Se você não quer que o WhatsApp envie seus dados para o Facebook, se apresse

20

Os usu√°rios do servi√ßo de mensagem instant√Ęnea WhatsApp que n√£o quiserem o compartilhamento de seus dados com o Facebook t√™m at√© 25 de setembro para rejeitar os novos termos de privacidade. Os novos usu√°rios, contudo, n√£o ter√£o essa op√ß√£o.

O Facebook finalizou a aquisi√ß√£o do WhatsApp em 2014 com o pre√ßo final de US$ 22 bilh√Ķes; j√° s√£o 1 bilh√£o de usu√°rios no mundo
O Facebook finalizou a aquisi√ß√£o do WhatsApp em 2014 com o pre√ßo final de US$ 22 bilh√Ķes; j√° s√£o 1 bilh√£o de usu√°rios no mundo

Ao anunciar que mudaria a forma como lida com os dados de seus usu√°rios, em 25 de agosto, o servi√ßo de mensagens informou que as pessoas teriam “at√© 30 dias para decidir se gostariam de concordar e continuar utilizando o WhatsApp”.

O WhatsApp esclareceu que não será mais possível rejeitar o compartilhamento depois dos 30 dias. Essa é a primeira vez que os termos de uso de dados do WhatsApp são mudados em quatro anos. A mudança está ligada com a venda do serviço para o Facebook.

A aquisi√ß√£o foi finalizada em 2014, com o pre√ßo final saltando de US$ 3 bilh√Ķes para cerca de US$ 22 bilh√Ķes.
Depois da compra, o serviço, antes pago, ficou completamente gratuito. O Facebook esclareceu que a ideia era facilitar o uso do WhatsApp para os negócios da rede social.

No m√™s passado, o WhatsApp informou que passaria a compartilhar mais dados com o Facebook para “melhorar suas experi√™ncias com an√ļncios e produtos” da rede social.

Como escolher n√£o compartilhar os dados?

Desde o an√ļncio de que iria compartilhar dados com o Facebook, WhatsApp passou exigir que usu√°rios se posicionem sobre os novos termos de servi√ßo; s√£o duas as formas de rejeitar o compartilhamento
Desde o an√ļncio de que iria compartilhar dados com o Facebook, WhatsApp passou exigir que usu√°rios se posicionem sobre os novos termos de servi√ßo; s√£o duas as formas de rejeitar o compartilhamento

No caso de um usuário já existente, há duas formas de rejeitar a nova política de compartilhamento de dados.
Ao iniciar o aplicativo e se deparar como aviso de atualiza√ß√£o √© preciso clicar em “Leia”. Caso a pessoa n√£o queira que os dados de sua conta sejam compartilhados com o Facebook, voc√™ poder√° desmarcar essa op√ß√£o e prosseguir a atualiza√ß√£o.

Se o usu√°rio j√° aceitou a atualiza√ß√£o anteriormente, ele tem at√© a pr√≥xima semana para escolher se quer ou n√£o compartilhar os dados da conta. Para isso, √© preciso entrar no aplicativo, ir para “Configura√ß√Ķes ou Ajustes”, em seguida escolher a op√ß√£o “Conta” e, finalmente, optar por marcar ou desmarcar “compartilhar os dados da conta”.
Ao concordar com os novos termos, o WhatsApp avisa o usu√°rio que os n√ļmeros do telefone e o conte√ļdo das conversas “n√£o ser√£o” repassados √† rede social. Mas o Facebook j√° planeja usar as informa√ß√Ķes compartilhadas para sugerir sugest√Ķes de amizade “mais relevantes” e tamb√©m an√ļncios publicit√°rios para quem troca mensagens.

O advogado Steve Kuncewicz, especialista em direito de propriedade intelectual e m√≠dia, observa que as fus√Ķes e aquisi√ß√Ķes de plataformas podem sempre resultar em novas regras para usu√°rios, e que para os novos usu√°rios do WhatsApp n√£o haver√° escolha sen√£o aceitar as novas normas.

“√Č uma troca. Para muitos usu√°rios n√£o h√° problema”, disse Kuncewicz √† BBC Radio 4. Ele emenda que, uma vez selecionado o “compartilhar”, a escolha n√£o poder√° ser refeita ap√≥s o prazo estabelecido pela WhatsApp.

Multa de 500 mil libras

“O que o Facebook est√° querendo √© transformar o WhatsApp numa plataforma √ļnica que possa comunicar com marcas”, completa Kuncewicz, ponderando que o uso desses dados dever√° ser feito com cautela. “Toda vez que h√° mudan√ßas, as pessoas ficam nervosas”.

Ele explica que mudanças na proteção de dados não precisam ser comunicadas a autoridades que monitoram o armazenamento e uso de dados no Reino Unido, mas precisam seguir a legislação vigente. Esse órgão de monitoramento, contudo, está acompanhado de perto esse compartilhamento entre WhatsApp e Facebook, observa o advogado.

“Se voc√™ n√£o seguir as regras pode ser multado em at√© 500 mil libras”, disse Steve Kuncewicz, emendando que as autoridades est√£o preocupadas com a falta de transpar√™ncia e querem que fique claro como esses dados v√£o ser usados.

Em fevereiro, o servi√ßo de mensagem instant√Ęneas bateu a marca de 1 bilh√£o de usu√°rios, de acordo com uma publica√ß√£o do presidente-executivo e cofundador do Facebook, Mark Zuckerberg.

De acordo com um post no blog do WhatsApp, esse n√ļmero representa quase uma em cada sete pessoas na Terra que, todo m√™s, usam o WhatsApp “para estar em contato com seus amados, amigos e fam√≠lia”. No Brasil, estima-se que 100 milh√Ķes de pessoas usem o servi√ßo.

Mesmo com as mudan√ßas, o WhatsApp, contudo, continua prometendo mensagens criptografadas de ponta a ponta que, segundo a empresa, garantem “que somente voc√™ e a pessoa com a qual voc√™ est√° se comunicando podem ler o que √© enviado e ningu√©m mais”.

Fonte: Agencia Brasil

 

Coment√°rios