Inquérito afirma que segurança do Carrefour é o principal culpado pela morte de Manchinha

112

O inquĂ©rito sobre a morte do cĂŁozinho Manchinha, ocorrida no Ășltimo dia 28 de novembro, em uma loja do Carrefour no municĂ­pio de Osasco, na Grande SĂŁo Paulo, foi concluĂ­do nesta terça-feira (18) pela Delegacia do Meio Ambiente da regiĂŁo. O segurança do mercado foi considerado o principal responsĂĄvel pela morte do animal.

O cĂŁozinho Manchinha foi envenenado e morto a pauladas por segurança de uma rede de supermercados, em SĂŁo Paulo, no Ășltimo dia 28 de novembro. / Foto: Reprodução/Facebook
O cĂŁozinho Manchinha foi envenenado e morto a pauladas por segurança de uma rede de supermercados, em SĂŁo Paulo, no Ășltimo dia 28 de novembro. / Foto: Reprodução/Facebook

De acordo com a Secretaria da Segurança PĂșblica do Estado de SĂŁo Paulo, todo o relatĂłrio do inquĂ©rito foi mandado para o Juizado Especial Criminal da regiĂŁo, acusando como o autor do crime o segurança do estabelecimento.

Agora, caberå à Promotoria decidir e, se aceitar a conclusão do inquérito, o órgão encaminharå o caso à Justiça.

O segurança do mercado deverå responder por maus-tratos aos animais e abuso.

Na visão da Justiça brasileira, ele deverå cumprir a pena em liberdade mesmo se for condenado, pois este tipo de crime é considerado de menor potencial ofensivo, com isso o segurança do mercado não poderå ir para a prisão.

Mais de 20 pessoas foram interrogadas durante toda a investigação, e foi constatada a morte do animal por hemorragia por conta das lesÔes sofridas.

Ao ser interrogado, o segurança do mercado confessou que usou uma barra de ferro contra o animal, mas disse que não tinha a intenção de matar o cachorro. Segundo o Centro de Zoonoses da cidade de Osasco, a causa da morte do cachorro foi por conta de um sangramento. O corpo de Manchinha foi cremado.

Protestos
Por conta da morte do cão, foi gerada onda de revolta e de protestos contra o mercado Carrefour da região. Em uma manifestação que chegou a reunir cerca de 2 mil pessoas, a loja teve que fechar as portas por conta do tumulto.

No dia da agressão contra o animal, ele foi encontrado sangrando por funcionårios e clientes do local, logo em seguida a prefeitura resgatou o cãozinho ainda com vida, mas ele não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo. Com as filmagens das cùmeras de segurança do local, foi possível ver o segurança do mercado indo atrås do animal com uma barra de ferro.

O Carrefour respondeu em nota que acompanha a investigação e se prontifica a ajudar a PolĂ­cia no que for preciso para a solução do caso. Ainda em resposta, o Carrefour menciona que segue estruturando ONGs em favor dos animais e Ă© contra a qualquer tipo de violĂȘncia contra os mesmos.

ComentĂĄrios