História do Bairro Flores

917

A conquista de novos espaços no perímetro urbano da cidade, a partir da povoação da antiga Vila Municipal, atual Adrianópolis, se deu em direção a Zona Centro-Sul. As linhas dos bondes seguiram até o mais recente bairro da cidade. Em 1891, a área onde hoje é
o bairro de Flores j√° era habitada por pequenos sitiantes, que usavam a terra para plantar hortali√ßas e frutas que eram comercializadas nas imedia√ß√Ķes do mercado Adolfo Lisboa.

Bairro de Flores. Manaus / Foto : Acervo - IBGE
Bairro de Flores. Manaus / Foto : Acervo – IBGE

O primeiro morador a adquirir um terreno pelas vias legais, onde hoje √© o bairro, se chamava Francisco Flores e, em seu s√≠tio, cultivava √°rvores frut√≠feras e mantinha cria√ß√Ķes de frangos e cavalos. Por este motivo, o bairro recebeu o nome de Flores, sendo sua porta de entrada a conhecida ponte dos Bilhares, que na atualidade est√° integrada ao bairro S√£o Geraldo.

No in√≠cio do s√©culo passado o bairro de Flores j√° era servido por linha de bonde, que se estendia at√© o “rendes vouz” o ‚Äú√āngelus‚ÄĚ, localizado na esquina de um pequeno ramal em frente do hospital psiqui√°trico Eduardo Ribeiro, onde hoje fica o Baianos, com a Rua Jo√£o Alfredo, hoje Djalma Batista. Da√≠ em diante, os moradores seguiam a p√© pelos ramais at√© a √°rea conhecida como Franceses, que deu origem √† estrada dos Franceses, atual avenida desembargador Jo√£o Machado. Na comunidade dos Franceses estavam instaladas in√ļmeras caieiras, usadas na fabrica√ß√£o de carv√£o, produto de primeira necessidade na Manaus da √©poca.

Isolado

No ano de 1950, com a desativa√ß√£o dos bondes em Manaus, o bairro de Flores ficou isolado, restando aos muitos moradores a √ļnica op√ß√£o de caminhar at√© os limites da cidade para vender seus produtos agr√≠colas. Os sitiantes seguiam a p√©, com tabuleiros de frutas na cabe√ßa, at√© o mercado municipal Senador Cunha Melo e, de l√°, embarcavam em caminh√Ķes em dire√ß√£o ao Centro da cidade. O aumento expressivo do crescimento urbano em dire√ß√£o √†quela zona for√ßou o bairro a se modernizar em ampla escala. Dessa forma, o bairro de Flores, o maior da zona Centro-Sul, foi crescendo em n√ļmero populacional por abrigar conjuntos residenciais dentro de seu per√≠metro que se tornaram independentes. Entre eles est√£o Parque das Laranjeiras e o Parque das Na√ß√Ķes, cujas fronteiras est√£o bem pr√≥ximas.

Bairros adjacentes

O Parque das Laranjeiras ganhou esse nome pela grande presença dessas árvores no imenso terreno próximo ao Aeroclube. A família Lins foi uma das pioneiras a habitar o território. O professor Nilton Lins inaugurou em 1986, no bairro, o colégio Anglo-Americano, situado à rua Marquês de Monte Alegre. Mais tarde, em 1988 iniciou no mesmo local as Faculdades Nilton Lins, que depois do crescimento e expansão ganhou o título de Centro Universitário Nilton Lins. O ambiente tornou-se conhecido e valorizado, atraindo pessoas de classe alta que povoaram o local com ótimos empreendimentos imobiliários.

Pr√≥xima dessa √°rea privilegiada nasceu, em 1998, a invas√£o Parque das Na√ß√Ķes, ainda pertencente ao Parque das Laranjeiras. Eram poucos moradores, vindos de diversos bairros da cidade que aventuraram viver num lugar sem nenhuma infra-estrutura. Depois do intenso povoamento na localidade, surgiram muitos furtos durante o dia, quando as galeras costumam invadir as casas. A noite tamb√©m √© arriscado passar pelas ruas mal iluminadas do bairro.

Igreja coordena comunidades

No bairro de Flores foi bastante intensa a evangeliza√ß√£o cat√≥lica. H√° 24 anos foi constru√≠da a igreja de Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira do bairro, com festa comemorativa no dia 12 de dezembro. Outras congrega√ß√Ķes foram se estabelecendo, como a igreja Batista B√≠blica de Flores e a Presbiteriana Filad√©lfia. Atualmente a igreja cat√≥lica coordena 13 comunidades eclesiais.

Localização

O bairro de Flores é traçado pelas principais avenidas de Manaus, como parte da Constantino Nery, Torquato Tapajós e Max Teixeira, com um perímetro de 1.317.99 hectares totalmente habitado, entre as zonas Centro- Sul e Norte. Está situado ao Norte
com a Col√īnia Santo Ant√īnio, ao leste com a Cidade Nova, ao oeste com o Bairro da Paz e ao Sul com o Parque Dez de Novembro.

Durante o percurso de seu desenvolvimento foram constru√≠dos v√°rios conjuntos habitacionais, entre eles est√£o Duque de Caxias, Parque das Laranjeiras, Flores, Rio Javari, Senador Jo√£o Bosco, Anavilhanas, Santa Cruz, Beija Flor I e II, Rio Maracan√£, Parque das Na√ß√Ķes, Sargentos e Subtenentes da Policia Militar, S√£o Judas Tadeu, al√©m dos parques Eucalipto e S√£o Miguel.

Aeroclube de Manaus

Na avenida Professor Nilton Lins, o Aeroclube de Manaus tem como data de funda√ß√£o o dia 31 de agosto de 1940, por meio do decreto de n¬ļ 471, assinado pelo governador √Ālvaro Botelho Maia. O clube foi fundado com a principal finalidade de pouso e decolagem de avi√Ķes de pequeno porte e prepara√ß√£o de pilotos para este tipo de aeronave. Al√©m de oferecer curso de p√°raquedismo.

Vivaldo Lima (Vivald√£o)

O est√°dio Vivaldo Lima iniciou suas atividades no ano de 1969, no m√™s de fevereiro quando inaugurou seu gramado com a realiza√ß√£o de um torneio juvenil de clubes locais. Mas em abril de 1970 foi inaugurado oficialmente com o cl√°ssico entre a Sele√ß√£o Brasileira contra a sele√ß√£o amazonense, com o placar favor√°vel ao Brasil. A capacidade de p√ļblico chega a 47.258 expectadores, contando com cadeiras nos setores “A” e “B” e no setor “C” especiais, al√©m de possuir tribuna de honra e arquibancadas confort√°veis. O est√°dio possui tamb√©m em sua estrutura o gramado de 105m X 68m, cabines de imprensa, servi√ßo de som, ilumina√ß√£o e vesti√°rios.

Na parte interna, fica instalado o museu do est√°dio com exposi√ß√£o de fotografias desde os primeiros momentos da constru√ß√£o do est√°dio e suas personalidades mais importantes. Ainda h√° um sal√£o nobre, sala vip e sala de confer√™ncia. O est√°dio oferece ao p√ļblico um estacionamento pr√≥prio. Suas bilheterias e port√Ķes est√£o de acordo com os itens exigidos pela Federa√ß√£o Brasileira de Futebol.

Esporte, lazer e cultura

Na entrada do bairro se avista um dos cart√Ķes postais da cidade: o est√°dio de futebol Vivaldo Lima. O centro de conven√ß√Ķes, conhecido como Samb√≥dromo de Manaus, localizado na avenida Pedro Teixeira, ao lado do Vivald√£o, √© palco do desfiles das escolas de samba de Manaus, no Carnaval, shows musicais, confer√™ncias, e eventos de porte. Tem capacidade total para 100 mil pessoas nos seis m√≥dulos com capacidade para 5 mil pessoas cada um; 2 mini-m√≥dulos com capacidade de 3.000 cada um; uma “ferradura” com capacidade para 18.000 pessoas. Camarotes e especiais para 2000 lugares e mais de 50 mil lugares na parte da geral.

Ao longo do per√≠metro do bairro est√£o localizadas o Instituto Municipal de Tr√Ęnsito (antiga
EMTU) e tamb√©m a Rodovi√°ria Central de Manaus, de onde partem e chegam √īnibus das cidades de Itacoatiara, Rio Preto da Eva, Silves, Itapiranga, Manacapuru, Autazes, Carreiro da V√°rzea e Presidente Figueiredo, al√©m de viagens para o Estado de Roraima e para a Venezuela.

Na √°rea do Parque das Laranjeiras, o bairro mostra um cen√°rio estruturado com a implanta√ß√£o da Universidade Nilton Lins, o Aeroclube de Manaus, centro de conven√ß√Ķes e resid√™ncias de luxo. Para quem vive em Flores, algumas op√ß√Ķes de com√©rcio facilitam a vida urbana, como o hipermercado Carrefour, o Instituto de Educa√ß√£o Superior CIESA, o Clube Municipal, concession√°rias de ve√≠culos, mot√©is, panificadoras, restaurantes, transportadoras, a empresa Philips da Amaz√īnia.

Avenida Constantino Nery, em Flores. / Divulgação
Avenida Constantino Nery, em Flores. / Divulgação

Fonte: Jornal do Commércio
Portal Amaz√īnia – NR

Coment√°rios