Segundo denúncias, HPS Platão Araújo sofre apagões e dificuldades no atendimento médico

Funcionários do Hospital Pronto Socorro Platão Araújo, na Zona Leste da capital, denunciaram no final da manhã deste sábado (9) para alguns colegas da imprensa, que há inúmeros problemas no HPS.

Entre eles, equipamentos básicos, como o Raio-X e o setor de ortopedia, que está paralisado por conta da falta de pagamento dos funcionários, que não recebem a pelo menos 4 meses.

Há cartazes na porta informando os serviços paralisados, e o mais grave é a situação da energia elétrica, que está sofrendo quedas desde a sexta-feira (08) e desde as 8h da manhã desse sábado, ainda não retornou.

Segundo a denúncia, apenas um gerador está funcionando e ele não suporta toda a tensão do prédio. Pacientes internados tem que enfrentar calor, falta de médicos e os profissionais se desdobram para atender as ocorrências que chegam a todo momento.

Susam manda nota
Procurado pelo No Amazonas É Assim, a Susam informou que o problema foi causado por um rompimento de cabo elétrico que conduz energia da rua para dentro da unidade e já foram adotadas providências para não comprometerem o atendimento aos pacientes, e o gerador da unidade está funcionando.

A nota também informa que a secretaria já está providenciando geradores portáteis, e já fez contato com a Manaus Energia, que garantiu o restabelecimento em no máximo uma hora.

Confira a nota na íntegra:

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informa que, tão logo tomou conhecimento sobre a falta de energia no Hospital e Pronto Socorro Platão Araújo, adotou as providências para garantir que o atendimento aos pacientes nao fosse comprometido. A situação se mantém sob controle, inclusive com a possibilidade de remoção de pacientes da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para outras unidades da rede estadual de saúde, se necessário.

O gerador da unidade está funcionando e a secretaria está providenciando geradores portáteis para a UTI, caso haja necessidade, e também já fez contato com a Manaus Energia, que garantiu o restabelecimento da energia para a unidade em, no máximo, uma hora.

O problema foi causada por conta do rompimento de um cabo elétrico que conduz energia da rua para dentro da unidade.

Um engenheiro elétrico da Susam está no hospital acompanhando a situação.

Comentários

Receba nossas atualizações em seu e-mail: