Serafim defende reajuste para professores de 28% e critica postura ‚Äúimperial‚ÄĚ do Estado

41

O Governo do Estado anunciou na manh√£ desta quinta-feira (15), reajuste salarial para os professores de R$ 133 (8,17%). Na Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), o deputado Serafim Corr√™a (PSB), rebateu a proposta e defendeu o aumento de 28% para os profissionais da educa√ß√£o, baseado no repasse milion√°rio do Fundo de Manuten√ß√£o e Desenvolvimento da Educa√ß√£o B√°sica e de Valoriza√ß√£o dos Profissionais da Educa√ß√£o (Fundeb) depositado na conta do estado no primeiro bimestre ‚Äď R$ 393,8 milh√Ķes.

Hoje um professor com carga horária de 20h ganha R$ 1.634,75, segundo a Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Com essa proposta do Governo Amazonino, o salário dos professores irá para R$ 1.768,60. Mas esse reajuste, com base no aumento dos repasses do Fundep, poderia ser de até 28,2%. Dessa forma o salário dos professores teria aumento de R$ 457,73 e iria para R$ 2.092,48.

‚ÄúSe esse aumento fosse de 28%, eles receberiam bem acima de R$ 400 de aumento. A minha proposta √© de que o governo reveja esse √≠ndice, porque 8,17% n√£o vai resolver o problema, vai ao contr√°rio – vai irritar ainda mais os professores‚ÄĚ, avaliou Serafim.
Em 2017, o estado recebeu, por meio do Fundeb, R$ 267 milh√Ķes no primeiro bimestre. No mesmo per√≠odo deste ano, o governo estadual recebeu R$ 393,8 milh√Ķes, o que representa um aumento de 47% em compara√ß√£o ao ano anterior. Do total dos recursos do Fundeb, o governo estadual poderia utilizar pelo menos 60% para destinar ao pagamento da remunera√ß√£o dos profissionais do magist√©rio da educa√ß√£o na rede p√ļblica de ensino.

‚ÄúEst√° faltando conversa e di√°logo aberto do governo. Ele (Amazonino) est√° numa postura muito equivocada, os tempos s√£o outros. O governador Amazonino, com todo respeito que tenho a sua pessoa, est√° numa postura quase que imperial‚ÄĚ, afirmou o deputado.

deputado Serafim Correa / Foto : Marcelo Ara√ļjo
deputado Serafim Correa / Foto : Marcelo Ara√ļjo

Aux√≠lio Sa√ļde

Em rela√ß√£o √† suspens√£o do plano de sa√ļde dos professores e an√ļncio da Seduc de que o valor do benef√≠cio ser√° depositado diretamente na conta dos profissionais, Serafim fez uma advert√™ncia.

“Ocorre que todos n√≥s sabemos que quando o plano de sa√ļde √© coletivo o valor vai l√° para baixo, mas quando ele √© individual vai l√° para cima. Ent√£o, nenhum professor vai conseguir pagar um plano de sa√ļde aqui em Manaus. A minha proposta √© um pouco diferente – no interior, onde efetivamente n√£o h√° plano de sa√ļde, os professores devem receber esse aux√≠lio em dinheiro. Agora, na capital, que seja mantido o plano de sa√ļde‚ÄĚ, sustentou o deputado.

A empresa respons√°vel, at√© ent√£o, pelo plano de sa√ļde dos professores, era a Hapvida. Para Serafim, se essa institui√ß√£o n√£o est√° mais funcionando bem para o estado, √© melhor realizar outra licita√ß√£o e contratar uma nova empresa.

‚ÄúPorque por esse caminho que o governo estadual est√° anunciando, os professores sair√£o prejudicados. Podem aguardar – quando ocorrer o primeiro cr√©dito desse valor vai haver uma nova revolta dos professores, que hoje est√£o em greve e com muitas escolas paralisadas‚ÄĚ, concluiu Serafim.

deputado Serafim Correa / Foto : Marcelo Ara√ļjo
deputado Serafim Correa / Foto : Marcelo Ara√ļjo

Texto: Janaína Andrade
Fotos: Marcelo Ara√ļjo

Coment√°rios