amazonas

1 Comentário

  1. Elias

    24 de julho de 2014 at 09:15

    O bairro foi efetivado somente em 2010, por meio da Lei Municipal 1.401 de 14 de janeiro do mesmo ano, e não em 1993 como equivocadamente afirma o texto.

Deixe uma resposta

Leia Também

De onde surgem os grafismos indígenas?

Sobre grafismo indígena* Além de cada etnia ter sua relação única com a pintura corporal, …