Home Notícias Amazonas Ipaam intensifica trabalho de fiscalização no rio Tarumã-Açu depois de vazamento de óleo

Ipaam intensifica trabalho de fiscalização no rio Tarumã-Açu depois de vazamento de óleo

2 min - tempo de leitura
18

O trabalho de fiscalização e monitoramento de marinas, portos e flutuantes instalados nas margens da bacia do rio Tarumã-Açu, recebeu uma intensificação durante este último final de semana e seguirá com este reforço. A informação foi repassada pelo próprio presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) e secretário de Estado do Meio Ambiente (Sema), Marcelo Dutra, durante esta terça-feira (16), quando afirmou que para este reforço foram colocados mais agentes ambientais e o apoio de lanchar.

O reforço nas fiscalizações foi uma resposta do órgão após um vazamento de óleo diesel na região da Marina Tauá, no rio Tarumã-Açu, no bairro Tarumã, zona Centro-Oeste de Manaus, ocorrida na última sexta-feira (12). O combustível foi encontrado depois de denúncias por telefone feitas ao órgão. Durante todo o dia, tanto o Ipaam como a Polícia Militar realizavam um levantamento para saber de quem era a responsabilidade do crime ambiental.

De acordo com Dutra, a região é uma das áreas de Manaus que mais vem sofrendo impactos ambientais nos últimos cinco anos, principalmente com a instalação de novos empreendimentos imobiliários, construção de marinas particulares e a utilização comercial do canal no transporte de passageiros para balneários particulares, sítios e comunidades rurais.

O presidente do Ipaam informou que, desde sexta-feira (12), quando foi detectada a existência de uma mancha de óleo de aproximadamente 20 metros quadrados próximo a Marina Tauá, a Gerência de Fiscalização Ambiental (Gefa) do órgão reforçou o trabalho de monitoramento no rio Tarumã-Açu e, a partir desta terça-feira (16/1), iniciou ações de preservação do meio ambiente junto aos trabalhadores naquela área com apoio do Batalhão Ambiental da Polícia Militar.

Ontem (15), o diretor da Gefa, Abner Brandão, percorreu a extensão do rio, a partir da Marina do David até a praia Dourada, e constatou que o óleo evaporou com o tempo, por se tratar de um produto volátil, de categoria leve, bastante utilizada para lubrificação de motores de embarcações. “O óleo não existe mais. Por orientação do secretário Marcelo Dutra, o trabalho continua intensificado”, disse.

O órgão ainda não identificou a origem do produto, porque, segundo Brandão, no local existe um “corporativismo” comercial com donos de marinas e flutuantes. “Mas, apesar disso, a apuração continua e pedimos ajuda das pessoas que moram ou trabalham naquela área para que informe imediatamente ao Ipaam por meio do Disque Denúncia 2123-6715 situações semelhantes a que ocorreram semana passada”, disse.

Com informações da assessoria

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Isabelle Valois
Carregar Mais Em Amazonas

Deixe uma resposta

Leia Também

Governo Wilson Lima corrige distorções de uma década e já paga em dia terceirizados da saúde

A gestão do governador Wilson Lima vem corrigindo distorções de quase uma década de atraso…