O Amazonês

4839

Falar como um autêntico amazonense não é pra qualquer um! Se a língua portuguesa muda o tempo todo, avalie a língua popular amazonense! Muitos grupos influenciaram a formação do nosso linguajá, entre eles estão os próprios primitivos da região, os portugueses e os nordestinos.

Bolsa Magrela em Amazonês
Bolsa Magrela em Amazonês

Algumas das express√Ķes¬† que pensamos ser amazonenses, s√£o na verdade nortistas. Por√©m, a por√©m… Existem muitas express√Ķes que s√≥ se encontram aqui! Quem nunca ouviu ou falou essa frase para algu√©m em Manaus? “Comeu jaraqui, n√£o sai mais daqui” . Express√Ķes como essas tamb√©m fazem parte do nosso “dialeto”.

Preparamos uma lista¬† de refer√™ncias com palavras e frases que caracterizam o que muitos chamam de “o amazon√™s“, o modo de falar na regi√£o.

O cantor Nicolas Junior brinca com o modo de falar do amazonense usando palavras t√≠picas do cotidiano caboclo nas can√ß√Ķes que comp√Ķe. Um exemplo √© a m√ļsica “Amazon√™s“, que incorpora termos como maninha, leso, triscar e ralhava. As express√Ķes revelam a cultura do estado.

O modo de se expressar do amazonense tamb√©m invadiu as redes sociais e o cen√°rio humor√≠stico de Manaus. No Facebook, a comunidade “Eu falo amazon√™s” ultrapassou 65 mil curtidas.

Eu Falo Amazonês
Eu Falo Amazonês

No in√≠cio deste ano, o humorista Abdias teve mais de 900 mil visualiza√ß√Ķes em um v√≠deo postado no Youtube, com uma par√≥dia em vers√£o cabocla, do sucesso ‘Gangnam Style’, do coreano Psy.

De acordo com o dr. S√©rgio Freire, doutor em lingu√≠stica, a linguagem amazonense tem tr√™s influ√™ncias: a nordestina, a ind√≠gena e a portuguesa. Esta √ļltima √© heran√ßa dos colonizadores europeus que chegaram ao Amazonas na primeira metade do s√©culo 16.

“Temos a heran√ßa fonol√≥gica, dos sons do portugu√™s de Portugal, por isso que chiamos ao puxarmos o s. Tamb√©m recebemos influ√™ncia dos nordestinos, que vieram para c√° como soldados da borracha na d√©cada de 40. E, por fim, a influ√™ncia muito grande da linguagem ind√≠gena com suas express√Ķes. Nossa matriz oral vem da√≠, em maior ou menor grau”, explicou.

Em 2012, Freire lan√ßou a segunda edi√ß√£o de livro “Amazon√™s”, com express√Ķes regionais.

Confira alguns termos usados na obra liter√°ria: Aperrear; aporrinhar: chatear; At√© o tucupi: at√© o m√°ximo poss√≠vel; Banzeiro: pequena onda que se forma nos rios amaz√īnicos por causa do movimento dos Barcos semelhante √† onda do mar; Cortar: falar mal de algu√©m; Curumim: garoto, menino; Eita pau!/ eita porra!: express√£o de espanto, admira√ß√£o; Leseira bar√©: “abestalhamento” moment√Ęneo; Requenguelo: meio destru√≠do, decadente, malvestido, sujo; Se mancar: se tocar; Taberna: vendinha; Tacac√°: mingau quase l√≠quido de goma de tapioca temperado com tucupi, jambu, camar√£o e pimenta; Uarini: farinha amarela de gr√£os grandes.

Em outubro de 2012, Sérgio Freire lançou a 2ª edição do livro Amazonês (Foto: Arquivo Pessoal)
Em outubro de 2012, Sérgio Freire lançou a 2ª edição do livro Amazonês (Foto: Arquivo Pessoal)

Recentemente, ganhei de presente da minha irm√£, o Dicion√°rio Amaz√īnico de termos, abus√Ķes e verbetes!¬† Esse dicion√°rio foi escrito pelo (H)Eraldo Jeferson. Neste livro existem muitas palavras ind√≠genas que fazem parte do nosso voc√°bulo e nem nos damos conta, como por exemplo : Tucupi, Tapiri, Tipiti… E algumas express√Ķes bem legais, tipo : Sem qu√™ nem pra qu√™ (Sem motivo aparente).

Então, valorizem a lingua, é algo muito lindo, é algo cultural!  Existem vários artistas, vários escritores, vários livros que jogam com essa nossa peculiaridade.

Marcus Pessoa, com seu Dicion√°rio Amaz√īnico de termos, abus√Ķes e verbetes!
Marcus Pessoa com seu Dicion√°rio Amaz√īnico de termos, abus√Ķes e verbetes!

Coment√°rios