Home Notícias Amazonas Sidônio Gonçalves, o ‘indio’, terá que devolver quase R$ 600 mil reais ao Governo Federal após saquear Tefé

Sidônio Gonçalves, o ‘indio’, terá que devolver quase R$ 600 mil reais ao Governo Federal após saquear Tefé

3 min - tempo de leitura
29

O ‘Indio’, apelido do ex-prefeito de Tefé, terá que devolver aos cofres do Tesouro Nacional a pequena bagatela de R$ 585 mil reais em recursos federais destinados à localidade, em 2006, para a área da educação.

O acórdão 10031/2017 publicado na edição da última quarta-feira, 8, do Diário Oficial da União (DOU), foi julgado em desfavor do ex-prefeito de Tefé (a 522 quilômetros de Manaus), Sidônio Trindade Gonçalves (PHS).

O Tribunal de Contas da União (TCU) entendeu que houve a ‘impugnação parcial das despesas realizadas com os valores’, que foram transferidos através da modalidade Fundo a Fundo. As contas do político também foram julgadas irregulares pelo plenário.

Sidônio Gonçalves / Foto : Divulgação ACrítica
Sidônio Gonçalves / Foto : Divulgação ACrítica

O processo está sob a relatoria do ministro substituto Marcos Bemquerer Costa. Conforme o acórdão, cerca de R$ 302,4 mil foram transferidos para a conta do município entre janeiro de 2006 e janeiro de 2007. O político esteve à frente da prefeitura entre 2005 e 2008.

Os valores foram repassados através dos programas federais de Apoio aos Sistemas de Ensino para Atendimento à Educação de Jovens e Adultos (Peja) e Nacional de Apoio ao Transporte Escolas (Pnate). Além de ter que devolver o valor, que atualizado monetariamente, conforme rege a Lei, chefa a R$ 573 mil, ele ainda terá que pagar uma multa de R$ 12 mil pelas irregularidades.

A multa foi baseada no artigo 19 da Lei 8.443/1992 (Lei Orgânica do Tribunal de Contas da União), que prevê que “quando julgar as contas irregulares, havendo débito, o Tribunal condenará o responsável ao pagamento da dívida atualizada monetariamente, acrescida dos juros de mora devidos, podendo, ainda, aplicar-lhe a multa prevista no art. 57 desta Lei, sendo o instrumento da decisão considerado título executivo para fundamentar a respectiva ação de execução”.

A atualização do valor considera o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A decisão aponta que ele tem 15 dias para comprovar o depósito dos valores nas contas do FNDE e Tesouro Nacional, respectivamente. O valor pode ser parcelado em até 36 vezes. O ex-prefeito não foi localizado para falar sobre o assunto.

Aguardemos os próximos capítulos.

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por No Amazonas é Assim
Carregar Mais Em Amazonas

Deixe uma resposta

Leia Também

Dona Rosa, mãe de David Almeida, morre aos 84 anos

Na tarde deste sábado (28), faleceu dona Rosa Almeida, aos 84 anos, mãe do candidato a pre…