Itamaraty desconhece paradeiro de brasileiro preso na Venezuela

50

O Itamaraty tenta localizar em v√£o desde o dia 28 de dezembro o brasileiro Jonatan Mois√©s Diniz, de 31 anos, preso pelo governo chavista. o governo brasileiro fez v√°rios contatos com autoridades venezuelanas, em tentativas que foram desde as esferas diplom√°ticas mais b√°sicas at√© o contato entre a c√ļpula dos Minist√©rios das Rela√ß√Ķes Exteriores.

Jonatan Moisés Diniz, de 31 anos, preso pelo governo chavista -Imagem: Divulgação

Os pedidos de informação sobre o paradeiro do brasileiro não foram respondidos, o que não permite saber se ele está desaparecido ou apenas tem sua localização mantida em segredo pelo governo de Nicolás Maduro. Uma fonte no Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional, o Sebin, também disse desconhecer o paradeiro dele.

Segundo nota divulgada pelo Itamaraty, ‚Äúat√© o momento, apesar da promessa de retorno dos interlocutores, n√£o houve resposta. Em Bras√≠lia, instada a faz√™-lo, a embaixada venezuelana tampouco prestou qualquer esclarecimento‚ÄĚ. O Brasil solicita na nota √†s autoridades da Venezuela ‚Äúque respondam rapidamente aos diversos pedidos de informa√ß√£o sobre a localiza√ß√£o de nosso compatriota e sua situa√ß√£o jur√≠dica, bem como de visita consular, cursados nos termos das conven√ß√Ķes internacionais‚ÄĚ.

Diniz foi detido sob a acusa√ß√£o de promover atividades contra o governo de Maduro. Sua pris√£o foi anunciada por um dos l√≠deres do chavismo, Diosdado Cabello, conhecido pela forte liga√ß√£o com o Ex√©rcito, em seu programa semanal de TV. O caso amplia a dist√Ęncia entre os dois governos, em uma rela√ß√£o j√° abalada pela expuls√£o do embaixador Ruy Pereira pelo governo venezuelano. O Brasil reagiu com a mesma medida.

Segundo a fam√≠lia do brasileiro, que vive em Balne√°rio Cambori√ļ (SC), Diniz estava na Venezuela, no Estado de Vargas, apenas ajudando crian√ßas pobres. Ele mora na Calif√≥rnia, nos EUA, mas viajou pelo menos quatro vezes para a Venezuela nos √ļltimos dois anos. Em suas contas pessoais no Facebook e no Instagram, h√° fotos dele distribuindo roupas e alimentos. O brasileiro morava em Los Angeles havia ao menos 4 anos. Ele chegou a viver em Caracas, a capital venezuelana, por dois meses, no in√≠cio de 2017.

Histórico

Em v√≠deos em sua conta no Instagram, Diniz aparece filmando colegas e afagando a cabe√ßa de crian√ßas. Em novembro, Diniz come√ßou a divulgar e pedir doa√ß√Ķes para a ONG Time to Change the World, um grupo que n√£o tem site e cujas contas nas redes sociais t√™m menos de dois meses. Em uma postagem daquele m√™s, o jovem escreveu que a Time to Change the World era ‚Äúuma ONG que conectava todas as ONGs do mundo, espalhando comida, rem√©dios, brinquedos e uma nova e saud√°vel filosofia‚ÄĚ. Cabello sugeriu que a CIA estaria envolvida nas supostas atividades do brasileiro contra o chavismo. Segundo ele, a ONG que o brasileiro lidera entrega alimentos e itens b√°sicos a moradores de rua para obter financiamento para grupos que o governo venezuelano classifica como terroristas.

O minist√©rio informa ainda que a Embaixada do Brasil em Caracas ‚Äúvem fazendo gest√Ķes cont√≠nuas junto ao Minist√©rio das Rela√ß√Ķes Exteriores da Venezuela e √†s autoridades de seguran√ßa desse pa√≠s, em busca de mais informa√ß√Ķes sobre o paradeiro do nacional brasileiro‚ÄĚ. O Itamaraty diz ainda que ‚Äútanto o consulado brasileiro em Caracas quanto o Itamaraty t√™m mantido contato com a fam√≠lia de Jonatan Mois√©s Diniz‚ÄĚ.

Diniz chegou a viver em Caracas, a capital venezuelana, por dois meses, no in√≠cio de 2017, quando se envolveu mais profundamente com a crise na Venezuela. Foi a partir de ent√£o que ele se engajou nas causas sociais locais. Em v√°rios posts ele pede para os venezuelanos ‚Äúse levantarem contra o filho da‚Ķ do Maduro‚ÄĚ.

Diniz foi preso durante uma a√ß√£o de distribui√ß√£o de comida e de roupas. Segundo Cabello, o detido fazia parte de uma ‚Äúorganiza√ß√£o criminosa‚ÄĚ. Cabello sugeriu que a CIA estaria envolvida nas supostas atividades do brasileiro contra o chavismo. Segundo ele, a ONG que o brasileiro lidera entrega alimentos e itens b√°sicos a moradores de rua para obter financiamento para grupos que o governo venezuelano classifica como terroristas.

Coment√°rios