Home Notícias Brasil Menino que comeu marmita envenenada continua no hospital e pai pede ajuda : “Sou um pai desesperado”

Menino que comeu marmita envenenada continua no hospital e pai pede ajuda : “Sou um pai desesperado”

2 minutos lido
515

O menino Fábio Abraão, de 11 anos, continua internado em situação delicada no Hospital Geral de Pirajussara, em Taboão da Serra, um mês e meio após comer uma das marmitas envenenadas com chumbinho que mataram dois moradores de rua, em Itapevi, em 21 de julho.

O pai de Fábio Abraão, Flávio Araújo, pede ajuda para pagar as despesas da família, já que passou a ter de se dedicar quase que inteiramente aos cuidados do filho. “Pelo amor de Deus, sou um pai desesperado e estou me agarrando a cada suspiro que meu filho dá”, desabafou, à rádio Toque da Cidade, de Cotia.

“Gente vocês sabem o que é ter um filho sem problemas de saúde e, de uma hora pra outra, ver ele assim no hospital? Não tenho mais vida a não ser ficar aqui implorando que tudo que tiver no meu alcance seja feito pelo meu menino”, declarou o pai.

Como ajudar:

Ele pede ajuda para encontrar um neuropediatra que atenda Fábio Abraão e de recursos para manter a família e os cuidados com o filho. Quem puder ajudá-lo, pode entrar em contato por meio do telefone (11) 9 9858-9511.

O envenenamento

Flávio ganhou duas marmitas de um grupo de moradores de rua que estava em um posto de combustíveis abandonado em Itapevi e levou para a casa, onde a namorada dele e Abraão comeram os alimentos. Logo em seguida, os dois passaram mal e foram levados às pressas ao hospital. A jovem sobreviveu e se recupera bem.

No grupo de moradores de rua estavam José Araujo Conceição, de 61 anos, e Vagner Aparecido Gouveia de Oliveira, de 37, que morreram logo após comerem a comida. Um cão que comeu os alimentos também morreu.

As marmitas haviam sido entregues por um grupo de voluntários de uma igreja. Logo após a notícia das mortes começar a circular, a responsável pela preparação dos alimentos se apresentou espontaneamente a polícia e negou ter envenenado a comida. “A gente não matou ninguém”, disse Agda Lopes Casimiro. “Eu falo para você: a comida não estava envenenada porque fui eu que fiz. E saiu direto da cozinha da igreja para as ruas de Itapevi”, afirmou, em entrevista.

A polícia descartou a suspeita de que as marmitas tivessem sido entregues envenenadas. A hipótese mais considerada pela investigação é de que alguém colocou chumbinho nos alimentos após eles terem sido distribuídas pelo grupo de voluntários.

Segundo essa linha da investigação, o alvo do envenenamento seria Vagner, um dos mortos, por vingança. Testemunhas afirmaram aos policiais que ele tinha fama de briguento e havia se envolvido em uma confusão recentemente. “Provavelmente o alvo seria realmente o Vagner. Quem fez isso não esperava que o Vagner fosse distribuir essas marmitas”, declarou o delegado Aloysio Ribeiro de Mendonça Neto, em entrevista ao “Brasil Urgente”.

As investigações continuam na busca pelos responsáveis pelo envenenamento.

“Sou um pai desesperado que estou me agarrando a cada suspiro que meu filho dá”, desabafou o pai

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Brasil

Deixe uma resposta

Leia Também

Empresário de 29 anos morre após tentar acender churrasqueira com álcool!

Um acidente na cidade de Eldorado-SP resultou na morte do empresário empresário Maurício C…