Polícia prende amigo de jovem desaparecido no Acre

1254

Polícia Civil do Acre encontrou móveis do estudante de psicologia Bruno Borges, desaparecido desde 27 de março, e prendeu um amigo dele, Marcelo Ferreira, de 25 anos, por falso testemunho. Segundo a polícia, Ferreira deve ser liberado ainda na tarde desta quarta-feira (31) após depoimento.

Marcelo Ferreira foi preso na manhã desta quarta-feira (31) em Rio Branco (Foto: Aline Nascimento/G1)
Marcelo Ferreira foi preso na manhã desta quarta-feira (31) em Rio Branco (Foto: Aline Nascimento/G1)

Antes de sumir, Bruno deixou no seu quarto apenas uma estátua de 2 metros, mensagens nas paredes e 14 livros criptografados. A polícia descobriu agora que os móveis – um rack e uma cama – estavam na casa de Mário Gaiote, outro amigo de Bruno.

O delegado Alcino Júnior afirmou que cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa de Marcelo Ferreira. Lá, encontrou contratos deixados por Bruno destinando parte da venda dos livros para Ferreira, Gaiote e um primo de Bruno, Eduardo Borges. Por ter omitido essa informação em depoimento anterior, o delegado decidiu prender Ferreira e interrogá-lo. Ele pode ser solto após prestar esclarecimentos.

Com Ferreira, a polícia também encontrou uma porção de maconha. Por essa infração, ele terá que assinar um termo circunstanciado de ocorrência.

‘Plano de afastamento’
O delegado afirmou que o objetivo dos mandados judiciais era identificar indícios da localização de Bruno e também documentos que pudessem provar que o desaparecimento foi um plano bolado pelo estudante.

“No dia que o Bruno some, ele foi no cartório e registra o contrato. Então, para nós fica muito contundente que não foi um desaparecimento qualquer, na verdade, foi um plano consciente de afastamento, e o contrato mostra que há prazo para divulgação desses livros, prazo para publicação, destinação de porcentagem para quem o ajudou, no caso, essas três pessoas que o ajudaram de imediato. Para nós, está muito claro isso”, disse Alcino Júnior.

Resposta da irmã
Gabriela Borges, irmã de Bruno, escreveu em seu perfil no Facebook nesta quarta que a família já sabia do contrato sobre direitos dos livros.

“Desde o dia do desaparecimento soubemos do contrato, e isso nunca nos disse muita coisa a respeito. Até porque, para que os planos do Bruno deem certo, ele precisa de dinheiro. Afinal, não dá pra construir hospitais e ajudar quem precisa só com amor no coração. Então nem comecem com nhenhenhe!!!”, disse ela.

Segundo ela, estão querendo denegrir a imagem do irmão. “Qual o problema ele fazer um contrato para ajudar amigos que o ajudaram? […] Quem conhece o Bruno sabe exatamente do que passa em seu coração e qual sua verdadeira intenção com a publicação da sua obra, que por sinal, é muito interessante.”

Gabriela afirmou ainda que em breve a família fará o lançamento do primeiro livro.

Resposta de Gabriela Borges, irmã do jovem desaparecido no Acre, sobre a descoberta de um contrato sobre a venda dos livros deixados pelo rapaz (Foto: Reprodução/Facebook)
Resposta de Gabriela Borges, irmã do jovem desaparecido no Acre, sobre a descoberta de um contrato sobre a venda dos livros deixados pelo rapaz (Foto: Reprodução/Facebook)

Curte nosso conteúdo?!

Receba as notícias diretamente no seu e-mail:

COMPARTILHAR

Comentários