Home Notícias Política Ministério Público denuncia Flávio Bolsonaro e Queiroz por esquema de “rachadinha”

Ministério Público denuncia Flávio Bolsonaro e Queiroz por esquema de “rachadinha”

2 minutos lido
25

O Ministério Público do Rio denunciou o senador do Republicanos, Flávio Bolsonaro e o ex-assessor, Fabrício Queiroz pelo esquema da ‘rachadinha’ na Assembleia Legislativa do Rio. A denúncia foi encaminhada na última terça (3) ao desembargador responsável pelo processo no Tribunal de Justiça do Rio.

MP denuncia Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz por esquema da ‘rachadinha’ -magem: Divulgação

As investigações começaram em 2018 depois que um relatório do Coaf, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, identificou movimentações suspeitas na conta bancária de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quando Flávio era deputado estadual. Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

O Ministério Público do Rio acusa Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz e outros 15 investigados de participar do esquema de corrupção conhecido como ‘rachadinha’, em que o parlamentar fica com parte dos salários dos funcionários.

O jornal O Globo revelou nesta quarta-feira (4) que uma antiga assessora de Flávio confessou aos promotores a prática da ‘rachadinha’.

A reportagem revelou o depoimento que Luiza Sousa Paes deu ao Ministério Público em setembro. Ela admitiu que nunca atuou como funcionária de Flávio Bolsonaro e contou que era obrigada a devolver mais de 90% do salário.

Segundo o jornal, o primeiro contracheque dela no período em que trabalhou no gabinete tinha um valor bruto de quase R$ 5 mil. A reportagem diz que Luiza apresentou extratos bancários para comprovar que, entre 2011 e 2017, entregou por meio de depósitos e transferências R$ 160 mil para Fabrício Queiroz.

Ela contou ao MP que abriu uma conta na agência dentro da Alerj e foi orientada a fazer todos os meses o saque do salário na boca do caixa, já que no caixa eletrônico há um limite para a retirada. Depois de pegar o dinheiro, ela já solicitava um depósito para a conta de Fabrício Queiroz.

Luiza Sousa Paes foi assessora de Flávio entre 12 de agosto de 2011 e 11 de abril de 2012. Depois, trabalhou em outros setores da Assembleia.

Em quase dois anos de investigação, Flávio Bolsonaro tentou pelo menos dez vezes barrar o trabalho dos promotores. Em uma dessa ações, que ainda vai ser decidida pelo Supremo Tribunal Federal, Flávio conseguiu o direito a foro privilegiado. Por isso, a denúncia do Ministério Público está sendo apresentada ao órgão especial do Tribunal de Justiça e não ao juiz da primeira instância.

Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz e outros 15 investigados foram denunciados por peculato, lavagem de dinheiro, apropriação indébita e organização criminosa. A defesa de Flávio Bolsonaro disse que ele não cometeu irregularidades e desconhece supostas operações financeiras entre ex-servidores da Alerj.

A defesa de Fabrício Queiroz declarou que não teve acesso à denúncia e vai comprovar a inocência dele. Os advogados de Luiza Souza Paes disseram que ainda não foram notificados.

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por No Amazonas é Assim
Carregar Mais Em Política

Deixe uma resposta

Leia Também

Fcecon recebe equipamentos adquiridas com Emendas do Presidente da Aleam, Roberto Cidade

Cadeiras de rodas para banho, suporte de soro, bebedouros industriais, estetoscópio, micro…