Home Notícias Polícia Menina é obrigada a levantar a blusa supostamente por conta da cor. Entenda o caso!

Menina é obrigada a levantar a blusa supostamente por conta da cor. Entenda o caso!

4 min - tempo de leitura
244

 

O funcionário de uma loja de doces obrigou uma menina negra de 11 anos a levantar a blusa e provar que não havia furtado nenhum produto no estabelecimento. Segundo o relato do próprio empregado, quando pediu desculpas à família, a criança despertou suspeitas por causa da cor e do cabelo crespo.

De acordo com informações do Uol, o caso aconteceu no mês passado no bairro da Penha, na zona norte do Rio de Janeiro, mas repercutiu recentemente nas redes sociais após a irmã mais velha da vítima relatar o caso na internet.

“Ele falou na maior naturalidade que eles precisam desconfiar mesmo, pois no local descem muitos meninos e meninas de comunidade para furtar a loja e que ele desconfiou dela por conta da cor e do cabelo black que havia caído no rosto quando ela abaixou”, contou a irmã da vítima.

Segundo o veículo, a criança havia ido até a loja sozinha a pedido da mãe para comprar pipoca para o aniversário da irmã mais nova, de 3 anos.

“Ela estava enrolada com a bolsa de dinheiro na mão, celular, e os saquinhos de pipoca que eram muitos. Aí, ela pôs o celular no bolso e se abaixou. Ele chegou perguntando se ela tinha pego algo. Minha irmã disse que não fez nada. Mesmo assim, ele a mandou levantar a blusa. Foi quando ela começou a chorar, juntou um monte de gente no mercado, porque o local estava muito cheio. Ela ficou constrangida, envergonhada.”

A irmã da menina contou que a família acionou a polícia, que informou não poder deslocar uma viatura ao local e orientou a fazer um boletim de ocorrência na internet. O caso foi registrado.

“Ela não quer mais sair de casa nem comprar mais nada sozinha. Ela fica me perguntando o motivo disso ter acontecido com ela”, disse a irmã.

O caso ocorreu no UFA Atacadão de Doces, que ainda não se pronunciou sobre o caso de racismo.

“A gente entende que está diante de um caso de racismo. O que houve foi uma abordagem motivada por estereótipo, já que o funcionário falou para a família que muitas crianças de cor cometem crimes naquela região. Houve um constrangimento ilegal com um fator agravante da vítima ser uma criança. Identificamos também outra falha que é a polícia ter informado que não poderia enviar uma viatura ao local, sendo que é dever do Estado também proteger a criança”, declarou o advogado da família, dizendo que a loja será acionada nas áreas civil e criminal.

Segundo o advogado, a criança apresenta mudança de comportamento após o fato.

“É uma criança que já faz acompanhamento psicológico por outras dificuldades e agora precisa lidar com isso tudo que aconteceu. Ela está mais arredia depois do fato.”

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Roger Siqueira
Carregar Mais Em Polícia

Deixe uma resposta

Leia Também

Prefeitura entrega 70 cestas básicas a famílias de pessoas com deficiência mental

  A Prefeitura de Manaus realizou nesta segunda-feira, 26/10, a entrega de 70 cestas …