O Amazonês

30556

Cada vez mais deixamos de usar nossa rica l√≠ngua amazonense, express√Ķes que caem no esquecimento ou por pavulagem ou por pura piema de ensinar para os mirins. Uns ousam dizer que essas palavras s√£o do tempo do ronca sem ao mesmo saber o que isso significa.

Se conhece bem o amazon√™s ent√£o n√£o ter√° dificuldades de entender todas as express√Ķes dessa bolsa em amazon√™s. Entendeu do rocha ou tu √© s√≥ ag√°?

Bolsa Magrela em Amazonês
Bolsa Magrela em Amazonês

Express√Ķes e termos usados no Amazonas


O AUTOR

S√©rgio Augusto Freire de Souza √© amazonense de Manaus, professor da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Mestre em Letras pela pr√≥pria UFAM e Doutor em Ling√ľ√≠stica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Publicou dois livros. O primeiro, em co-autoria, foi a s√©rie Citizen 2000, pela Editora Novo Tempo. A s√©rie did√°tica foi utilizada por anos pelos alunos do ensino m√©dio da rede p√ļblica do Amazonas, tendo sido reformulada em 2004 e rebatizada de New Citizen. O segundo livro, Conhecendo An√°lise de Discurso: linguagem, sociedade e ideologia, apresenta uma introdu√ß√£o √† √°rea de An√°lise de Discurso e foi publicado pela Editora Valer.

O autor tem publicado artigos em v√°rios peri√≥dicos impressos e on-line e apresentado trabalho em encontros e congressos, al√©m de proferir palestras em v√°rias institui√ß√Ķes. Suas √°reas de interesse na lingu√≠stica s√£o a An√°lise de Discurso, Produ√ß√£o de Material Did√°tico, Aquisi√ß√£o de Linguagem e Inform√°tica e Ensino de L√≠nguas. Mais recentemente ampliou seu interesse por Gest√£o da Educa√ß√£o P√ļblica.

√Č casado com Fabiana Eid e pai de Ana Clara e de Marina. Em seu site pessoal (www.sergiofreire.com.br) podem ser encontradas mais informa√ß√Ķes e outros textos do autor, como suas cr√īnicas, muitas publicadas em jornais locais.

Já à venda nas livrarias Saraiva,Valer, Nobel e LUA.

Dicionário de Amazonês

A COMO? : Quanto custa?

A LA VONT√Č : Como queira.

A PERIGO: Sem dinheiro; estar h√° muito tempo sem manter rela√ß√Ķes sexuais.

A PR√ďPRIA: A tal, a boa, a melhor.

A PULSO: Forçado, obrigado, na marra.

A RETALHO: No varejo.

ABACABA; BACABA: Palmeira que dá frutos oleosos e comestíveis para vinho ou mingau; mentira.

ABACABEIRO; BACABEIRO: Mentiroso.

ABACATADA : Vitamina de abacate.

ABAFAR; ABISCOITAR: Apropriar-se de bens alheios, afanar.

ABANCAR-SE: Sentar.

ABARROTADO : Cheio demais.

ABESTADO; ABESTALHADO; ABIROBADO;ATULEIMADO;BOC√ď: Imbecil.

ABIO;ABIU: Fruto arredondado de casca amarela, polpa gelatinosa, transl√ļcida ou ligeiramente brancacenta, com sabor adocicado e de grande delicadeza. Encontrado em grande n√ļmero em estado silvestre na Amaz√īnia. Ap√≥s com√™-lo, os l√°bios ficam grudentos.

ABOBRINHA: Besteira, coisa sem import√Ęncia.

ABRIC√ď : Fruta de origem oriental do tamanho de uma manga grande, redondo, sabor √°cido-adocicado, lembra mesmo os abric√≥s do Oriente, de onde veio no s√©culo XVIII.

ABUSO : Nojo.

A√áA√ć : Palmeira altamente ornamental, de m√ļltiplos troncos de at√© 5 m de altura, levemente curva e apresentando ra√≠zes vis√≠veis na base, caule liso. Seus frutos nascem em cachos em n√ļmero de tr√™s a oito por planta. Sua freq√ľ√™ncia no Baixo Amazonas chega a tal ordem que produz popula√ß√Ķes homog√™neas. Sua regenera√ß√£o √© extraordinariamente grande mesmo sendo abatida vorazmente pela ind√ļstria de palmito. Floresce quase o ano inteiro, por√©m predominando de setembro a janeiro. A matura√ß√£o de seus frutos verifica-se durante a maior parte do ano, com maior intensidade nos meses de julho-dezembro. Altamente energ√©tico.

ACESUME; ATIRAMENTO; ENXERIMENTO: Assanhamento.

ACHAR GRAÇA Rir, sorrir.

ACHO √Č BOM! : Bem-feito!.

AÇO : Bebida alcoólica.

ACOCHAR : Agarrar algu√©m com inten√ß√Ķes sexuais; Cobrar.

ACOITAR: Encobrir namoro de um casal.

ACONTECIDO: Fato..

ACREANA: Mulher fogosa.

-AÇU : Sufixo de composição que significa de grande porte.

ACUAR: Recolher-se sem chance de defesa.

ACUNHAR: Envolver-se amorosamente.

ADUBAR: Bajular com alguma intenção.

AFOBADO: Apressado, impaciente.

AFOLOSADO: Frouxo, largo.

AFRONTADO: Satisfeito, cheio, empanzinado, empanturrado.

AG√Ā: Arranque, falso prop√≥sito.

AGARRO: Namorar despudoradamente.

AGONIADO: Nervoso, inquieto.

AGORINHA: Há pouquíssimo tempo.

AGUAP√Č: Vinho ralo, com adi√ß√£o de √°gua.

AJUNTAR: Apanhar o que est√° no ch√£o. .

AJUNTAR-SE; AMANCEBAR-SE; AMASIAR-SE; AMIGAR-SE: Viver junto,sem ser casado.

ALCOVITAR: Encobrir namoro de um casal.

ALCOVITEIRO; CUVITEIRO: Aquele que encobre um casal de namorados.

ALEGAR: Dar algo a alguém e depois humilhá-lo.

ALGUIDAR : Vaso de barro ou de metal, baixo, em forma de tronco de cone invertido, e com diversos usos domésticos, inclusive armazenagem e na fabricação do tucupi.

ALMENO: Pelo menos.

ALOC√Č: Distra√≠do.

ALOPRADO: Exagerado.

ALPERCATA: Sand√°lia.

ALTEAR: Aumentar o volume.

ALU√Ā: Bebida fermentada, feita a partir do arroz, do milho ou do abacaxi.

ALUADO: Chateado, emburrado.

ALUMIAR: Iluminar.

AMARELO EMPOMBADO: Indivíduo fraco, de aparência frágil.

AMO-DO-BOI: Cantador de toada no Boi-Bumb√°.

AMUADO: Emburrado, mal-humorado.

ANDAR NA PINDA√ćBA; DURO; LISO: Sem dinheiro.

ANDIROBA: √Ārvore cuja madeira √© resistente e da qual se extrai o √≥leo (cruz-de-andiroba, carma pesado).

ANEL DE COURO;TOBA: Cu.

ANGU : Confus√£o.

ANHANG√Ā : Diabo, esp√≠rito do mal.

APARAR : Cortar; pegar o papagaio no ar, após cortar.

APERREADO: Apressado, muito nervoso, sem saber o que fazer diante de uma situação difícil.

APERREAR; APORRINHAR: Chatear.

APLUMAR : Arrumar.

APODERAR-SE: Apossar-se de algo sem permiss√£o.

APOFIAR: Apostar.

APRESENTADO: Metido a besta.

APROCHEGAR-SE: Aproximar-se.

ARA√á√Ā-BOI: Fruta com cheiro adocicado . Com sua polpa amarelada √© poss√≠vel preparar sucos e doces deliciosos. O ara√ß√°-boi √© da mesma fam√≠lia da goiaba e frutifica precocemente, j√° aos dois anos. As sementes apresentam dorm√™ncia natural, demorando v√°rias semanas para germinar.

ARAPUCA: Armadilha para ca√ßar feita de madeira, em forma de pir√Ęmide.

ARDOROSO: Ardido.

ARENGAR: Implicar, brigar..

ARIAR: Lavar a louça com palha de aço ou areia.

ARIG√ď: Cearense.

ARISCA : Pessoa difícil de envolver nos planos.“

ARMADOR: Gancho para pendurar a rede de dormir.

ARMAR: Paquerar.

ARRAIAL: Comércio de comidas típicas e atividades sócio-culturais para promover um evento ou uma causa.

ARRANCA-TOCO: Valent√£o.

ARRANQUE; GOG√ď: Blefe..

ARRASTAR ASA: Paquerar, dar em cima de alguém.

ARREDAR: Deslocar-se, mover-se para o lado para abrir espaço.

ARREGAÇAR: Detonar, destruir.

ARREMEDAR: Imitar jocosamente.

ARRENTE: A gente, nós..

ARRIAR: P√īr uma carga pesada no ch√£o.

ARROMBADO: Muito bom.

ARRUDEAR: Dar a volta.

ARRUMAÇÃO: Invenção desnecessária.

ARU√Ā : Ing√™nuo.

ASA DURA: Avi√£o.

ASSANHAR: Bagunçar, despentear o cabelo; mexer com o que está quieto.

ASSEAR: Limpar, tomar banho.

ASSUNTAR: Ficar atento à conversa alheia.

ATAR: Pendurar a rede de dormir no armador..

ATARRANCADO: Sujeito baixo, forte e maceta.

AT√Č O TUCUPI;AT√Č O TALO;AT√Č O TOCO;AT√Č O TCHOCO: At√© o m√°ximo poss√≠vel.

AT√Č PARECE: Indica d√ļvida, incredulidade.

ATENTADO: Muito danado, inquieto, levado.

ATENTAR: Perturbar.

ATOCHAR; Fazer entrar à força, encher demais.

ATOLADO: Em dificuldades.

ATR√ĀS DE :Em busca de, √† procura de.

AVALIE :Quanto mais.

AVIAR: Apressar.

AVOADO: Disperso, desconcentrado..

AZARAR Ficar, namorar, paquerar.

AZUNHAR Arranhar com as unhas.

BABÃO; BABA-OVO: Puxa-saco.

BABAU; SABACU: Puni√ß√£o que um grupo confere a algu√©m por um malfeito. Todos batem com as m√£os, ao mesmo tempo, na cabe√ßa do indiv√≠duo. ‚ÄúFez besteira. Vai levar um babau por isso!‚ÄĚ .Preju√≠zo total, perda irrecuper√°vel de alguma coisa.

BABITA: Dinheiro.

BABUGEM : Resto de comida.

BACIO: Penico.

BACULEJO: Batida policial com revista geral.

BACURAU: P√°ssaro noturno.

BACURI : Fruta de polpa branco-amarelada e perfumada que oferece um dos sabores mais sutis e originais da Amaz√īnia. Dificilmente encontr√°vel in natura fora da regi√£o, mas encontr√°vel em polpa em conserva para sucos e do√ßaria. Porquinho pequeno. Menino.

BAFAF√Ā; BADERNA; ROLO: Confus√£o.

BAGACEIRA: Noitada.

BAIACU: Pessoa gorda.

BAIÃO-DE-DOIS : Arroz e feijão-de-praia com peixe frito.

BAITOLA; BOIOLA: Viado.

BAIXA-DA-√ČGUA: Lugar para onde se manda quem est√° chateando. Lugar distante.

BAIXAR O SARRAFO: Açoitar violentamente, surrar.

BAJARA: Canoa.

BALA DA VIDA: Muito chateado.

BALA: Bombom. Guloseima de confeitaria, em geral de chocolate, contendo, às vezes, recheio de cupuaçu ou castanha.

BALADEIRA: Estilingue feito com forquilhas de goiabeira e tiras de borracha de c√Ęmara de ar. ‚Äú Rede de dormir.

BALDEAR : Lavar algo usando um balde para transportar a √°gua. Vomitar.

BALSA : Embarcação de aço que serve para fazer a travessia de um lado a outro do rio.

BANDAR : Dividir ao meio.

BANHO: Balne√°rio.

BANHO TECHO: Banho rápido, em que só se lava as partes íntimas.

BANHO-DE-CUIA: Gíria futebolística: lençol, situação em que o jogador, com um leve toque, passa a bola sobre o corpo do adversário e pega do outro lado. Banho com o auxílio de uma cuia feita de cabaça-do-mato (árvore que produz cabaças).

BANZEIRO: Pequena onda que se forma nos rios amaz√īnicos por causa do movimento dos barcos semelhante √† onda do mar.

BAQUE: Jeito.

BAQUEADO: Doente, fora do normal.

BAR DO BOI: Festa organizada pelos bumbas em Manaus para arrecadar dinheiro para o Festival de Parintins.

BARCA : O povo, todo mundo.

BARGUILHA: Braguilha, zíper.

BARRA-BANDEIRA: Brincadeira infantil em que dois grupos disputam uma bandeira ou outro objeto.

BATE-BOCA : Discuss√£o acalorada.

BATE-FOFO; FURÃO: Aquele que falta a um compromisso ou não cumpre um acordo.

BATELÃO: Barco de madeira para transporte de passageiros e cargas.

BATENDO BIELA: Com defeito; exausto.

BATER √Ä M√ĀQUINA: Datilografar.

BATER CAIXINHA : Ajudar alguém a conquistar uma pessoa.

BATER PERNA: Andar muito.

BATOR√Č: Baixinho.

BEIJU: Biscoito chato, leve e fino feito com a massa da mandioca.

BEIRADEIRO: Habitante das margens do rio.

BEM-FEITA: Diz-se da pessoa com um corpo bonito.

BEM-MANDADO: Obediente, submisso, disciplinado.

BENÇA: Bênção.

BENZEDURA: Modo de curar ‚Äúquebranto‚ÄĚ ou ‚Äúmau-olhados‚ÄĚ atrav√©s de ora√ß√Ķes.

BERADEIRO;BEIRADÃO: Gente do interior.

BERIMBELO: Objeto que não tem nome e que balança.

BIBOCA : Lugar esquisito, de difícil acesso.

BICÃO : Penetra.

BICHEIRA: Ferida causada pelo parasitismo de insetos.

BICHEIRENTO : Sujeito a bicheiras.

BICHO: Animal ; muito bom.

BICO: Serviço temporário informal.

BICUDO: Amuado, zangado.

BILHA: Objeto de barro feito para guardar √°gua.

BILORA;PASSAMENTO: Desmaio, mal-estar.

BILOTO : Botão. Saliência carnosa, verruga.

BIQUEIRA: Próximo, perto de.

BIRIBUTES: Coisas penduradas.

BIRRENTO: Aquele que implica à-toa com outras pessoas.

BOB√ď: Carne do pulm√£o de boi.

BODADO: Com muito sono, cansado. Bêbado. Chateado.

BOD√ď: Peixe cascudo, bom para caldeirada.

BODOZAL: Bairro pobre, periferia.

BOI : Festa realizada em Parintins em que se enfrentam dois bois, o Garantido (Vermelho) e o Caprichoso (Azul). Em Manaus, nos meses que antecedem o Festival, que acontece no fim de junho, h√° os ensaios conhecidos como Currais do Boi.

BOITAT√Ā: Mito amaz√īnico cujo nome significa ‚Äúcoisa de fogo‚ÄĚ, em tupi. O Boitat√° √© um g√™nio protetor dos campos: mata quem os destr√≥i, pelo fogo ou pelo medo. Aparece sob a forma de enorme serpente de fogo, na realidade o fogo-f√°tuo, ou santelmo, do qual emana fosfato de hidrog√™nio pela decomposi√ß√£o de subst√Ęncias animais.

BOI√öNA : Mito amaz√īnico da Cobra Grande. Entidade escura, em forma de uma sucuri, que faz virar as embarca√ß√Ķes e engole pessoas.

BOLA : Rotatória,balão,retorno.

BOLADA : Usado para referir-se ao fato de um papagaio (pipa) enroscar-se em outro.

BOLE-BOLE : Brinquedo com uma pedra amarrada na extremidade de uma linha, com o qual se disputa com o advers√°rio para ver quem consegue romper a linha do outro.

BOLO PODRE: Bolo feito de mandioca ralada.

BOMBOM: Pequena guloseima de consist√™ncia firme, feita com calda de a√ß√ļcar aromatizada e acrescida de corantes, ou de ingredientes com sabores diversos.

BONITO PRA TUA CARA! : Usado no sentido de ‚ÄúTu n√£o tens vergonha do que fizeste, n√£o?‚ÄĚ

BORA: Vamos.

BORA VER: Seja o que Deus quiser.

BORBOLETA : Catraca de √īnibus, de cinema etc..

BORDUNA: Cassetete.

BORIMBORA: Vamos embora.

BOTAR BANCA: Se fazer de importante.

BOTIJA : Botij√£o de g√°s.

BOTO: Cet√°ceo dos rios amaz√īnicos. Conhecido por lendas que dizem ser o ‚Äúboto‚ÄĚ o respons√°vel pela gravidez das garotas ribeirinhas. Express√£o usada quando n√£o se conhece o sujeito de uma a√ß√£o: ‚ÄúFoi o boto‚Ķ‚ÄĚ.

BRABO: Valente, muito forte.

BREAR: Colar.

BRECHA : Chance.

BRECHAR: Olhar pela brecha, espionar.

BRECHEIRO: Quem gosta de brechar. Voyeur.

BREGUEÇO: Objeto imprestável ou de uso duvidoso.

BRIBA : Pequena lagartixa caseira.

BRINCANTE: Foli√£o do Boi-Bumb√°.

BROCA: Fome. .

BROCADO: Pessoa com fome.

BRONHA: Punheta.

BUCHO: Vísceras de peixe, mamíferos e répteis. Mulher feia.

BUCHUDA: Gr√°vida.

BUFA: Peido silencioso.

BUFUNFA : Dinheiro, grana.

BULIADO: Arredondado.

BULUFAS: Coisa nenhuma.

BURITI : O buritizeiro √© uma das mais vistosas e bonitas palmeiras da flora amaz√īnica. Uma planta adulta chega a produzir mais de 600 frutos em cada cacho. Os frutos s√£o colocados de molho por 4 horas pra soltarem a pel√≠cula cor-de-vinho que os envolve e ent√£o a polpa, de colora√ß√£o amarela, pode ser utilizada para a confec√ß√£o do ‚Äúvinho de buriti‚ÄĚ, bebida altamente energ√©tica. Com a polpa prepara-se tamb√©m sorvetes e doces.

CABA: Espécie de vespa cuja ferroada produz dor e febre.

CABAÇA: Recipiente usado para armazenar ou transportar água.

CABAÇO: Hímen.

CABAÇUDA: Virgem.

CABEÇA-DURA: Teimoso, que ninguém consegue fazer mudar de opinião.

CABIDELA: Cozido de galinha feito com o sangue da ave, dissolvido em vinagre.

CABIMENTO: Sentido..

CABOCA: Mulher.

CABOCÃO: Alguém que não se comporta direito.

CABOCO: Homem.

CABREIRO: Desconfiado. .

CABROCHA : Mulher de raça cruzada e cabelos lisos.

CACARECO: Coisa velha.

CACETE (ê): Maçante, importuno.

CACHINGAR: Puxar de uma perna.

CACHOLA: Cabeça.

CACHULETA;PLETS: Peteleco dado com o dedo na orelha de alguém.

CACIMBA: Poço de pouca profundidade, em que a água mina de uma fonte próxima.

CACOETE: Mania.

CACURI : Armadilha de pesca.

CADÊ:; QUEDE?: Onde está?

CADILHO: Tigela que recebe a seiva da seringueira.

CADUCAR: Acariciar criança nova com carinho.

CAGADO: Sortudo.

CAGAR O PAU: Fazer algo mal- feito, estragar tudo, colocar alguma coisa a perder, dar mancada.

CAGA-RAIVA: Neurastênico, estourado.

CAIR NA BURAQUEIRA: Cair na gandaia, ir para a farra.

CAIR PRA TR√ĀS: Ficar perplexo e surpreso.

CAITITU: Pequeno porco-do-mato. Peça principal do aparelho de ralar mandioca: um cilindro de madeira ao longo do qual se adaptam serrilhas metálicas, com uma das extremidades conformada em roldana de gorne para a passagem da correia ou corda que imprime a rotação; rodete.

CAIXA-PREGO: Lugar distante.

CAJ√Ā;TABEREB√Ā : Fruta tropical, arom√°tica, muito suculenta, de sabor acido-adocicado pronunciado, pr√≥pria para refrescos, caipirinhas, confeitaria.

CALAFATE: Profissional que veda ou fabrica embarca√ß√Ķes de madeira.

CALAFETAR: Vedar com estopa alcatroada as junturas, buracos ou fendas de uma embarcação.

CALDEIRADA: Prato regional feito com peixe, ervas, legumes, temperos e condimentos.

CALDO DE CARIDADE: Caldo feito com farinha branca, ovos, pimenta-do-reino e sal para dar sustança ou tirar ressaca.

CALIBRADO: Embriagado, turbinado.

CALOMBO;CATOMBO: Galo, protuber√Ęncia inflamada, hematoma.

CALUNDU: Mau-humor, zanga.

CAMARADA: Pessoa, cara.

CAMBADA: Bando.

CAMBOTA: Pessoa que tem os pés para dentro ou as pernas arqueadas.

CAMIRANGA: Urubu.

CAMISA DE MEIA: Blusa de malha.

CAMU-CAMU: Arbusto de pequeno porte, podendo atingir at√© tr√™s metros de altura, caule com casca lisa. Folhas avermelhadas quando jovens e verdes posteriormente, lisas e brilhantes. Flores brancas, arom√°ticas, aglomeradas em grupos de tr√™s a quatro. O fruto √© arredondado, de colora√ß√£o avermelhada quando jovem e roxo-escura quando maduro. Polpa aquosa envolvendo a semente de colora√ß√£o esverdeada. Frutifica de novembro a mar√ßo. Aparece predominantemente ao longo das margens de rios e lagos, com a parte inferior do caule freq√ľentemente submersa.

CANARANA: Capim de beira de rio ou lago.

CANCELA: Portão simples, geralmente com um pedaço de madeira que sobe e desce.

CANDIRU: Peixe que se entranha nos orifícios humanos, erigindo as espinhas nas suas guelras e de lá saindo só após muito esforço ou ação de bisturi.

CANGAP√Č: Brinquedo feito com um peda√ßo de cabo de vassoura e um prego com a cabe√ßa lixada no asfalto na ponta que se joga no barro como um dardo.

CANGOTE: Parte posterior do pescoço.

CANGULA : Desengonçado . Pipa torta.

CANHÃO : Mulher feia.

CANOA: Embarcação para transporte nos rios.

CANOEIRO: Quem faz ou comanda a canoa no rio.

CANTO: Esquina.

CAPACHO: Pessoal servil.

CAPAR O GATO: Ir embora, sair.

CAPAZ! : Até parece!

CAPINA! LAVA! SACA! : Cai fora!

CAPITÃO: Bolinho de comida amassada,que é comido com a mão.

CAPOTE: Vencer num jogo com grande margem.

CAPRICHOSO: Boi-bumb√° de Parintins. O Azul.

CAQUEADO: Um jeito especial de fazer alguma coisa, know-how.

CARA DE TACHO: Desapontado.

CARA-DURA: Na cara-de-pau.

CARAMBOLA : Fruta de sabor agridoce, cor variando do verde ao amarelo, dependendo do grau de matura√ß√£o, rica em sais minerais (c√°lcio, f√≥sforo e ferro) e contendo vitaminas A , C e do complexo B, a carambola √© considerada uma fruta febr√≠fuga (que serve para combater a febre), antiescorb√ļtica (que serve para curar a doen√ßa escorbuto -car√™ncia de vitamina C, e que se caracteriza pela tend√™ncia a hemorragias) e, devido √† grande quantidade de √°cido ox√°lico, estimulador do apetite, sendo ainda usada pela medicina popular no tratamento de afec√ß√Ķes renais. Seu suco, al√©m de possuir um delicioso sabor, √© usado para tirar manchas de ferro, de tintas e ainda limpar metais. Sua casca, por possuir alto teor de tanino, cujo poder adstringente pode prender o intestino, √© utilizada como anti-desint√©rico.

CARAMINGU√Ā: Dinheiro mi√ļdo.

CARÃO: Esporro, bronca.

CARAPANÃ: Pernilongo.

CARIT√ď: Lugar onde ficam as solteironas.

CARNE DE TET√ČU: Qualquer alimento n√£o macio, que foi pouco cozido. Pessoa dif√≠cil, travosa.

CARNE MAGOADA: M√ļsculo dolorido.

CARNEG√ÉO: O olho do fur√ļnculo.

CARREGAR: Roubar.

CARTAR: Exibir-se, ostentando arrog√Ęncia. .

CARTAZ: Renome, fama, notoriedade.

CARTEIRA: Mesa escolar.. Maço de cigarros.

CASA DO SEM JEITO: Caso perdido.

CASCALHO: Beiju.

CASCAVIAR: Procurar a fundo.

CASCUDO;COCOROTE;COQUE: Forte pancada na cabeça de alguém (quase sempre em crianças), com o dedo médio dobrado.

CASQUETA: Pequeno papagaio (pipa).

CASQUINHA: Proveito, no sentido sexual.

CATAR,TIRAR PIOLHO: Movimentar a pipa para cima e para baixo até que ele suba até a altura que se deseja.

CATARACA: Meleca.

CATINGA: Cheiro forte..

CATINGAR: Feder.

CATRAIA: Pequena embarcação usada para fazer travessia em riachos urbanos.

CAUXI : Planta esponjosa que causa coceira.

CEMIT√ČRIO: Jogo de queimada.

CERCA-LOURENÇO: Conversa mole, falar sem ir direto ao assunto..

CEROL: Vidro moído aplicado com cola nas linhas dos papagaios com o intuito de cortar o adversário.

CEROTO: Ac√ļmulo de sujeira na pele por falta de banho.

CHAGÃO;DRIBLE DA VACA: Drible rápido e desconcertante no futebol.

CHAPADO: Cheirando mal por falta de desodorante ou de banho. Bêbado ou drogado.

CHECHO: Calote.

CHEGA EU… :Que eu até.

CHEIO DE CAQUEADO: Cheio de invenção, cheio de presepada,coisa desnecessária.

CHEIRO-VERDE: Maço de coentro e cebolinha.

CHIBATA;MACETA;PORRETA: Coisa muito boa.

CHIB√Č: Mistura de farinha, √°gua e a√ß√ļcar.

CHILIQUE : Histeria em p√ļblico.

CHINFRA: Sujeito afetado, metido a gostoso.

CHIRRADO: Bêbado.

CHISPAR: Fugir, correr.

CHOVE-NÃO-MOLHA : Indecisão.

CIPOADA : Chibatada com cipó.

CISMADO: Desconfiado.

COBRINHA: Fila.

COÇA :P ISA;PEIA;CIPOADA: SURRA .

COCORUTO: O alto da cabeça.

COLHER (√ī): Recolher a linha quando se est√° empinando papagaio.

COLORAU: Pó vermelho feito de urucum para dor cor à comida.

COM BORRA E TUDO: Com tudo. Express√£o de exagero e alopro.

COMBUSTOL: √ďleo diesel.

COMER ABIO/ABIU: Ficar calado quando a situação é inconveniente ou desagradável.

COMER COQUINHO: Ficar burro.

COMO J√Ā ENT√ÉO?!: Express√£o de espanto.

CONTR√ĀRIO: Denomina√ß√£o dada ao boi advers√°rio e a seus torcedores no Festival de Parintins.

COPA√ćBA: √Ārvore da qual se extrai um √≥leo com propriedades medicinais. A copa√≠ba fornece o b√°lsamo ou √≥leo de copa√≠ba, um l√≠quido transparente e terap√™utico, que √© a seiva extra√≠da mediante a aplica√ß√£o de furos no tronco da √°rvore at√© atingir o cerne. O √≥leo da copa√≠ba √© um l√≠quido transparente, viscoso e fluido, de sabor amargo com uma cor entre amarelo at√© marrom claro dourado. O uso mais comum √© o medicinal, sendo empregado como anti-inflamat√≥rio natural. Pelas propriedades qu√≠micas e medicinais, o √≥leo de copa√≠ba √© bastante procurado nos mercados regional, nacional e internacional.

COROCA; CADUCO: Idoso.

CORONEL-DE-BARRANCO: Homem que manda na regi√£o.

CORTAR A CURICA: Matar a intenção no nascedouro.

CORTAR E APARAR: Humilhar ou diminuir de certa forma.

CORTAR: Falar mal de alguém.

CORTE;FAZENDA: Pedaço de tecido para fazer roupa.

COSCA : Cócega. .

COT√ď: Faltando um peda√ßo.

COT√ĒCO: Gesto de xingamento que envolve fechar a m√£o e esticar o dedo m√©dio.

COURO DE PICA: Express√£o que indica alguma coisa que n√£o se resolve, n√£o ata nem desata.

COURO QUENTE: Surrado.

CRENTE QUE T√Ā ABAFANDO: Express√£o que indica que algu√©m acha que est√° chamando a aten√ß√£o e n√£o est√°.

CRICRI: Pessoa muito chata.

CRUVIANA : Ventinho forte na madrugada, mesmo em noites quentes.

CRUZETA;GANCHO: Cabide. Falcatrua.

CU DOCE: Pessoa que se faz de muito difícil, gente besta, pedante.

CU√ć: Farinha seca peneirada.

CUIA: Fruta cuja casca dura serve de recipiente para líquidos.

CUIDAR: Apressar-se.

CUIRÃO; CURUMIM: Menino.

CUNHÃ: Mulher.

CUNHANTÃ: Garota.

CUNHÃ-PORANGA: Mulher bonita. Parte do imaginário do Boi-bumbá de Parintins.

CUPUA√áU: As sementes de cupua√ßu, por seu alto teor de gordura, prestam-se √† fabrica√ß√£o de chocolate e j√° foram utilizadas para esse fim, em lugar das sementes de cacau. Por esse emprego, o cupua√ßu recebeu no passado nomes como Cacau-do-Peru e Cacau-de-Caracas. Pertencente √† fam√≠lia das esterculi√°ceas e ao mesmo g√™nero do cacau-verdadeiro, o cupua√ßu √© uma √°rvore de porte m√©dio, nativa da Amaz√īnia, que passou a ser cultivada em quase todo o Brasil, exceto no Sul. Os galhos s√£o longos e grossos, mas flex√≠veis. As folhas, muito grandes, chegam √†s vezes a 50 cm de comprimento. √Č comum encontrar o suco e o creme de cupua√ßu.

CURERA: A massa de mandioca mole que, ao sair do espremedor (tipiti), por ser dura e embolada, n√£o foi coada. √Č impr√≥pria para a fabrica√ß√£o da farinha. Alguns aproveitam para fazer mingau.

CURIAR: Bisbilhotar, xeretar.

CURIBOCA : Mestiço de branco com índio.

CURICA: Espécie de papagaio (pipa) pequeno e sem tala (palitos da armação).

CURIMATÃ; PAPA-TERRA: Peixe que se nutre de vegetais e lodo.

CURITE; DIN-DIN;FLAU; TOT√ď;VIP;MIAU: Suco congelado no saquinho.

CURRIOLA: Turma de amigos.

CURUBA: Ferida.

CURUMIM: Garoto, menino.

CURUPIRA: Ser fantástico que, segundo a crença popular, habita as florestas e é o protetor das plantas e dos animais. Referido desde o século XVI, o Curupira é descrito como tendo a estatura de um menino, pele escura e os pés ao contrário, isto é, com os calcanhares para frente; suas pegadas enganam os caçadores e seringueiros, que se perdem nas florestas. O curupira também faz as pessoas se perderam imitando gritos humanos. Para não serem incomodados, os seringueiros e caçadores, adaptando um costume indígena, fazem oferendas de pinga e fumo.

CUSPIR: Espanar a rosca, o parafuso.

CUTUCAR: Bater, tocar com a ponta de qualquer objeto.

CUV√ÉO : Buraco feito no ch√£o para que se possa p√īr lixo e aterrar.

DADAU;GAGAU: Mingau de mamadeira.

DADO: Alguém de fácil trato.

DANADO: Endiabrado, mal-comportado.

DANÇA DE RATO E SAPATEADO DE CATITA Enrolar, postergar algo.

DAR A CARA A BOFETE: Apostar..

DAR AS CARAS: Aparecer.

DAR BOLO EM CATITA: Ser esperto.

DAR CABO: Dar sumiço.

DAR CORDA: Dar confiança.

DAR DE…: Começar a…

DAR DE COM FORÇA: Atacar.

DAR DE MIL: Ser muito superior.

DAR F√Č : Dar-se conta.

DAR NO PIRA; SE MANDAR: Ir embora.

DAR O BALÃO: Fazer o retorno com o automóvel.

DAR O BIZU: Avisar.

DAR O GRAU: Fazer bem-feito, caprichar, arrumar, dar o toque final.

DAR O MAIOR VALOR: Gostar muito.

DAR O PINO: Sair sem pagar a conta.

DAR PREGO: Quebrar, escangalhar, enguiçar.

DAR SINAL: Dar seta no carro, indicando que vai fazer a curva. Mandar notícia.

DAR TRELA; DAR CORDA: Dar atenção, dar confiança.

DAR UM CHAGÃO: Esquivar-se.

DAR UM PULO: Ir rapidinho em um lugar.

DAR UMA CARREIRA: Correr.

DE BODE: Menstruada.

DE COCA: De cócoras.

DE COM BORRA; DE COM FORÇA: Expressa intensidade.

DE LASCAR: Indica algo ruim em intensidade.

DE LAVADA: Com grande vantagem.

DE MALA E CUIA: Transferir-se para outro lugar com todos os pertences.

DE MUTUCA: Ligado na conversa alheia, de ouvidos bem atentos.

DE PIRUADA: Distribuir alguma coisa jogando para o alto, estilo quem pegar, pegou.

DE PRIMEIRO: Antigamente, antes.

DE REPENTE: Indica um curto espaço de tempo.

DE ROCHA: Com certeza.

DE VEZ: Fruta quase madura. Pra sempre.

DEBOCHAR: Escarnecer, zombar.

DEDADA: Ato de cutucar a bunda de alguém com o dedo.

DENGO: Faceirice.

DENTRO DA GARAGEM: No rego da bunda.

DERRADEIRO: O √ļltimo.

DESBOCADA: Que fala muito palavr√£o.

DESCABAÇAR: Desvirginar.

DESCAIR: Soltar a linha quando se est√° empinando papagaio.

DESCANSAR: Ter neném, parir.

DESCAPELAR Cair a pele.

DESCARADO: Cara-de-pau, cínico.

DESCARGA: Escapamento de moto.

DESCONFORME: Grande, demais, em excesso.

DESCULPA ESFARRAPADA: Desculpa mal- fundamentada.

DESEMBESTADO: Descontrolado.

DESMENTIR: Deslocar, luxar, desconjuntar, destroncar.

DESMILINGÜIDO: Sem graça, desarrumado, desajeitado.

DESONERADO: Com diarréia.

DESPLANAVIADO: Desatento, desmotivado..

DESTROCAR: Trocar o dinheiro em notas menores.

DISQUE: Contração de diz-se que. Consta-se, conta-se,ao que parece.

DISTIORADO: Deteriorado, acabado.

DJ√öCU: Caboco.

DO MEU TOP: Do meu tamanho, da minha altura.

DO TEMPO DO RONCA: Muito velho.

DO TRISCA: Sensível.

DOR DE VEADO: Dor desviada. Cólica no baço.

DOS BRINCA: De brincadeira, apostar sem valer.

DOS VERA: De verdade.

DRAGA: Comil√£o.

‚Ķ√Č APELIDO: √Č pouco.

…E MEIA!: Mais do que..
.
E EU L√Ā SABIA? :Express√£o para eximir-se de culpa.

√Č FOGO!: Muito bom ou muito ruim.

E OLHE OLHE! :E olhe l√°.

Ê, CAROÇO!: Usada quando alguém se safa por pouco de uma situação complicada.

√ČGUA! : Interjei√ß√£o que pode ser usado em v√°rias situa√ß√Ķes: susto,n√£o-compreens√£o de algo; situa√ß√£o estapaf√ļrdia. A entona√ß√£o faz parte do sentido.

EITA PAU! ;EITA PORRA! Expressão de espanto, admiração.

EMBANANADO: Atrapalhado. .

EMBIOCAR: Descer. Cair o papagaio em parafuso.

EMBORCAR: Virar de ponta a cabeça. .

EMBRENHAR: Meter-se no meio de.

EMBU√Ā: Piolho-de-cobra.

EMPACHADO; EMPANZINADO : Cheio, estufado.

EMPAIAR: Atrasar.

EMPATA-FODA: Pessoa que atrapalha os planos dos outros.

EMPERIQUITADO Enfeitado, arrumado.

EMPINAR: Fazer subir.

EMPINGE; IMPINGE; PIRA: Mancha no corpo. Micose.

EMPOLADO: Cheio de calombos, caroços, com a pele irritada.

EMPOMBADO: Cheio de orgulho.

ENCANGADA: Pessoa que anda agarrada com outra o tempo todo.

ENCASQUETADO: Impressionado.

ENCOSTO: Pessoa pegajosa.

ENCRUADO : Travado, trancado, que n√£o anda ou n√£o cresce.

ENFEZADO: Chateado.

ENFIADA: Quantidade de peixe vendida junta num fio.

ENGANCHAR: Engatar.

ENGILHADO: Enrugado.

ENG√úIAR: Ter √Ęnsia de v√īmito.

ENJOADO: Metido a besta.

ENTÃO PRONTO!: Expressão que indica fim de argumentação.

ENTOJO: Enj√īo, nojo.

ENXERIDO: Intrometido.

ENXERIMENTO: Intromiss√£o, atrevimento, gabolice.

ENXERIR: Meter-se. Aparecer.

ERAS…: Usado para momentos de perplexidade.

√ČRASTE, MANINHO! : Express√£o de surpresa.

ERRADO: Embaraçado, sem jeito.

ESBANDALHAR: Quebrar.

ESCABREADO: Desconfiado.

ESCALADO: Aquele que foi convidado.

ESCALDADO: Esperto.

ESCAMBAU: E o resto. Expressão de indignação.

ESCANCARAR: Abrir o jogo,falar ou agir às claras.

ESCANGALHADO; ESCULHAMBADO: Quebrado, sem funcionamento.

ESCROTO:‚Äď Malvado, chato. Quando falada arrastada, a palavra tem sentido positivo, de elogio, de algo ou algu√©m muito bom.

ESCULACHO: Esporro, bronca,esculhambação, ralho.

ESGALAMIDO: Guloso, comil√£o.

ESPAÇOSO; ESTICADO: Confiado, enxerido, atrevido, petulante, pessoa invasiva.
.
ESPAGUETE: Esticado.

ESPIA S√ď!: Interjei√ß√£o que antecede algum comunicado. Usada para chamar a aten√ß√£o do interlocutor.

ESPIAR: Olhar.

ESPOCAR DE RIR: Rir at√© n√£o ag√ľentar, rir muito.

ESPOCAR: Estourar, arrebentar com ruído, estalar.

ESPORA: Pessoa ruim, malvada ou insensível.

ESTAQUEADO: Cabelo repicado.

ESTE UM: Modo de se referir a alguém cujo nome é desconhecido ou que se quer denotar desprezo.

ESTIRÃO: Caminho cumprido.

ESTOFADO: Sof√°.

ESTREPAR: Ferir, se dar mal.

ESTROMPADO: Aloprado.

EXTRATO: Perfume.

FACADA: Pedido de dinheiro.

FACHO: Animação.

FACULT√ĀRIO: Quem faz faculdade.

FALAR DE BARRIGA CHEIA: Falar sem raz√£o.

FALSIPAR: Mal√°ria muito violenta.

FANTA: Sem graça, fraco.

FARDA: Uniforme.

FARINHA: Raiz da mandioca triturada e secada até fazer grão ou farinha grosseira.Come-se com tudo.

FARINHA-D‚Äô√ĀGUA: Tipo de farinha fina.

FAROFA: Farinha preparada com manteiga, gordura ou, às vezes, ovos.

FAROFA-DO-CASCO: Farinha-d’água assada no casco da tartaruga após a retirada dos ovos, vísceras e carne.

FAROFEIRO: Contador de histórias.

FAZER A CAVEIRA Falar mal de alguém.

FAZER HORA: Passar o tempo.

FAZER INFERNO: Fofocar, fuxicar.

FAZER MAL: Desvirginar uma moça.

FAZER MEUÃ: Fazer careta, cara feia, geralmente para intimidar.

FAZER PEZINHO: Fazer embaixadinhas.

FECHICLER : Zíper, fecho éclair.

FEZ FOI √Č: O que ele/ela fez foi.

FÊMEA: Mulher, especialmente disponível para o sexo.

FERRADO: Sujeito que se deu ou vai se dar mal de alguma forma.

FERRO DE ENGOMAR: Esquina com bifurcação triangular.

FICAR DE BUBUIA; FICAR NA PORRONCA: Ficar sem fazer nada, ficar flutuando na √°gua.

FICAR DE MAL: Ficar sem falar com alguém.

FICAR SENTIDO: Magoar-se.

FIL√Č: Pessoa bonita, desej√°vel.

FILHO DE UMA √ČGUA: Xingamento.

FININHA : Diarréia.

FLECHAR: Ato de catar o papagaio em linha reta.

FOFOBIRA: Coceira na vagina.

FOI MAL! : Utilizada para pedir desculpas por algo n√£o intencional.

FOI?: Pergunta que pede confirmação devido a certa incredulidade.

FOL√ď; FOLOTE: Frouxo. .

FOMINHA: Egoísta.

FONAS! :Utilizada no jogo de bola de gude. Quando o sujeito quer ser o √ļltimo a jogar, grita: ‚ÄúFonas!‚ÄĚ

FORA A PARTE: A mais, em separado.

FORMAR: Menstruar pela primeira vez.‚ÄĚ

FORROBOD√ď: Encontro para dan√ßar. .

FRESCAR: Encher a paciência, encher o saco.

FUÇA : Rosto, cara.

FUÇAR: Mexer, tirar de ordem.

FULEIRAGEM: Porcaria, coisa ruim.

FULEIRO : Ordin√°rio, ruim. Pessoa muito irreverente, brincalhona‚ÄĚ.

FURO: Comunicação natural entre dois rios ou um rio e um lago. Transitável em época de cheia.

FURRECA: Coisa sem valor.

FURUNFAR: Transar.

FUTRICAR: Mexer, investigar, fazer confus√£o.

FUXICAR: Fofocar.

FUXIQUEIRO: Fofoqueiro.

GABOLA: Esnobe.

GABOLICE: Orgulho besta.

GAITADA: Risada.

GALA: Esperma.

GALALAU: Menino ou rapaz muito alto.

GALERA: Grupo de maus elementos que atacam em bando. Também significa a torcida do Boi-Bumbá de Parintins.

GALEROSO: Membro de galera.

GAMBÃO; MEGANHA: Soldado, militar.

GAMBIARRA; GATILHO: Remendo, serviço improvisado.

GAMBITO: Perna fina.

GANHAR O MUNDO Sair para passear.

GARANTIDO: Boi-Bumb√° de Parintins. O vermelho.

GARIT√Č: Canoa.

GARRAFADA: Pajelança feita por curandeiros em que se mistura ervas e essências medicinais com o objetivo de curar doenças e descarregar maus fluidos.

GASGUITA: Esganiçado.

GASTURA: Enj√īo.

GATIADO: Olho puxado.

GATO: Ligação clandestina de energia elétrica ou outro serviço pago. .

GAZETAR: Matar aula.

GIGOLETE: Tiara.

GITO: GITINHO: Pequeno.

GORAR: Dar errado.

GORGULHO: Pedra pequena de leito de rio. Caruncho de gr√£os de arroz, feij√£o, etc.

GOR√ď: Bebida alco√≥lica.

GOROROBA: Comida improvisada, misturada.

GRAFITE: Lapiseira. .

GRANDES COISA!: Expressão de desdém.

GUA√ćPECA: Baixinho.

GUARAMIRANGA: Barco que nunca chegou.

GUARAN√Ā: Fruto usado como estimulante e revigorante. Hoje em dia o uso da semente do Guaran√° se alastrou como fitoter√°pico rico em cafe√≠na e estimulante do sistema nervoso central. Al√©m da cafe√≠na, a semente do Guaran√° cont√©m amido, √≥leo fixo, √°cidos cafeo-t√Ęnico e mat√©rias arom√°ticas, resinosas e p√©pticas. O Guaran√° tamb√©m √© usado como t√īnico geral e no combate ao estresse.

GUARIBA: Espécie de macaco.

GUARIBAR: Dar uma melhorada disfarçando os defeitos de alguma coisa.

GUEGUETE: Mulher, moça, garota.

GUENZO: Desajeitado.

GUGUENTO: Pessoa cheia de marcas na pele.

GUISAR: Destruir, destroçar uma pipa.

GURUPEMA: Peneira.

HAVERA: Haveria.

HIL√ČIA: Denomina√ß√£o dada √† Floresta Amaz√īnica pelos naturalistas Alexander Von Humboldt e Aim√© Goujaud Bonpland.

IAC√Ā: Quel√īnio da fam√≠lia das tartarugas.

IGAP√ď: Floresta pantanosa, encharcada e sombreada pelo mato.

IGARA-AÇU: Canoa grande.

IGARA-MIRIM: Canoa pequena.

IGARAP√Č: Pequeno rio, riacho, arroio.

IGARIT√Č: Canoa grande e forte.

IGUALZINHO: Muito semelhante. .

ILHARGA: Ao lado.

IMPLICAR: Incitar discuss√£o.

INCANDIADO: Ofuscado pelo brilho.

√ćNGUA: Caro√ßo embaixo do bra√ßo que indica que o corpo est√° sofrendo uma inflama√ß√£o. G√Ęnglio.

INHACA: Cheiro forte e ruim.

INVOCADO: Difícil de entender, de fazer, etc.

IPADU: Mingau feito com pouca √°gua, consistente e grosso.

IR PRAS BARCAS: Sair para curtir.

ITAMARAC√Ā: A zona do baixo meretr√≠cio em Manaus.

IXE! :Express√£o de estranhamento, t√©dio ou repugn√Ęncia.

JAB√Ā: Charque.

JABURU: Pessoa feia.

JACINTA : Libélula.

JACUBA: Pir√£o feito com √°gua, farinha e a√ß√ļcar ou mel.

JACUMÃ: Direção da canoa com o remo de mão numa das extremidades.

JARAQUI: O peixe mais popular de Manaus.

JERIMUM: Abóbora.

JIQUITAIA: Pequena formiga de picada dolorosa.

JIRAU: Pia r√ļstica e improvisada. A fonte de √°gua, na maioria dos casos, √© um balde com √°gua do igarap√©. Serve para tratar o peixe, lavar m√£os etc..

JOGAR NO MATO: Jogar fora.

JUNTAR OS PANOS: Ir morar junto.

JUNTAR: Catar, pegar no ch√£o.

JURURU: Cabisbaixo, tristonho, abatido.

KAMIRANGA: Urubu.

KETCHBACK : Um lance amoroso, rolo.

KIKÃO: Cachorro-quente.

L√Ā VAI!: Express√£o equivalente a ‚ÄúL√° vem voc√™ falar nisso de novo‚ÄĚ.

L√ĀBIA: Papo, conversa.

LAMBANÇA: Gabolice, bazófia, fanfarronice.

LAMBUJA: Vantagem, b√īnus.

LAMPARINA: Pequeno candeeiro feito de lata de cerveja ou leite em pó, com um pavio de algodão embebido em querosene.

LAMPARINADA: Uma dose de cachaça.

LANCHE: Lanchonete.

LANTERNAGEM: Funilaria de veículos.

LANTERNEIRO: Funileiro de veículos, aquele que conserta lataria.

LAPA: Grande, imenso, desproporcional.

LAPISEIRA: Caneta esferogr√°fica.

LATEJAR: Pulsar.

LAVADA: Vantagem.

LAVAR A √ČGUA; LAVAR A BURRINHA: Levar vantagem, gozar um momento de felicidade, ganhar com sorte algo ou algum pr√™mio.

LAVAR DA √ĀREA: Ir embora com rapidez.

LAVAR URUBU: Estar desempregado.

LAVOURA: Ganhar tudo no jogo de bola de gude.

LAZARENTO:Infeliz.

LEGUELH√Č: Jo√£o-Ningu√©m.

LENGA-LENGA: Enrolação, indecisão.

LEPROSO: Pessoa que desagrada de alguma forma.

LESO; LESEIRA: Leso √© algu√©m que sofre de leseira, um abestalhamento moment√Ęneo. Se a leseira for uma caracter√≠stica, a pessoa tem Leseira Bar√©,causada pelo sol quente na cabe√ßa, que queima alguns neur√īnios. Dizem que todos os amazonenses t√™m tr√™s minutos di√°rios de leseira.

LEVANTADOR DE TOADA: Cantor de toada de boi.

LEVAR UMA QUEDA: Cair, levar um tombo. .

LIBRINAR: Chuviscar.

LIGA: El√°stico de amarrar dinheiro.

LOMBRA: Sono de bêbado ou drogado. Coisa indefinida.

LOMBRADO: Bêbado, fora de si.

LOROTA: Mentira.

MACACA : Jogo de Amarelinha.

MA√áARANDUBA: √Ārvore da familia dos √©banos, que produz madeira de lei de cores avermelhado at√© vermelho escuro.

MACAXEIRA: Mandioca comestível, aipim.

MACETA;PORRUDO: Grande, imenso, de propor√ß√Ķes anormais.

M√ÉE-D√ĀGUA: Entidade m√≠tica que habita os rios.

MAIOR PALHA: Muito ruim.

MALEITA: Febre, mal√°ria.

MAL-ENCARADO: Pessoa suspeita ou estranha.

MALINAR: Reinar, fazer malvadeza gratuita.

MALOCA: Aldeamento de índios.

MALUVIDO: Mal-comportado.

MAMADA: Mamadeira de leite.

MANCADA: Equívoco lamentável.

MANCHETE: Na vista.

MANDIOCA; MACAXEIRA: A grossa raiz comestível da maniva.

MANDUQUINHA: Cambur√£o.

MANEIRO: Leve, f√°cil de manobrar. Muito legal.
.
MANGAR: Fazer pouco de alguém.

MANGARATAIA: Gengibre.

MANJA: Brincadeira infantil.

MANO; MANINHO: Tratamento carinhoso entre conhecidos ou n√£o.

MANTEIGA DE TARTARUGA: Feita com gordura extraída dos ovos da tartaruga.

MANTEIGA-DERRETIDA: Pessoa chorona.

MÃOZADA: Tapa.

MAPINGUARI: Entidade que habita a floresta com forma de um grande macaco cabeludo com um olho só na testa. Segundo a lenda, é um terrível inimigo do homem, de quem devora só a cabeça.

MARMANJO: Adulto.

MARMOTA: Invenção, arrumação, trapaça.

MAROMBA : Jirau elevado, feito com troncos ou madeira, para deixar a salvo animais domésticos, plantas e pertences dos ribeirinhos, durante as enchentes.

M√ĀRRAP√Ā!: O mesmo que ‚ÄúOlha j√°!‚ÄĚ .

MARRETEIRO: Vendedor ambulante.

MAS!:Pronuncia-se “Mách):. Interjeição de ênfase.

MASSA FINA: P√£o de leite.

MASSA GROSSA: Pão francês.

MATEIRO:Aquele que é habituado a meter-se no mato ou lá passar parte do dia.

MATUP√Ā: Barranco dos rios com vegeta√ß√£o desenraizada que fica boiando conforme o n√≠vel do rio.

MEIGA;MEIGALINHA: Mulher f√°cil.

MEMBECA: Espécie de grama que se desenvolve as margens dos igarapés, lagos e rios.

MENINO BARRIGUDO: Aquele que só faz besteira.

MERENDA: Lanche.

MERENDAR: Lanchar.

MERMO; MESMO: Exprime d√ļvida ou confirma√ß√£o.

MERRECA: Muito pouca coisa, sobretudo dinheiro, mixaria.

MERU√ćM: Inseto de picada dolorosa. Transmite a filariose.

METER O PAU: Falar mal de alguém..

METIDO: Boçal.

MEU GRANDE: Tratamento para desconhecidos.

MEXER: Chamar algu√©m que vai passando. Manter rela√ß√Ķes sexuais.

MIJACÃO: Bolhas de água.

MILHITO: Salgadinho de saquinho. Seu uso foi estendido a partir do salgadinho da marca Milhitos Jack’s, de fabricação local.

MINGAU: Preparado rico em carboidratos à base de arroz, milho, banana ou farinha de tapioca extraída da macaxeira.

MIOLO-DE-POTE: Conversa fiada.

MIRAÇÃO: Alucinação.

MIRATINGA: √Ārvore cujo ramo tem forma de um p√™nis.

MOCORONGO: Desajeitado. Natural de Santarém (PA).

MOFINEZA: Fraqueza, indisposição, mal-estar.

MOFINO: Fraco, indisposto, sem resistência física.

MONDRONGO: Incha√ß√£o, tumor subcut√Ęneo, calombo, protuber√Ęncia grande e esquisita.

MONTE: Bastante.

MOTOR: Barco movido a diesel com grande capacidade de carga.

MUCUIM: Parasita min√ļsculo que se alimenta de sangue e que vive no capinzal. Gente pequena.

MUCURA: Espécie de gambá que come frango.

MUNGUNZ√Ā: Mingau de milho.

MUQUE: Braço, força.

MURA: Pessoa invocada, fechada.

MURUPI: Pimenta amarela extremamente forte.

MUTUCA: Observação.

NÃO BATER BEM: Ser amalucado.

N√ÉO √Č P√ÉO!: Claro que sim!

NÃO FAZER NEM AMARRADO PELO CHINELO PRETO; NEM QUE A VACA TUSSA; NÃO VEM QUE NÃO TEM; NECA DE PITIBIRIBA:De jeito nenhum

N√Č N√ÉO!: N√£o √© n√£o..

NEM COM NOJO; NEM COM O PITIU (DO BOD√ď); TEM MIL! ;TEM CEM!;MAS QUANDO?: Expressam indigna√ß√£o.

NHACA PURA! :Fedorento.

NO BALDE, NO MUNDO;QUE S√ď; PRA CARAMBA: Expressam intensidade ou quantidade.

NO CABRESTO: Na linha dura, sem folga, preso.

NO OLHO: Expressão utilizada para indicar que alguém recebeu uma resposta certeira.

NO TEMPO DO RONCA: H√° muito tempo.

N√ď-CEGO: Uma pessoa esperta,que finge que faz, mas n√£o faz e sempre se sai bem.

NOME FEIO: Palavr√£o. ‚ÄúM√£e! O Chico t√° chamando nome feio!‚ÄĚ

O BICHO: Algo muito bom, de boa qualidade.

O QUE ERA MAIS? Express√£o usada por vendedores no sentido de ‚ÄúMais alguma coisa?‚ÄĚ

OLHA J√Ā ENT√ÉO: Mas que abuso!

OLHOS DE PETECA: Olhos grandes e claros.

OSGA; BRIBA: Lagartixa branca com os olhos pretos, que anda pelas paredes da casa e come insetos.

OVADA:PRENHE: Gr√°vida.

PACOVÃ: Banana comprida que é frita.

PACU: Peixe gordo.

PAGAR SAPO: Humilhar.

PAGAR: Caber.

PAJ√Č: Curandeiro que usa tanto com os rem√©dios da terra, al√©m de feiti√ßos e benzeduras.

PAGELA: Di√°rio de classe.

PAI D‚Äô√ČGUA: Algo ou algu√©m muito bom, muito legal.

PAID’EGUÃO: Adulto, marmanjo.

PAJELAN√áA : A√ß√£o do curandeiro amaz√īnico.

PALHA : A palma das palmeiras. Uma decepção.

PALMINHA : Dois peda√ßos de madeira retangulares (ita√ļba ou sucupira) usados para marcar o ritmo das toadas de Boi-Bumb√°.

PAMONHA;PANEMA: Babaca

PANAIR ‚Äď Feira em Manaus.

PANELÃO: Dente que tem um buraco grande.

PANO DE BUNDA: Roupa íntima.

PANUVEIRO: Confus√£o.

PAPAGAIADO: Alguém ou alguma coisa extravagantemente colorido, lembrando um papagaio.

PAPAGAIO GUISADO: Pipa amassada, imprestável, normalmente disputada pelas crianças depois de cair.

PAPEIRA: Caxumba.

PAPELIM : Mulher que possui hímen, virgem.
PAPOCO: Confus√£o, barulho.

PARA O MÊS; PARA O ANO: Próximo ano ou mês.

PARADA: Ponto de √īnibus.

PARAN√Ā : Bra√ßo de rio que contorna uma ilha.

PARDIOSO;PERREX√Č: Desconfiado.

PARENTE; MANO: Forma de tratamento usado para se falar com alguém.

PARRUDO: Forte, musculoso.

PARTINHA: Franja.

PASSAR FERRO Passar roupa. .

PASTA: Creme dental.

PASTORAR: Observar, ficar olhando,tomar conta.

PATU√Ā: Palmeira que d√° fruto semelhante ao a√ßa√≠, rico em √≥leo vegetal.

PAU D‚Äô√ĀGUA: Chuva forte.

PAVULAGEM, PAVOLAGEM, PAVOLICE ou PAVULICE: Emp√°fia, abestalhamento, orgulho besta.

PAXIÚBA: Espécie de palmeira cujas folhas servem para cobertura.

PEBADO: Lascado, ferrado.

P√Č-DE-MOLEQUE: Massa feita com farinha de mandioca, temperada e assada, que se come como p√£o.

PEDI, PEDI, PEDI:: Repetição rápida do verbo para enfatizar, dar intensidade a qualquer verbo.

PEDIR PENICO: Desistir de alguma coisa por falta de coragem ou força

PEGA, MOLEQUE!: Pega, ot√°rio!

PEGA-MARRECA: Calça curta demais.

PEGAR CORDA: Deixar-se influenciar.

PEGAR O BECO Ir embora..

PEIA: Sova, surra.

PELA MADRUGADA!:Express√£o de espanto.

PELEJA:‚Äď Luta, batalha.

PENCA;CACHO: Muitos.

PENOSO: Avaro.

PENSEIRA: Compensador para balancear um papagaio penso.

PENSO: Torto, pendendo para o lado.

PER¬īAINDA: Forma sintetizada de ‚ÄúEspere ainda um pouco‚ÄĚ.

PEREBA: Ferida. .

PERNADA: Caminhada.

P√ČSSIMO;MALA SEM AL√áA;N√ď-CEGO: Pessoa pouco confi√°vel.

PETECA: Bola de gude.

PIAÇAVA : Fibra da palmeira utilizada em vassoura.

PICADINHO: Carne moída.

PICH√Č: Cheiro ruim.

PICUINHA: Questi√ļncula irritante com que se azucrina os outros.

PIMBA: Pênis infantil.

PIMBADA: Ter rela√ß√Ķes sexuais, dar uma pimbada. ‚Äú

PINCHA: Tampinha met√°lica de refrigerante. .

PINDA√ćBA: Mis√©ria, pobreza.

PINGUELO: Clitóris.

PINICAR; DAR BICADAS: Beliscar.

PINTA: Sinal.

PIPO: Chupeta de bebê.

PIRA: Ferida.

PIRACEMA: √Čpoca de desova dos peixes que sobem o rio, procurando o local ideal.

PIRACU√ć: Farinha de peixe.

PIRARUCU DE CASACA: Prato regional decorado a rigor, feito com farinha e banana.

PIRARUCU: O bacalhau amaz√īnico. Peixe grande, de escamas, cuja l√≠ngua serve de lixa.

PIRENTINHA: Menina com quem só se quer ter envolvimento sexual.

PIRIGUETE: Mulher fácil. Aglutinação de Piranha (ou Perigosa) com Gueguete

PIROCA; POMBA: Pênis.

PIROCAR: Perder ou cortar o cabelo.

PIRUADA : Jogar para cima alguma coisa para ser pego pelos demais.

PISA: Peia, surra.

PISSICA;PITACO: Opini√£o n√£o solicitada, mau agouro.

PITI√ö;PIX√Č: Cheiro. Geralmente associado a peixe.

PIUM: Mosquito pequeno, que se alimenta de sangue, característico do verão, em local pouco habitado, com mato.

PIXAIM : Tipo de cabelo enrolado.

P√ēE-MESA: Louva-Deus.

POMBA-LESA: Lento, lerdo, mole.

PORAQUÊ: Peixe-elétrico.

PORONGA: Lanterna ou lamparina.

PRA PORRA: Muito.

PREGUENTO: Grudento.

PRENHA ;PRENHE: Gr√°vida.

PRESENÇA: Bonito, bem apessoado.

PRESEPADA: Palhaçada, confusão.

PROCURAÇÃO: Ato de procurar.

PROVOCAR: Vomitar.

PUPUNHA : ‚Äď Fruta regional da fam√≠lia do pinh√£o, comida cozida.

PURO A :Com cheiro de, cheirando a. “

PUTATEBA; PUTIREBA; PUTITANGA: Expressam insatisfação.

PUXAR O DEDO: Puxa-se o dedo quando ele está destroncado próprio.

QUE DIGA: Melhor dizendo.

QUE DIR√Ā: Imagine.

QUE NEM: Usada para fazer uma comparação.

QUEBRA-MOLA: Lombada.

QUEBRANTAR: Jogar mau-olhado de admiração ou inveja, Por quebranto.

QUEBRA-QUEIXO: Guloseima dura feita com amendoim

QUEDE.? ;CAD√ä? QUE √Č DE?: Onde est√°?

QUEIDAR: Ato de derrubar o papagaio, por linha com cerol.

QUEIMAR: Bronzear-se.

QUEIMOSO: Com muita pimenta.

QUEIXAR: Ganhar no grito, ficar com algo de outra pessoa, ganhar na l√°bia.

QUER N√ÉO, N√Č?: Usa-se para oferecer algo quando n√£o se quer dar.

QUERIDA: Denota certo sarcasmo ou ironia. Mulher amazonense odeia ser chamada de querida.

QUERO CESSO / N√ÉO DOU CESSO: Express√Ķes que garantem acesso √† comida que algu√©m est√° comendo. Se algu√©m chegar e disser ‚Äúquero cesso‚ÄĚ, quem est√° comendo tem de dar. Mas se o comedor se antecipar e disser ‚ÄúN√£o dou cesso‚ÄĚ, a√≠ o filador fica chances de beliscar.

RABETA: Motor de popa, de pouca potência e fácil manuseio,usado pelos ribeirinhos.

RABICHO: Extensão elétrica.

RABIOLA: Linha com tiras de papel, plástico ou pano que serve para dar estabilidade à pipa.

RABISSACA: Virar a cara para alguém em sinal de desprezo.

RACHID: Rachar,dividir despesas.

R√ĀDIO CIP√ď: A boca pequena, fofoca.

RALA-RALA: Gelo ralado colocado num copo e acrescido de xarope de v√°rios sabores.

RALHAR: Dar bronca.

RANCHO: Cesta b√°sica, compras do supermercado.

RAPAZ :Vocativo, usado para os dois gêneros.

RAPICH√Č: Rede de pesca.

RAPIDOLA: Muito r√°pido.

RASGA-MORTALHA: Ave de mau agouro. Diz a lenda que quando passa perto de alguma casa produzindo seu ruído característico de alguma coisa rasgando, alguém daquela casa morre.

RATADA: Mancada, pisada de bola.

REBARBA: Resto de qualquer coisa.

REBOJO: Movimento das √°guas no rio, redemoinho.

REBOLAR NO MATO: Jogar no lixo.

RECREIO: Barco de recreio.

REGATÃO: Mercador ambulante que em barco ou canoa percorre o interior parando de lugar em lugar.

REIMOSO/REMOSO: Comida que faz mal.

REINAR: Fazer carinhos apertados, efusivos, em crianças.

RELAR Tocar de leve em outra pessoa, na maioria das vezes com segundas inten√ß√Ķes.

REMANSEAR: Enrolar, fazer corpo mole.

REMANSO: Pedaço do rio em que a topografia provoca um refluxo fluvial, diminuindo a correnteza.

REMELA: Secreção ocular.

REMENDAR: Imitar jocosamente.

RENDIDO: Impossibilitado de fazer algo por problemas de sa√ļde.

REPARAR: Tomar conta.

REPIQUETE: Um s√ļbito aumento no n√≠vel das √°guas no per√≠odo em que o rio est√° baixando.

REQUENGUELO: Meio destruído, decadente, mal-vestido, sujo.

RESERVA: Pneu sobressalente, estepe.

RESPEITE! : Expressa admiração por alguma coisa.

RETALHO: Varejo.

R√ďDO: Porto. Aportuguesamento de Roadway.

ROER UMA PUPUNHA: Passar por dificuldades.

ROLOS: Muitos.

R√ďSEO: Cor de rosa.

ROTA : √Ēnibus para o Distrito Industrial.

RUEIRO: Pessoa que n√£o gosta de ficar em casa e arruma motivo para sair.

RUMA: Indica grande quantidade.

SABIDO: Esperto, inteligente.

SACOPEMBA: Gorda.

SAFO: Esperto.

SALIENTE: Metida a conquistador.

SAMBADO: Objeto com muito uso.

SANDUBA: Sanduíche.

SAPECAR: Bater.

SARAMANDAIA: Antigo bordel de Manaus.

SARJAR: Tirar um tumor.

SARJETA: Meio-fio.

SARNAMBI: Originalmente pequena sobra de borracha que se forma durante o processo de defumação do látex;hoje é um bife difícil de cortar.

SARRAFO: Pancada.

SA√öVA: Formiga grande de ferrada dolorida.

SE ABRIR: Rir.

SE AGARRAR Namorar, ficar, principalmente quando há contato físico. .

SE ENXERIR; SE MENTIR Meter-se onde não é chamado. Querer aparecer.

SE MANCAR: Se tocar.

SE VER DE DOR: Sentir muita dor.

QUERO N√ÉO Invers√£o sint√°tica que deixa o interlocutor na d√ļvida.

QUIRIRI: Deserto, silencioso, calmo. Tristeza.

SECO : Vazio.

SEGURAR VELA: Ser o terceiro além do casal.

SERINGUEIRA: √Ārvore que fornece o l√°tex do qual se fabrica a borracha.

SERRINHA DE UNHA: Lixa de unha.

SESTA: Repouso após refeição.

SINAL: Sem√°foro.

SINCERA: Moça, garota.

S√ď O CU√ć: Muito magro.

SOLDADO DA BORRACHA: Nordestino que durante a II Guerra foi atra√≠do pelo Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) de Get√ļlio Vargas para colher l√°tex na Amaz√īnia.

SONGA-MONGA: Sonsa.

SOSSEGAR O FACHO Baixar a bola, se aquietar. ‚ÄúPode sossegar o facho que n√£o vai sair hoje n√£o‚ÄĚ.

SUA ALMA SUA PALMA SEU CORAÇÃO SUA PINDOBA: Expressão usada quando alguém teima em fazer alguma coisa reprovável, e assim está entregue à própria sorte.

SUCURI: Enorme cobra sem veneno, que mata apertando, sufocando e quebrando os ossos para depois engolir a vítima.

SUREMA : Passado,ou seja,comida ruim.

SUSTANÇA: Força, energia.

T√Ā DE PORRE: Est√° b√™bado.

T√Ā BESTA!: Deixa de inventar, deixa de leseira.

T√Ā PRA QUANTO?: Maneira de perguntar o pre√ßo de alguma coisa.

T√Ā PUTO COM: Est√° com muita raiva de.

T√Ā, CHEIROSO!: N√£o mesmo!

TABATINGA: Barro usado em artesanato.

TABEFE: Tapa.

TABERNA: Vendinha.

TACAC√Ā: Mingau quase l√≠quido de goma de tapioca temperado com tucupi, jambu, camar√£o e pimenta.

TACANHOBA: Tanguinha.

TACAR: Jogar, arremessar.

TACHO: Vaso de metal ou de barro, largo e de pouca fundura, em geral com asas.

TAL DE: Expressão de desdém usada antes de nome próprio.

TALA : Fina varinha da parte externa do tronco das palmeiras. Usada na confecção de papagaios.

TAPADO: Sujeito que n√£o enxerga as coisas, abestalhado.

TAPIOCA: Iguaria que se faz de mandioca. Pode ser de manteiga ou de coco.

TAPIRI: Casebre coberto com palha.

TAPURU: Verme.

TAREFA: Dever de casa.

TARRAFA: Pequena rede de pescaria.

TE MANCA! TE TOCA;CAI NA REAL: Veja como você está sendo abusado.

TE MANDA! ;CUIDA;CAPINA: Saia j√° daqui.

TE METE! Humilhou!

TÊCA: Pênis.

TEM UM POR√ČM: Tem um detalhe.

TENHO PRA MIM: Na minha opini√£o.

TER UM PASSAMENTO; TER UMA BILORA; DAR UMA BILORA Desmaiar.

TERÇADO: Facão grande de cortar mato.

TESÃO DE MORMAÇO: Aumento da potência sexual devido ao sol quente.

TET√ČIA: Mulher bonita, engra√ßadinha.

TICAR: Cortar o peixe para quebrar as espinhas. Furar alguém com faca numa briga.

TIGIBU;TRIBUFU: Mulher baixinha e gorda.

TIPITI: Utensílio que consiste numa espécie de cesto cilíndrico extensível, feito de palha, com uma abertura na parte superior e duas alças, usada pelos índios para extrair, por pressão, o ácido da mandioca brava.

TIQUIRA: Aguardente feita de mandioca.

TIRAR A HONRA: Deflorar, desvirginar.

TIRAR AS BRONCAS: Disfarçar, fingir que nada aconteceu.

TIRAR O COURO: Cobrar muito caro.

TIRAR: Comprar a prazo. .

TOADA: M√ļsica de Boi-Bumb√°.

TODO ERRADO: Alguém constrangido,envergonhado.

TODO MOCINHA!: Usado pelos homens quando alguém não quer fazer o que é esperado dele.

TOLETE: Bolo de fezes.

TOLICE : Relativo a tolo.

TOLO:‚Äď Bobo, leso.

TOMA!: Aprende!

TOMAR DE CONTA: Tomar conta.

TOMAR TENÊNCIA: Tomar jeito. .

TOME TENTO! :Tenha juízo!

TONTON: Cangote.

TOPAR: Encontrar.

TORAR: Cortar rente à base. Transar.

TOR√ď: Chuva forte com pingos grossos.

TRANCA: Pedaço de madeira que serve para fechar portas.

TRATAR: Preparar o peixe para cozinhar.

TRAVESSA: Tiara de cabelo.

TRAVOSO: Que tem cica, como caju verde. Pessoa difícil. .

TRELA : Conversa fiada. ‚ÄúSe der trela pra ela, ela fala a noite inteira‚ÄĚ.

TRIPA: Homem que fica embaixo do boi na festa do Boi-Bumb√°.

TRISCAR: Relar, tocar.

TROCADOR: Cobrador de √īnibus.

TRONCHO: Pessoa torta do juízo.

TU JURA?: Verdade?

TUCANDEIRA: Formiga gigante que d√° picadas muito doloridas.

TUCUNAR√Č : Peixe amaz√īnico de √°guas escuras.

TUCUPI : Molho feito do líquido extraído da mandioca.

TUR√ćTI: Acertar duas bolinhas em uma s√≥ jogada no jogo de gude.

TUXINA : Verme branco que aparece nas fezes e dá uma grande coceira; oxiuríase.

UARINI: Farinha amarela de gr√£os grandes.

UMA PORRADA: Muito.

UMENO: Ao menos; pelo menos.

URA: Berne.

URUBUSERVAR: Olhar atentamente.

URUCUBACA : Mau olhado, azar, falta de sorte.

URUCUM : Pigmento natural utilizado de v√°rias formas

VAI TE LASCAR!: Interjeição de raiva ou de decepção.

VALÊNCIA: Algo ou alguém que serve para livrar a pessoa de uma situação adversa.

VARADO DE FOME: Com muita fome.

VARIAR: Sair do juízo normal.

VASURA: Criança graciosa.

VAZADO: Faminto. Sair rapidamente.

VENETA: Cabeça.

VERRUGA: Sinal que nasceu depois na pessoa.

VEXADO: Apressado, envergonhado..

VIRADO: Pessoa trabalhadora.

VISAGEM: Alma de outro mundo, assombração, fantasma.

VITAMINADA: Vitamina, alimento preparado no liquidificador com leite, a√ß√ļcar e uma(s) fruta(s), normalmente banana.

VIXE MARIA! Express√£o de espanto.

VOADEIRA: Lancha de alumínio com motor de popa.

VOU-TE!: Expressão de indignação.

X-CABOQUINHO: Sanduíche de pão com queijo e tucumã, fruta regional de carne alaranjada.

XIBIU: Buceta..

XOD√ď: Favorito.

XUMBREGA: Sem valor, comum.

ZAGAIA: Tipo de arpão artesanal, lança.

ZAMBETA : Tonto.

ZERO-BALA: Renovado, pronto pra outra.

ZEZÃO: Abobado, besta, leso.

ZIMPADO: R√°pido.

ZOADA: Barulho.

 

Agora você pode dizer que também fala amazonês

Eu Falo Amazonês
Eu Falo Amazonês

Coment√°rios