Man√°os

502

Vem do braço do Rio Negro
essa sanha imperial,
que portugueses tomaram
na Amaz√īnia tropical.

Vem do verde da floresta
de banibas e passés,
os tambores abençoando
Manáos e a tribo de Barés.

√Č chegado o canto pleno
à terra de Ajuricaba,
Nossa Senhora Conceição
proteja São José da Barra.

Man√°os, m√£e dos deuses, brada o guerreiro.
Nasce tua vila, palhas de inajá e de buçu.
Saudemos tua criação, do caboclo primeiro,
Filhas de Tuxauas, nativo sonho bruxo.

Manaus nativa e bela
de encanto vegetal,
inspira√ß√£o rom√Ęntica
do barroco ancestral.

Face de belle èpoque
traduz a beleza pag√£,
nobres e pal√°cios
seduzindo a cunhat√£.

Do seringal a borracha,
e o bonde que logo passa,
progressa ‚ÄúParis dos Tr√≥picos‚ÄĚ,
na tua memória de graça.

E reina um novo tempo,
√ćndio, caboclo, imigrante.
Zona Franca dos andantes
e de esperança manauara.

Lusa-feme acolhedora,
és do norte sedução,
Capital do Amazonas
és do povo inspiração.

Man√°os por Alberto Nunes

Man√°os por Alberto Nunes
Man√°os por Alberto Nunes

 

Coment√°rios