Home Notícias Polícia Mulher se revolta e faz postagem cobrando Justiça depois de ser espancada e ex-marido ser solto

Mulher se revolta e faz postagem cobrando Justiça depois de ser espancada e ex-marido ser solto

5 min - tempo de leitura
36

No último 5 de março, a rondonopolitana Angela Dias fez uma postagem em seu perfil no Facebook denunciando a agressão que sofreu de seu ex-marido, Valério Antônio Alves, em Rondonópolis (a 218 km de Cuiabá). O homem  chegou a ser preso em flagrante, mas acabou sendo solto por uma juíza que teria argumentado que o suspeito ainda não foi sentenciado. Revoltada, ela decidiu compartilhar a história. A Justiça, no entanto, proibiu que o suspeito se aproxime da vítima.

De acordo com Angela, a agressão aconteceu no dia 5 de março. Ela e o ex-marido já estavam separados há mais de 1 ano e 4 meses e então tiveram a discussão. A vítima disse que procurou a Polícia Civil e o agressor foi preso no mesmo dia.

Ela conta que, no entanto, um juiz decidiu pela soltura do ex-marido, argumentando que o homem não ameaçou a vítima. indignada, Angela ainda questionou a efetividade da lei Maria da Penha e disse estar revoltada com o Fórum de Rondonópolis.

“Muitas vezes a sociedade diz q a mulher não denúncia. Mas quando denunciamos o canalha, sai impune. Mas estou aqui porque eu quero justiça e quero q vocês me ajudem na divulgação pra colocar esse canalha na cadeia, já que o juiz de Rondonópolis soltou”, diz a vítima.

Ao final do texto Angela ainda aconselha as mulheres a não terem medo e denunciarem as agressões que sofrerem. “Vamos mostrar que podemos sim requerer Justiça através das redes sociais. Vamos compartilhar até a justiça ser feita”, desabafou.

A postagem já obteve mais de 460 compartilhamentos. Nos comentários os amigos de Angela também manifestaram sua revolta e seu apoio à vítima.

O suspeito Valério Antônio Alves passou por audiência de custódia no dia da prisão e a juíza Maria Mazarelo Farias Pinto, da Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, concedeu liberdade provisória ao ex-marido da vítima por não encontrar “fatos que demonstrem a necessidade do indiciado permanecer segregado para a garantia da ordem pública”.

Na decisão a juíza alega que “a liberdade provisória é a regra, sendo a prisão medida de exceção, que deve ser aplicada com parcimônia” e que o suspeito só deve ser preso após a sentença.

“A prisão processual, por sua natureza necessariamente cautelar, não pode ser determinada pela espécie ou pela suposta gravidade do delito atribuído ao indiciado, até porque a efetiva ocorrência do delito, por maior que seja a probabilidade desta ocorrência, só poderá passar do terreno das hipóteses para o plano concreto quando da cognição definitiva do mérito, a ser feita no momento da sentença”.

No entanto, a juíza decidiu que Valério deve comparecer bimestralmente em Juízo, para justificar suas atividades e local de moradia, mas também está proibido de se aproximar da vítima, manter contato com a vítima ou frequentar a residência dela, de seus familiares, residência das testemunhas e o local de trabalho dela.

Valério Antônio Alves/ Reprodução Facebook
Valério Antônio Alves/ Reprodução Facebook

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Polícia

Deixe uma resposta

Leia Também

Pantanal está pegando fogo em proporções nunca registradas! Uma verdadeira tragédia pro Brasil e o mundo!

Nos primeiros sete meses deste ano, o principal rio do Pantanal, o rio Paraguai, atingiu o…