Inicial Notícias Internacional #JusticiaparaElMimo: o mundo inteiro questiona a verdade sobre a manifestante torturada e morta no Chile

#JusticiaparaElMimo: o mundo inteiro questiona a verdade sobre a manifestante torturada e morta no Chile

“Daniela foi estuprada, torturada e enforcada por ser o símbolo de protestos no Chile”, denunciou o coordenador do “Ni Una menos” e as redes sociais se mobilizaram para pedir clareza sobre a morte de Daniela Carrasco, artista de rua de 36 anos e símbolo de protestos no Chile.

Daniela Carrasco morta no Chile: mídias sociais se mobilizam para Mimo
Daniela Carrasco morta no Chile: mídias sociais se mobilizam para Mimo

O evento trágico que remonta a um mês atrás, do qual a mídia não relatou até as últimas horas, ganhou repercussão internacional somente agora, pois até o momento a sua morte ainda está envolta em mistério.

A hashtag #JusticiaparaElMimo circula pelo mundo e o nariz vermelho de Mimo inunda as placas de centenas de milhares de pessoas que querem a verdade sobre o assassinato que sacode o Chile.

“Quando o ódio se torna covarde, ele se manifesta na sociedade e se autodenomina” justiça “”, recita um desenho animado compartilhado no Twitter e dedicado à jovem morta durante os confrontos antigovernamentais que atormentam o Chile há quatro semanas.

Daniela Carrasco morta no Chile: mídias sociais se mobilizam para Mimo
Daniela Carrasco morta no Chile: mídias sociais se mobilizam para Mimo

A artista de rua de 36 anos foi encontrado morta enforcada. A princípio, foi considerado suicídio, mas outros detalhes estão surgindo também graças à mobilização de cidadãos e da web. Uma reação que não conhece fronteiras e atravessa as fronteiras do Chile.

“A vergonha da barbárie humana sempre será repetida entre indiferença e conivência”, escreve outro usuário. E há quem até fale em “feminicídio do estado”.

As palavras do presidente Sebastian Piñera também confirmaram suspeitas sobre o destino de Daniela Carrasco e das outras vítimas de violência no Chile, que confirmaram o abuso de manifestantes pela polícia. “Houve um uso excessivo da força, houve abusos e os direitos de todos não foram respeitados”, disse Piñera em entrevista à imprensa.

Comentários

Carregue Mais Notícias Relacionadas
Comentários estão fechados.