Lenda da Origem do Rio Amazonas

5867

Há muitos anos, existiam na selva amazônica dois noivos apaixonados que sonhavam ser um casal. Ela vestia-se de prata e seu nome era Lua. Ele vestia-se de ouro e o seu nome era Sol. Lua era a dona da noite e Sol era dono do dia.

Havia porém, um obstáculo para aquele namoro: se eles se casassem o mundo se acabaria. O ardente amor de sol queimaria a terra toda e o choro triste da Lua toda a terra afogaria.

O sol embora apaixonado pela lua, não poderia se casar com ela
O sol embora apaixonado pela lua, não poderia se casar com ela
Loading...

Apesar de apaixonados, como poderiam se casar? A Lua apagaria o fogo? O Sol faria toda a água evaporar?

Assim, eles se separaram. Eles nunca puderam se casar. Os noivos ficaram desesperados, a Lua de prata e o Sol de ouro.

No desespero da saudade, a Lua chorou durante todo um dia e toda uma noite. Suas lágrimas escorreram por morros sem fim até chegar ao mar. Mas o mar, com tanta água embraveceu-se, ele não queria aceitar tanta água.

O sol e a lua são os protagonistas da lenda sobre a origem do rio Amazonas
O sol e a lua são os protagonistas da lenda sobre a origem do rio Amazonas

A sofrida lua não conseguia misturar suas lágrimas às águas bravas do mar. Algo estranho aconteceu. As águas escavaram um imenso vale, serras se levantaram. Um imenso rio apareceu. As lágrimas da lua formaram o rio Amazonas, o rio-mar da Amazônia.

De tanto chorar a lua criou o mar doce.
De tanto chorar a lua criou o mar doce.

Toada Amazonas Ayakamaé

Lenda - A Origem do Rio Amazonas
Lenda – A Origem do Rio Amazonas

Comentários

comentários

COMPARTILHAR
AnteriorSem Censura!!! Portal do Holanda de cu é rola
PróximoA Lenda da Mandioca
Divulgamos em nosso site conteúdos ricos de textos, fotos e vídeos sobre temas amazônicos, nossas belezas naturais, nossa cultura ribeirinha, às vezes notícias frutos de estudos e artigos científicos, além dos já conhecidos assuntos meramente cômicos, notícias, fotos, tirinhas, passatempos e vídeos engraçados; sempre com uma linguagem bem humorada – como pensamos que deve ser o verdadeiro entretenimento.