Home Notícias O Governo do Estado e o Ministério da Saúde iniciaram a execução da “Operação Oxigênio” para abastecer os hospitais do Amazonas

O Governo do Estado e o Ministério da Saúde iniciaram a execução da “Operação Oxigênio” para abastecer os hospitais do Amazonas

2 min - tempo de leitura
38

O Governo do Estado e o Ministério da Saúde iniciaram a execução da “Operação Oxigênio” para abastecer os hospitais do Amazonas com o gás, que disparou em índices de consumo após o aumento de casos de Covid-19. De acordo com o governador Wilson Lima, o plano começou a ser executado após as principais fornecedoras do insumo não suportarem a demanda das redes pública e privada do estado, que passou a ser cinco vezes maior nos últimos 15 dias.

Para atender a demanda, tanto dos hospitais públicos quanto dos hospitais privados, as fornecedoras White Martins, Carbox e Nitron precisavam entregar 76.500 metros cúbicos (m³) diariamente. No entanto, a capacidade de entrega das empresas tem sido somente de 28.200 m³/dia. Para sanar o déficit de 48.300m³ diários, a operação está buscando em Fortaleza e São Paulo o insumo para trazer até Manaus em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB).

Durante o pronunciamento do Comitê de Resposta Rápida – Enfrentamento Covid-19, Wilson Lima destacou a dificuldade logística que o Estado tem encontrado para abastecer as unidades de saúde com oxigênio. “Desde a semana passada temos um esforço muito grande para complementar a produção que é feita aqui no Amazonas. Para isso, temos contato com o Ministério da Saúde e da Força Aérea Brasileira”, explicou.

De acordo com o secretário de Atenção Especializada do Ministério da Saúde, coronel Luiz Otávio Franco Duarte, os aviões da FAB têm condições de manter uma ponte aérea São Paulo-Manaus para complementar a produção de oxigênio em Manaus. Cada viagem de avião tem capacidade de abastecer a capital com 5.000m³.

“Diante do desabastecimento, não só aqui no Amazonas, mas em diversas partes do mundo, nós, preocupados com a situação do estado, abrimos a operação. O consumo diário hoje no Amazonas é de 76.000m³, e temos um déficit diário de 48.000 m³. A matemática é bem objetiva e mostra o esforço do SUS (Sistema Único de Saúde) para equalizar esse item nobre”, afirmou o coronel.

Em Manaus, a empresa White Martins, que é uma das maiores fornecedoras do insumo, em toda sua capacidade, consegue produzir 25.000m³. Em Fortaleza, a produção é de 4 milhões de m³.

A logística da operação prevê também rota terrestre com insumos até Belém, saindo de Fortaleza, para chegar a Manaus por meio de aviões. Para atender com urgência as redes, o transporte terrestre e fluvial, que seria o procedimento mais comum, foi descartado.

Governo do Estado e Ministério da Saúde trazem oxigênio de Fortaleza e São Paulo para abastecer hospitais do Amazonas / Foto: Diego Peres/Secom

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Notícias

Deixe uma resposta

Leia Também

Governo do Amazonas publica decreto liberando funcionamento de academias, confira os horários

O Governo do Amazonas publicou os decretos 43.482 e 43.483, de 26 de fevereiro de 2021, co…