Home Regionalismo Memórias do Amazonas Saiba como o município de Canutama no Amazonas participou da Segunda Guerra Mundial

Saiba como o município de Canutama no Amazonas participou da Segunda Guerra Mundial

2 min - tempo de leitura
73

Primitivamente denominado Colônia de Bela Vista, o povoado é fundado por Manuel Urbano da Encarnação. No ano de 1879, a Lei Provincial nº 436, transforma o povoado em freguesia, sob a invocação de Nossa Senhora de Nazaré. Em 1891, o povoado é elevado à categoria de vila, com o nome de Nossa Senhora de Nazaré de Bela Vista. Em 1896, seu território é desmembrado do município de Lábrea e é criado o atual município de Canutama.

O povoamento e desenvolvimento do município de Canutama confunde-se com o início das explorações e expedições no rio Purus. Este, um dos grandes afluentes do rio Amazonas, começou a ser explorado no início da segunda metade do século XIX, tendo como pioneiros alguns coletores de drogas do sertão, muitos deles nordestinos.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o município contribuiu com homens, os quais se integraram ao exército brasileiro e aos aliados para salvar o mundo livre durante a Segunda Guerra Mundial. Hoje, muitos dos moradores do município são descendentes de”veteranos”.

De acordo com alguns veteranos, o “contingente canutamense” partiu em um navio-motor (alguns dizem ter sido o navio “Jota Leite”) e chegou a Manaus. Já na capital, eles teriam passado por treinamentos e adestramentos, como tiro ao alvo e outras técnicas. Como a guerra já se aproximava do fim, quando partiram, o mais próximo que chegaram do “olho” do conflito mundial foi até à Guiana Francesa, para de lá embarcarem em navios e atravessarem até a África. O que, de fato, não ocorreu

Por do sol em Canutama / Foto : Instituto de Estudos Brasileiros / Divulgação
Por do sol em Canutama / Foto : Instituto de Estudos Brasileiros / Divulgação

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Memórias do Amazonas

Deixe uma resposta

Leia Também

Passeata de Nicson Marreira em Tefé foi um circo do horror protagonizado por 5 mil pessoas entre elas, muitas crianças

No sábado (24), a cidade de Tefé, distante 523km de Manaus, testemunhou um verdadeiro circ…